Avaliação do serviço de limpeza e desinfecção de superfícies em um hospital universitário em Recife – PE.

Autores

  • Pérola Crislayne Dias de Oliveira Universidade Federal de Pernambuco-UFPE/CAV
  • Maria da Conceição Cavalcanti de Lira Centro Acadêmico de Vitória/Universidade Federal de Pernambuco
  • Cristiane Macedo Vieira Centro Acadêmico de Vitória/Universidade Federal de Pernambuco
  • Viviane de Araújo Gouveia Centro Acadêmico de Vitória/Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.22481/rsc.v18i1.8066

Palavras-chave:

Controle de Infecções, Segurança do Paciente, Gestão da Qualidade, Serviço de Limpeza

Resumo

O ambiente hospitalar é considerado um reservatório de microrganismos causadores de infecção, o contato com superfícies contaminadas são responsáveis por 20% das infecções nosocomiais. Portanto, a pesquisa teve como objetivo a avaliação do serviço de limpeza e desinfecção de superfícies em um hospital universitário em Recife - PE. Estudo transversal com abordagem quantitativa descritiva, realizado no período de agosto a outubro de 2019. A coleta de dados foi realizada através de um formulário contendo quatro domínios: técnicas operacionais, equipamentos e acessórios, controle de qualidade e relacionamento com o cliente. Os dados foram processados pelo Microsoft Office Excel 2007. Foram avaliados três setores críticos do Hospital, dentre esses apenas o setor de Unidade de Terapia Intensiva alcançou na média, o (score) maioria atendido no domínio de Técnicas operacionais, 75% dos itens presentes no domínio de equipamentos e acessórios, e 60% dos itens presentes no domínio “controle de qualidade” pontuaram o score nada e minoria atendido. Todos os setores afirmaram não terem recebido reclamações dos clientes. A avaliação do serviço de limpeza e desinfecção identificou a necessidade de treinamentos para a equipe, bem como estratégias para o monitoramento e avaliação continua do serviço. Tais medidas minimizam a chance de ocorrência de eventos adversos promovendo segurança ao paciente.

Palavras chaves: Controle de Infecções; Segurança do Paciente; Gestão da Qualidade; Serviço de Limpeza. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pérola Crislayne Dias de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco-UFPE/CAV

Enfermeira pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE/ CAV, com experiência em vigilância epidemiológica. Pós graduanda em Saúde Coletiva - FAVENI, MBA Gestão em Saúde e Controle de Infecção em andamento. Enfermeira Plantonista no Acolhimento e Classificação de Risco do Hospital e Maternidade Virginia Colaço Dias - HMVCD e Professora no curso de atendente de farmácia e sala de vacina na Escola Profissionalizante Mais Sucesso Educação e Profissão.

Maria da Conceição Cavalcanti de Lira, Centro Acadêmico de Vitória/Universidade Federal de Pernambuco

Graduada em Enfermagem pela Fundação do Ensino Superior de Olinda (1993). ESPECIALISTA em Gestão Ambiental pela Universidade de Pernambuco - UPE (2003), MESTRE em Tecnologia Ambiental pelo Instituto de Tecnologia de Pernambuco - ITEP(2007) ,Doutora do Programa de Pós Graduação de Ciências Farmacêuticas (PPGCF) da UFPE, Professora Adjunto, nível II Classe C do curso de Enfermagem do Centro Acadêmico de Vitória - CAV/UFPE, Pesquisadora do Núcleo de Ensino, Pesquisa e Assistência em Infectologia da Universidade Federal de Pernambuco (NEPAI-HC).

Cristiane Macedo Vieira, Centro Acadêmico de Vitória/Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em ENFERMAGEM pela Faculdade Santa Emília de Rodat - FASER (1996), e Bacharelado em Direito- UNIPE (2018), mestre em ENFERMAGEM SAÚDE PÚBLICA pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2002), Especialista em Saúde do Adolescente - Universidade de Brasília - UNB (1999), Especialista em Educação Profissional na Area da Saúde UFPB (2003). Foi docente na Faculdade Nova Esperança - FACENE, Faculdade Santa Maria - FSM, do Instituto Superior de Ensino da Paraíba - IESP, Instituo Paraibano de Ensino- UNIPÊ e Faculdade Santa Emília de Rodat- FASER. , atuando principalmente nos seguintes temas: Saúde Coletiva, Politicas Publicas de Saúde, Estrategia Saúde da Familia, Atenção Básica, Epidemiologia e Saúde da Criança e do Adolescente, Direito Sanitário. Atualmente professora assistente da UFPE/CAV, em regime de Dedicação Exclusiva, curso de enfermagem, núcleo de Saúde Coletiva.

Viviane de Araújo Gouveia, Centro Acadêmico de Vitória/Universidade Federal de Pernambuco

Doutora pelo Programa de Pós-graduação em Inovação Terapêutica pela Universidade Federal de Pernambuco(PPGIT-UFPE) (2011-2015) com área de concentração em Cardiologia Intervencionista e Hemodinâmica. Bacharel e Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal de Pernambuco (2001.1-2004.2). Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Pernambuco (2007-2009). Especialista na área de Enfermagem em Cardiologia pelo Programa de Residência de Enfermagem da Secretaria de Saúde de Pernambuco (2005-2008). Especialista em Enfermagem do Trabalho pela FACISA (2006-2007). Especialista em Saúde Pública com ênfase em Gestão e Saúde da Família pela Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças/ Universidade de Pernambuco (2005-2007). Especialista na área de Enfermagem em Urgência e Emergência pelo Instituto Nacional de Ensino Superior - INESP (2007-2008). Atuou como Enfermeira assistencial na Emergência Geral de Adultos do Hospital da Restauração - PE (2006-2009). Atualmente exerce o cargo de Professora Adjunto do Núcleo de Enfermagem na Universidade Federal de Pernambuco - Campus Vitória de Santo Antão, onde coordena e ministra as disciplinas de Administração em Enfermagem, Legislação de Enfermagem, Ética e Bioética e atua como Coordenadora de Estágio Curricular - Área Hospitalar (Desde 2016). Atuou como Coordenadora Pedagógica do Programa de Residência de Enfermagem do Hospital Barão de Lucena (2011-2012) É Docente do Programa de Residência Multiprofissional de Interiorização de Atenção à Saúde do CAV/UFPE e do Programa de Residência Multi e Uniprofissional UFPE, onde ministra as disciplinas de Ética e Bioética e Metodologia da Pesquisa.

Referências

Martins DF, Benito LAO. Florence Nightingale e as suas contribuições para o controle das infecções hospitalares. Univ Ci Saúde. 2016; 14(2): 153-66.

Medeiros ABA, Enders BC, Lira ALBC. Teoria Ambientalista de Florence Nightingale: Uma análise critíca. Esc Anna Nery. 2015; 19(3): 518-24.

Sher ANA, Akhtar A. Clinical application of Nightingale´s theory. J Clin Res Bioeth. 2018; 9(4).

Alvim ALS, Couto BRGM, Gazzinelli A. Perfil Epidemiológico das Infecções Relacionadas à assistência a saúde causadas por Enterobactérias produtoras de Carbapenemase. Rev Esc Enferm. USP. 2019; 53.

Padoveze MC, Fortaleza CMCB. Infecções relacionadas à assistência a saúde: desafios para saúde pública no Brasil. Rev Saúde Pública [online]. 2014; 48(6): 995-1001.

Tacconelli E, Cataldo MA, Dancer SJ, Angelis D de, Falcone M, Frank U, et al. Diretrizes da ESCMID para o gerenciamento de medidas de controle de infecção a fim de reduzir a transmissão de bactérias Gram-negativas multidroga-resistentes em pacientes hospitalizados. J Infect Control. 2014; 3(3): 50-89.

Rocha IV. Identificação de mecanismos de resistência antimicrobiana de Bactérias Gram negativas prevalentes em superfícies e hemoculturas de Unidade de Terapia Intensiva em Caruaru – PE. [dissertação]. Recife: Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Aggeu Magalhães; 2017.

Sales VM, Oliveira E, Celia R, Gonçalves FR, Melo CC. Analíse microbiológica de superfícies inanimadas de uma Unidade de Terapia Intensiva e a segurança do paciente. Rev Enf Ref. [online]. 2014; 4(3): 45-53.

López CL. Papel del ambiente hospitalario y los equipamientos en la transmisión de las infecciones nosocomiales. Enfermedades Infecciosas y Microbiología Clínica. 2014; 32(7): 459-64.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Anvisa; 2012.

Governo de São Paulo. Melhores pratícas para higiene e limpeza em ambiente hospitalar. São Paulo; 2019.

Hall L, Farrington A, Mitchell BG, Barnett AG, Halton K, Allen M.Researching effective approaches to cleaning in hospitals: protocol of the REACH study, a multi-site stepped-wedge randomised trial.Implement Sci 2016; 44(11).

Chaves LPD, Camelo SHH, Silva MR, Silva NM, Pereira AP. Governança, higiene e limpeza hospitalar: Espaço de gestão do Enfermeiro. Texto Contexto Enferm 2015; 24(4).

Brasil. Instrução Normativa n° 5, de 26 de maio de 2017. Dispõe sobre as regras e diretrizes do procedimento de contratação de serviços sob o regime de execução indireta no âmbito da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional 2017. Brasília – DF

Fonseca TAP, Pêssoa R, Felix AC, Sanabani SS. Diversity of Bacterial Communities on Four Frequently Used Surfaces in a Large Brazilian Teaching Hospital. Int J Environ Res Public Health 2016; 13(2).

Ling ML, Apisarnthanaraka A, Thu LTA, Vilanueva V, Pandjaitan C, Yusof MY. APSIC guidelines for environmental cleaning and descontamination. Antimicrobial Resistance and Infection 2015; 58(4).

Santos – Junior AG, Ferreira AM, Frota OP, Rigotti MA, Barcelos LDS, Lopes de Sousa AF, et al. Effectiveness of Surface Cleaning and Disinfection in a Brazilian Healthcare Facility. Open Nurs J 2018; 28(12): 36 - 44.

Hardy K, Abbott B, Bashford S, Bucior H, Codd J, Holland M, et al. Can measuring environmental cleanliness using ATP aid in the monitoring of wards with periods of increased incidence of Clostridium difficile?. J Infect Prev 2014; 15(1): 31 – 35.

Aithinne KAN, Cooper CW, Lynch RA, Johnson DL. Toilet plume aerosol generation rate and environmental contamination following bowl water inoculation with Clostridium difficile spores. Am J Infect Control 2019; 47(5): 515 – 520.

Sassi HP, Reynolds KA, Pepper IL, Gerbe CP. Evaluation of hospital-grade disinfectants on viral deposition on surfaces after toilet flushing. Am J Infect Control 2018; 46(5): 507 – 511.

Kandel CE, Simor AE, Redelmeier DA. Elevator buttons as unrecognized sources of bacterial colonization in. Open Med 2014; 8(3): 81 – 86.

Oshiro ICVS e Spadão FS. Limpeza e Desinfecção do ambiente. In: Controle de Infecção: a prática no terceiro milênio. Carrara D, Strabelli TMV, Uip DE, (editors) 1.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. In Cap. 21.

Soares MP, Rodrigues NM, Menezes MRO, Gerace DN, Duarte CM, Brandão PM, et al. Microorganismos multirresistentes nas mãos de profissionais da Saúde em Unidades de Terapia Intensiva. R epidemiol controle infec 2019; 9(3).

Magnago TSBS, Ongaro JD, Greco PBT, Lanes TC, Zottele C, Gonçalves NG, et al. Infraestrutura para higienização das mãos em um hospital universitário. Rev Gaúcha Enferm 2019; 40.

Correia LM, Campos APS, Martins BF, Oliveira MLF. Vigilância de efeitos adversos de saneantes em trabalhadores hospitalares: um relato de experiência. Rev Bras Promoc Saude 2013; 26(3): 445:453.

Downloads

Publicado

2022-04-22

Como Citar

Crislayne Dias de Oliveira, P., da Conceição Cavalcanti de Lira, M., Macedo Vieira, C., & de Araújo Gouveia, V. (2022). Avaliação do serviço de limpeza e desinfecção de superfícies em um hospital universitário em Recife – PE. Revista Saúde.Com, 18(1). https://doi.org/10.22481/rsc.v18i1.8066

Edição

Seção

Artigos originais