Saúde.com https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc <section style="text-align: justify; padding: 3px;">A&nbsp;<strong>Revista Saúde.Com (RSC)</strong>&nbsp;é um órgão de divulgação científica na área da saúde, abrangendo as sub-áreas das&nbsp;<em>Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Fisioterapia, Medicina, Nutrição, Psicologia e Odontologia</em>, entre outras. A&nbsp;<strong>RSC</strong>&nbsp;aceita a submissão de artigos em português, sendo necessário também o resumo na versão em português e inglês.</section> <section style="text-align: justify; padding: 3px;"> <section></section> </section> pt-BR revsaudecom@yahoo.com.br (Drª Alba Benemérita Vilela) revsaudecom@yahoo.com.br (Suporte Técnico) qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Análise da prevalência de anemia ferropriva em crianças com idade entre 1 e 5 anos no Brasil https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5406 <p>O objetivo do presente estudo foi identificar na literatura científica evidências sobre a prevalência de anemia ferropriva em crianças com idade entre 1 e 5 anos. Realizou-se busca nas bases de dados Scielo e Pumed utilizando a palavras-chaves anemia ferropriva, deficiência de ferro, iron deficiency anemia children and prevalence. Os artigos selecionados tinham como base responder a questão norteadora: O que traz a literatura acerca da prevalência de anemia ferropriva entre crianças com a idade 1 a 5 anos? Foram identificados no total 2805 selecionados para a leitura 467 e lindo na integra 19 inserido nesta revisão. Estudos demostram que anemia ferropriva afeta 2 bilhões de pessoas, sendo 51,2% da população crianças com idade entre 2 meses e 5 anos. Os fatores como economia, aspectos sociodemográfico e nível escolaridade dos pais foram associados de acordo com a literatura com a alta prevalência da anemia ferropriva nas crianças. Foi possível observar nesta revisão que anemia ferropriva apresenta uma alta prevalência em crianças e que existem inúmeros fatores que podem contribuir para o desenvolvimento da mesma. Um distúrbio que afeta diferentes regiões no Brasil vale destacar que a sua alta prevalência foi em regiões que apresentaram carência nutricional e baixa economia entre as populações estudadas.&nbsp;</p> Manuela Santos Queiroz, Lucas Santana Coelho da Silva Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5406 ter, 06 abr 2021 00:00:00 -0300 Acolhimento e assistência de enfermagem às mulheres vítimas de violência doméstica: uma revisão integrativa https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7305 <p>Diante da magnitude e repercussões da violência na vida da mulher, realizou-se a presente revisão sobre o acolhimento e assistência de enfermagem às mulheres vítimas de violência doméstica. Foi feita busca nas bases de dados Scielo e Lilacs a partir dos descritores em Ciências em Saúde: Mulher, Violência Doméstica, Enfermagem, Acolhimento, com auxílio do operador booleano AND. A partir dos oito artigos selecionados foi demonstrada a importância do acolhimento de enfermagem à mulher vítima de violência. Contudo, evidenciou-se que os profissionais de enfermagem, no geral, ainda estão despreparados para atender às mulheres vitimas de violência doméstica de forma acolhedora e humanizada, deixando assim de garantir o direito à saúde de forma integral. Desta forma, entende-se que este estudo aponta para a urgência de se efetivar na prática, a capacitação de profissionais de enfermagem e todos os profissionais da área de saúde. É necessário investimento em equipe multidisciplinar que atenda e direcione as vítimas a locais seguros e confortáveis.</p> Amanda Maria Villas Bôas Ribeiro, Iracema Santos da Silva Baldoino Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7305 ter, 06 abr 2021 00:00:00 -0300 Efeitos do fitoterápico Phaseolus vulgaris L. sobre a saciedade durante o tratamento da obesidade. https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/4992 <p>A obesidade é um problema mundial de saúde e em consequência houve uma expansão de tratamentos para o mesmo, dentre os quais se destaca o controle da dieta, aliado ao uso de medicamentos fitoterápicos. Foi realizada revisão, em periódicos indexados sobre as propriedades da <em>Phaseolus vulgaris L. </em>(Feijão), objetivando avaliar a sua eficácia sobre a saciedade e consequente perda de peso em indivíduos obesos.&nbsp; Para a composição do estudo, fora realizada consulta aos descritores nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola, através da biblioteca virtual Descritores em Ciência da Saúde (DeCS) e buscas nas bases de dados PubMed, SciELO e LILACS. A literatura aponta um efeito positivo da substância ativa de <em>Phaseolus vulgaris L. </em>sobre a saciedade e perda de peso. Dessa forma, pode ser considerada um adjuvante ao tratamento da obesidade, porém são necessários novos estudos clínicos a fim de comprovar a sua eficácia.</p> Maria Clara Francisco Nunes, Marclênia Eduardo Ramos, Erika Cardoso Abud Parreira Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/4992 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 Fatores que contribuem para a gravidez não planejada em usuárias do programa de planejamento familiar https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5440 <p>Objetivo: Analisar o conhecimento produzido na literatura científica sobre fatores que contribuem para a gravidez não planejada em usuárias do programa de planejamento familiar. Métodos: foi realizada uma revisão de literatura integrativa por meio de pesquisa nas bases de dados LILACS, BDENF, MEDLINE e SciELO, no intervalo temporal de 2010 a 2018, os descritores utilizados foram: “planejamento familiar” e “gravidez não planejada”, após aplicação dos critérios de inclusão, oito artigos foram selecionados para a discussão. Resultados: Os fatores associados à ocorrência de gestação não planejada estão interligados, a baixa adesão ao programa de planejamento familiar, principalmente por adolescentes, mulheres com baixa escolaridade, de cor de pele preta ou parda, multigestas, que relataram ter companheiro e possuir baixa renda familiar. Conclusão: a inter-relação entre os diversos fatores associados à gravidez não planejada demostrou a necessidade de efetivação de políticas públicas voltadas para mulheres inseridas em diversos contextos.</p> Rosemeire de Jesus Santos Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5440 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 Assistência de enfermagem na prevenção de sífilis congênita https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5730 <p>Objetivo: Analisar o conhecimento produzido na literatura científica sobre as ações de enfermagem realizadas no pré-natal a fim de reduzir a transmissão vertical de sífilis. Métodos: foi realizada uma revisão de literatura integrativa por meio de pesquisa nas bases de dados LILACS, BDENF, MEDLINE e SciELO, no intervalo temporal de 2010 a 2019, os descritores utilizados foram: “sífilis congênita” e “enfermagem”, após aplicação dos critérios de inclusão, dez artigos foram selecionados para a discussão. Resultados: observou-se que o enfermeiro deve realizar ações de educação em saúde, diagnóstico precoce em mulheres em idade reprodutiva, realizar busca ativa dos parceiros e notificar os casos confirmados, a fim de reduzir os índices de transmissão vertical. Conclusão: progresso nos índices de sífilis congênita indica a necessidade de efetivação de políticas públicas voltadas para o controle da doença.</p> Rosemeire de Jesus Santos Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/5730 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 Sífilis gestacional: estudo epidemiológico em cidades do estado da Bahia https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7623 <p>O objetivo desse estudo foi analisar o perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional em duas cidades baianas. Os dados foram coletados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Sistema Único de Saúde (SUS) referentes às informações sobre o quantitativo de casos notificados e características sociodemográficas relacionados à sífilis gestacional nos municípios baianos de Teixeira de Freitas e Salvador, no período de 2009 a 2018. Através da análise observou-se o aumento nas taxas de detecção de sífilis gestacional associada também ao aumento da notificação e ampliação do acesso aos serviços de saúde. A maior prevalência de sífilis foi encontrada em mulheres com menor escolaridade, de raça ou cor parda e com diagnóstico tardio, fato que pode relacionar-se a dificuldade no acesso às informações e/ou educação em saúde. Assim, a atuação do farmacêutico se faz necessária para a garantia de uma terapia medicamentosa adequada para as gestantes e parceiros, ao passo que esse profissional promova a educação em saúde com foco no controle e prevenção das infecções sexualmente transmissíveis.</p> Anny Carolinny Tigre Almeida Chaves, Vanessa Tigre Almeida Chaves, Rodrigo Souza da Silva Vieira, José Carlos da Silva Santos Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7623 ter, 06 abr 2021 00:00:00 -0300 Panorama da diarréia e gastroenterites entre crianças brasileiras na última década https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/6643 <p><strong>Objetivos:</strong> Descrever o panorama da diarreia e gastroenterites entre crianças brasileiras na última década. <strong>Métodos:</strong> Estudo ecológico de série temporal, realizado em março de 2019 com dados secundários do DATASUS. A população de estudo foi composta de indivíduos na faixa etária de 0-5 anos, de ambos os sexos, acometidos por diarreia e gastroenterites de origem infecciosa, no período de 2009-2018. <strong>Resultados:</strong> No período do estudo, ocorreram 647.343 internações e 789 óbitos de crianças menores de 5 anos de idade por diarreia e gastroenterites de origem infecciosa. O sexo masculino foi o mais acometido em ambos os casos. No que concerne à região, o Nordeste teve o maior número de internações e óbitos e o Sul o menor. Quanto ao recorte raça/cor, os negros foram os mais acometidos. De forma geral, houve queda nos casos de diarreia e gastroenterites no Brasil. Em relação à faixa etária, embora as crianças entre 1-5 anos fossem as mais acometidas, o maior número de óbitos foi identificado entre aquelas menores de 1 ano de idade.<strong> Conclusões:</strong> O maior número de internações e óbitos ocorreu entre crianças negras da Região Nordeste, refletindo a necessidade de intensificação de medidas de prevenção e cuidados no que diz respeito à diarreia e gastroenterites entre estas pessoas.</p> Samylla Maira Costa Siqueira, Rafaela Mainarte Costa Franco, Climene Laura de Camargo, Jacqueline Couto Nascimento, Iraci Alcântara Mariano Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/6643 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 Fatores associados à afiliação religiosa em adolescentes do ensino médio. https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7537 <p>O presente estudo teve o objetivo de estimar a prevalência e fatores associados à afiliação religiosa em escolares do município de Jequié, Bahia, Brasil. Trata-se de estudo epidemiológico transversal, de base escolar, com amostra aleatória simples de adolescentes. Utilizou-se para obtenção dos dados um questionário, e para análise regressão logística. Participaram do estudo 840 adolescentes, e prevaleceram aqueles: do sexo feminino (60%); na faixa etária de 17 a 19 anos (51%); com consumo adequado de frituras (63,9%), frutas (73,3%) e verduras (66,2%), e consumo inadequado de doces (59%); inativos fisicamente (55,7%); e relataram possuir alguma afiliação religiosa (84,6%). Adolescentes de ambos os sexos, com maior faixa etária, e filhos de mães com melhor nível de escolaridade tiveram mais chances de possuir afiliação religiosa. Assim, conclui-se que o desfecho foi associado ao sexo e ao nível de escolaridade das mães. Sugere-se a realização de estudos que aprofundem as relações do desfecho com o estilo de vida nesta população.</p> Claudio Bispo de Almeida, Luciene Dias Bispo Veiga, Franck Nei Monteiro Barbosa, Cezar Augusto Casotti Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7537 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 Recursos econômicos de idosos em corresidência https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7675 <p>O presente estudo objetivou verificar os recursos econômicos dos idosos em corresidência. Trata-se de um estudo descritivo, transversal e quantitativo, vinculado ao Núcleo de Pesquisa e Estudos em Saúde do Idoso da Faculdade Independente do Nordeste. Utilizou-se o banco de dados do munícipio de Vitória da Conquista e foram incluídos no estudo todos os idosos em corresidência cadastrados nas Unidades de Saúde da Família e que denotaram condições cognitivas de responder aos questionamentos do Mini Exame do Estado Mental, totalizando 239 idosos. Dentre os participantes, a idade encontrada foi entre 60 anos e 95 anos. Houve predominância do sexo feminino (77%) e do estado civil casado (42,6%) e viúvos (41,8%). Referente aos aspectos econômicos observou-se uma predominância de renda de apenas 1 salário mínimo (67,4%) e fonte de renda baseada em aposentadorias e pensões (87,4%). Identificou-se uma maior convivência com netos (57,3%), seguido de filhos (55,2%) e filhas (54,0%). &nbsp;Verificou-se neste estudo que, quanto a percepção de suficiência de renda para as necessidades básicas dos idosos sempre faltava um pouco. Dessa forma, este estudo permite um maior conhecimento da população e da comunidade cientifica sobre a temática, favorecendo políticas sociais e de saúde para idosos e familiares no intuito de favorecer um bom convívio.</p> Jainne Oliveira Leão Silva, Talita Santos Oliveira Sampaio, Adrielle Santos Souza, Alba Benemérita Alves Vilela, Lucas Silveira Sampaio Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/7675 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300 Saúde coletiva na formação acadêmica: experiências vividas nos componentes curriculares do curso de odontologia da universidade estadual de feira de santana (2013-2018) https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8048 <p>Este artigo tem como objetivo relatar a experiência dos estudantes que ingressaram no curso de Odontologia da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS no semestre letivo de 2013.2, nos componentes curriculares da Saúde Coletiva durante toda a graduação. A Saúde Coletiva está inserida nas atividades acadêmicas obrigatórias desde o início do curso. Em 2011 a matriz curricular passou por um processo de reformulação e a formação acadêmica vem sofrendo mudanças que enfatizam a necessidade dos conteúdos que permitam atuar nos serviços de saúde públicos. A vivência nas unidades de saúde da família, desde o segundo semestre, possibiliou aos estudantes compreender que o atendimento e planejamento de cada paciente não é apenas de caráter individual, refletido na sua queixa, na perspectiva diante de um resultado, mas que o contexto histórico social em que está envolvido diz muito sobre seu estado de saúde.</p> Ana Áurea Alécio de Oliveira Rodrigues, Brisa Oliveira Silva Vitória, Cassia Tainar da Silva Souza, Leonardo de Jesus Costa Santos, Letícia Santos Souza, Luana Gracia dos Santos, Taiane de Santana Azêvedo Falcão, Vinicius Silva Bastos de Jesus Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8048 ter, 06 abr 2021 00:00:00 -0300 Editorial https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8374 <p>O debate sobre a saúde pública e sobre as evidências demonstradas pela ciência nunca foram tão importantes como nestes últimos meses... Considerando o século XX e início do século XXI, o papel da ciência nunca teve a necessidade de reafirmação como o que estamos vivenciando agora e não apenas no Brasil onde a onda fanático religiosa, munida pela negação, contestação e diabolização da ciência tomou conta, mas também em outros países do globo observamos a mesma situação.</p> <p>......</p> André Souza dos Santos Copyright (c) 2021 Saúde.com https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8374 qui, 01 abr 2021 00:00:00 -0300