Saúde.com https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc <section style="text-align: justify; padding: 3px;">A&nbsp;<strong>Revista Saúde.Com (RSC)</strong>&nbsp;é um órgão de divulgação científica na área da saúde, abrangendo as sub-áreas das&nbsp;<em>Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Fisioterapia, Medicina, Nutrição, Psicologia e Odontologia</em>, entre outras. A&nbsp;<strong>RSC</strong>&nbsp;aceita a submissão de artigos em português, sendo necessário também o resumo na versão em português e inglês.</section> <section style="text-align: justify; padding: 3px;"> <section></section> </section> Edições UESB pt-BR Saúde.com 1809-0761 Contribuições da monitoria de ensino na formação profissional em enfermagem: relato de experiência https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/4934 <p>Este artigo tem por objetivo descrever a experiência da monitoria de ensino da disciplina Enfermagem no Processo de Cuidar em Saúde da Mulher vinculada ao Curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (URCA), no município de Crato, Ceará. Foi realizado um relato de experiência da dinâmica processual de organização e desenvolvimento das atividades de monitoria e sua configuração ao longo de dois semestres consecutivos - primeiro e segundo semestres de 2018.&nbsp; A motivação pela escrita do manuscrito se deu por meio da necessidade de expressar a reflexão que o processo vivido produziu nessa prática específica de formação acadêmica. Durante esse período, foram disponibilizadas, semanalmente, 20 horas a atividades referentes à monitoria, dentre elas, aulas práticas para os discentes em laboratório de semiologia da instituição, sob supervisão da professora orientadora, capacitações internas, revisões relacionadas a avaliações, resoluções de simulados e orientações para alunos sobre os cenários práticos nas maternidades e unidades básicas de saúde. A monitoria acadêmica possibilitou experiências exitosas para ambas as partes envolvidas. Oportunizou aos monitores o desenvolvimento de habilidades para o exercício da prática docente, além de proporcionar aos discentes um momento de troca de informações, contribuindo para o fortalecimento do processo ensino-aprendizagem.&nbsp; <strong>&nbsp;</strong></p> <p>&nbsp;</p> RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.4934 Planejamento e programação local em saúde como metodologia de ensino-aprendizagem no curso de medicina https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5765 <p>O estudo busca descrever as experiências vivenciadas pelos discentes do segundo período de medicina na elaboração de um PPLS voltado para comunidade adscrita uma Unidade de Saúde da Família (USF) Apresentou como resultado a construção das planilhas do PPLS, com a listagem e priorização dos problemas, desenvolvimento dos objetivos, análise da sua viabilidade, e programação operativa, direcionadas para orientar os adolescentes e adultos da comunidade adscrita da USF acerca dos riscos, consequências e medidas protetivas do uso e abuso de drogas. A elaboração do PPLS permitiu uma maior aproximação do estudante com a realidade da comunidade, desenvolvendo o planejamento de atividades que ajudarão a população no seu enfrentamento.</p> <p> </p> Lorena Vieira Fernandez de Araújo Rosangela Souza Lessa Rafaela Fontes Costa Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.5765 Escravização do corpo pelos padrões de beleza: reflexões sob a perspectiva da bioética https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5001 <p>Este estudo busca refletir sobre as implicações de tratamentos estéticos ditados por um paradigma de beleza frente ao processo de saúde-doença<em>. </em>Trata-se de uma reflexão teórica a partir do resgate de elementos históricos e de pesquisas realizadas no Brasil. A prática de tratamentos estéticos é muitas vezes abusiva, possuindo uma indicação terapêutica sob o pretexto de contribuir para a auto-estima do cliente. No entanto, é comum ocorrer consequências indesejáveis, remetendo-nos a questões bioéticas, em que se observa a busca pela saciedade em atender os padrões impostos pela sociedade, em contraponto com a ética que rege as profissões da área de saúde que deve primar pela defesa da saúde e bem-estar dos clientes. Ações de valorização do corpo humano, que contemple seu bom funcionamento, a despeito de regras e formas pré-determinadas daquilo que se diz que é belo, devem ser priorizadas.</p> <p> </p> <p> </p> Tamiles Daiane Borges Santana Priscila Meira Mascarenhas Padre Valéria Marques Lopes Rita Narriman Silva de Oliveira Boery Edite Lago da Silva Sena Sérgio Donha Yarid Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.5001 Metodologias ativas na disciplina de urgência e emergência: contribuição para formação do enfermeiro a partir de uma análise bibliográfica https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5392 <p>Objetivo deste estudo é analisar os conteúdos em artigos científicos sobre processo de formação do enfermeiro e identificar as habilidades necessárias para atuação em unidades de emergência hospitalares, destacando as metodologias ativas como proposta inovadora. Revisão Sistemática, no período de 2010- 2017.1, a partir dos descritores Enfermagem, Emergência, Estudantes, Metodologia. Correspondendo aos resultados, observamos que a prevalência da amostra das 12 publicações foi nos anos de 2015 com amostra de 5 artigos, sendo 42% da amostra e 2014 sendo 4 artigos referindo 33%. Os idiomas entre Inglês, português e Espanhol, prevalecendo o Português e Inglês sendo 42% da amostra escolhida. A assistência de enfermagem em unidades de emergências hospitalares requer do enfermeiro conhecimento científico pensamento crítico criativo e eficaz. Dessa, forma as metodologias ativas colocam o graduando como protagonista do seu aprendizado, tornando-os assim capazes de resolver problemas e situações inerentes à função da enfermagem.</p> Ana Carla Almeida Xavier Andresa Teixeira Santos Kay Amparo Santos Ramon Evangelista Luz Gislene de Jesus Cruz Sanches Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.5392 Órteses para crianças com paralisia cerebral: uma revisão de literatura https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7310 <p>O objetivo do presente estudo foi ampliar o conhecimento acerca das evidências sobre as prescrições de órteses para crianças com paralisia cerebral. Foi realizada uma revisão narrativa de literatura por meio de bancos de dados eletrônicos, além de pesquisas em livros e revistas científicas. As Órteses para crianças com (PC) agem de maneira benéfica no processo de reabilitação além dos benefícios físicos, e atua prevenindo as deformidades através do controle da espasticidade, por exemplo, contribuindo para que a criança possa ser independente nas atividades de vida diária. Este estudo nos possibilita um conhecimento mais amplo sobre os diversos tipos de órteses, onde os dados analisados nos permitem observar que as mais indicadas para crianças no tratamento da PC são as AFOs.</p> Flávia Carolina Lasalvia da Silva Lílian Aparecida da Silva Ione Cristine Rocha Izídio Rafaela Gabriela Soares Pedrosa Simes Paulo Henrique de Melo Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.7310 Resolubilidade na estratégia saúde da família de um município baiano: o olhar dos usuários https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/6133 <p>Objetivou-se com este estudo compreender o(s) significado(s) da resolubilidade na assistência à saúde na perspectiva dos usuários da Estratégia Saúde da Família (ESF) de um município baiano e identificar a(s) possíveis dificuldade(s) e/ou facilidade(s) encontrada(s) pelos mesmos, para a resolubilidade do problema de saúde que apresenta. Esta é uma pesquisa qualitativa, que foi realizada com 10 usuários. As técnicas de coleta de dados foram a entrevista semiestruturada e a observação sistemática, sendo os dados analisados com o método de Análise de Conteúdo. Os resultados demonstraram que o significado de resolubilidade para os usuários está relacionado às necessidades, vivências e expectativas que estes apresentam. Além disso, a promoção de ações resolutivas perpassa por dificuldades e facilidades que caracterizam este processo. Concluiu-se que a compreensão do significado de resolubilidade na percepção dos usuários, bem como das dificuldades e/ ou facilidades que permeiam a sua garantia é de suma importância para a promoção da qualidade dos serviços de saúde.</p> Geane da Silva Lima Mariana de Oliveira Araujo Bianca de Oliveira Araujo Silvana Gomes Nunes Piva Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.6133 Avaliação do programa hiperdia pelos profissionais de saúde https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7990 <p>A hipertensão arterial é uma das doenças de maior prevalência na população, que traz consigo uma série de modificações no estilo de vida, na alimentação e na rotina diária. Cerca de 32,5% dos brasileiros possuem a patologia e a maior prevalência está entre os idosos, devido ao processo do envelhecimento. O que pode proporcionar a inativação destes no mercado de trabalho e aumentar os custos da saúde pública. <strong>Objetivos</strong>: avaliar o programa HIPERDIA na visão dos profissionais de saúde. Descrever os pontos positivos e negativos do programa HIPERDIA na visão dos profissionais de saúde; verificar se os profissionais de saúde avaliam se o programa é eficiente no controle da hipertensão e diabetes; identificar se os profissionais de saúde conseguem acompanhar os hipertensos e diabéticos da maneira que é preconizada pelo Ministério da Saúde. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo de corte transversal onde foi escolhida o município de Anagé – BA, para ser a sede de pesquisa. Para coleta de dados foi utilizado um questionário estruturado pelas pesquisadoras para caracterizar a população que atua no HIPERDIA.&nbsp; <strong>Resultados:</strong> A prática da comunicação exercida pela equipe interdisciplinar é de extrema importância tanto para contribuir em fatores da melhoria assistência prestada, melhora das relações entre a equipe além de aumentar a satisfação do cliente em relação às UBS e os profissionais e proporcionar uma melhora na saúde e qualidade de vida.&nbsp; <strong>Considerações Finais:</strong> De acordo com os resultados, é possível concluir que em relação as características dos entrevistados, houve predominância dos profissionais de enfermagem, onde a maioria relatou não ter dificuldade na execução do HIPERDIA, grande parte afirma que existe troca de informações entre os profissionais, que os pacientes conseguem ser acompanhados e que o programa é eficiente no controle da HAS e no controle glicêmico.</p> Luana da Silva Rocha Caliandra Souza Santos de Oliveira Lorena Piantavinha Portela Almeida Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.7990 Condições crônicas, multimorbidade e polifarmácia na população adulta https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8002 <p>Esse estudo tem como objetivo descrever a prevalência de condições crônicas, multimorbidade e polifarmácia na população adulta de um município do Sul do Brasil. É um estudo transversal de base comunitária, realizado com indivíduos de 30 anos ou mais residentes no município de Joaçaba, SC. Foram aplicados testes estatísticos (qui-quadrado e Fisher’sExact Test), considerando-se diferenças significantes quando valor de p &lt;0,05. Participaram do estudo 376 indivíduos, 55,3% na faixa etária de 30 a 59 anos (não idoso) e 44,7% com 60 anos ou mais (idoso); 72% dos participantes referiam problema de saúde, sendo a maior prevalência entre os idosos (p=0,001); 47% apresentaram multimorbidade, desses 31,1% eram idosos (p=0,001). A polifarmácia foi identificada em 20,4% dos participantes e 15,1% eram da faixa etária idosa (p=0,001). Assim, observou-se que as doenças crônicas estão presentes em adultos a partir de 30 anos e o avançar da idade tornam a multimorbidade e a polifarmácia mais evidentes.</p> Andrieli Lovatel Eduarda Koch Luciano Fiorentin Marcia Terezinha da Rocha Restelatto Vilma Beltrame Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.8002 Avaliação de sonolência e qualidade de vida de docentes universitários atuantes na área da saúde em uma universidade do extremo sul catarinense https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8089 <p><strong>Objetivo</strong>: Avaliar a qualidade de vida e do sono de docentes universitários. <strong>Métodos: </strong>O estudo foi desenvolvido em uma Universidade do Sul de Santa Catarina. Foi aplicado um questionário estruturado elaborado pelo pesquisador, Instrumento de Avaliação de Qualidade de Vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-BREF) e Escala de Sonolência de Epworth em português do Brasil. <strong>Resultados: </strong>Quando avaliada a qualidade de vida, o melhor escore esteve no domínio Meio ambiente (74,10%), seguidos pelas relações sociais (69,10%), psicológico (64,30%) e pior escore no domínio físico (59,50%), confirmando as hipóteses primárias.&nbsp; Quanto a avaliação da sonolência 39,06% alcançaram 1-6 pontos (normal), 18,75% de 7-8 pontos (media) e 42,18% (anormal ou patológica) de 9 a 24 pontos, sendo que os maiores percentuais de chances de cochilar surgiram com 46% na situação deitado a tarde para descansar não confirmando a hipótese que era deitado a tarde sem bebida alcoólica. <strong>Conclusão:</strong> Quanto a qualidade vida no domínio encontra-se energia e fadiga, sono e repouso, mobilidade, atividades da vida, dependência de medicação e capacidade de trabalho. Nos domínios físicos, inclui-se sentimentos positivos/negativos, pensar, aprender, concentração, autoestima e aparência e espiritualidade. No domínio relações sociais o suporte social e atividade sexual e no quarto domínio inclui-se segurança física e proteção, ambiente no lar, recursos financeiros, cuidados de saúde e sociais.</p> Magson de Souza Maria Salete Salvaro Karina Cardoso Gulbis Valdemira Santina Dagostin Mágada Tessmann Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.8089 Os vírus e a população: elementos para compreender as pandemias e um diálogo com a pandemia de covid-19 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8046 <p>Trata-se de resenha crítica, que estabelece um diálogo entre a obra resenhada e a pandemia de COVID-19.</p> Claudia Cristina Aguiar Pereira Agata Mariana Queiroz e Silva Carla Jorge Machado Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1 10.22481/rsc.v17i1.8046 Desafios da pesquisa em tempos de pandemia https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8621 <p>A Pandemia do Covid-19 tem afetado todos os setores da sociedade, em especial a saúde e a economia. Mas, e quanto a produção científica? Como ficamos nós pesquisadores em meio ao caos instalado que uma Pandemia acarreta?...</p> Eluá Benemérita Vilela Nascimento Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-05-10 2021-05-10 17 1