Desobediência Epistêmica e (Des)Colonização do imaginário no “Mito da Capela de Ouro”

  • Raimundo Nonato de Pádua Câncio Universidade Federal do Tocantins
  • Sônia Maria da Silva Araújo Universidade Federal do Pará
  • Witembergue Gomes Zaparoli Universidade Federal do Maranhão

Resumo

A Igreja Católica, ao propagar a fé cristã e a conversão das populações indígenas e ribeirinhas da região amazônica, (re)produziu suas ideologias na forma de escritos, as quais também estão presentes nas narrativas orais. Neste artigo, cujo aporte teórico está vinculado aos estudos Pós-coloniais e ao pensamento Decolonial, a partir da articulação das diferenças entre o real e o imaginário, salvação e pecado, deseja-se responder a seguinte questão: a que formação ideológica e formas de educar estaria ligado o “Mito da Capela de Ouro”, na região do médio amazonas paraense? Para tanto, nesta pesquisa baseada em fontes bibliográficas e documentais, foram investigados diários de viagens de missionários à região Amazônica, especialmente à região do rio Trombetas, impressos e manuscritos publicados por igrejas e pelo Conselho Nacional de Proteção ao índio (CNPI), no século XX. Os dados apontam que o “Mito da Capela de Ouro” decorre de uma tentativa de colonização do imaginário das populações nativas da região, tendo em vista que o mundo sobrenatural cristão era inteiramente oposto ao mundo sobrenatural indígena e ribeirinho, relacionado naquele contexto à demonização.


Palavras-Chave: Pós-colonialismo. Mitologia amazônica. Mito da Capela de Ouro.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ACEVEDO, R; CASTRO, E. Negros do Trombetas:guardiães de matas e rios. Belém: Cejup, 1998.

BOXER, C. A Igreja e a expansão Ibérica (1440-1700). Lisboa: Edições 70, 1981.

BONNICI, T.Introdução ao estudo das literaturas pós-coloniais.Mimesis, Bauru, v. 19,n. 1, p. 07-23, 1998.

BHABHA, H. K. O Local da Cultura. Trad. Myrian Àvila et al. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

CÂNCIO, R. N. de P.; ARAÚJO, S. M. da S. Colonialidade do poder e sujeição nas relações sociais e educativas no Alto Trombetas.Revista Anthropológicas, ano 18, 25(2), p. 41-70, 2014.

COUDREAU, O. Voyage au Cumina. Paris: A Lahure,1900.

CAMÕES, L. V. de. Os Lusíadas. Edição completa. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1980.

CRULS, G. A Amazônia que eu vi:Óbidos – Tumucumaque. 5ª ed. Rio de Janeiro. Livraria José Olímpio Editora. Brasília: INL, 1973.

DANIEL, J. Tesouro descoberto no máximo rio Amazonas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.

ESCOBAR, A. Mundos y conocimientos de otro modo: el programa de investigación de modernidad/colonialidad Latinoamericano. Tabula Rasa. (1): 51-86. 2003.

FANON, F. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

GUAPINDAIA, V. Além da margem do rio: a ocupação Konduri e Pocó na região de Porto Trombetas, PA. Tese (Doutorado). USP/MAE. Programa de Pós-Graduação em Arqueologia. 2008. https://doi.org/10.11606/t.71.2008.tde-05082008-104113

GRUZINSKI, S. A colonização do imaginário: sociedades indígenas e a ocidentalização do México Espanhol. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. imaginário. São Paulo: Brasiliense, 2003.

LÉVI-STRAUSS, C. Raça e cultura.Trad. de Dora Ruhman e Geraldo G. de Sousa. In: GUINSBURG, J. (Direção). Raça e Ciência I. SP: Perspectiva, 1970.

__________. Mito e Significado. Lisboa: Edições 70, 1987.

MALDONADO-TORRES, N. 2007. “Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto”. In CASTRO-GOMEZ, S. & GROSFOGUEL, R. (eds.): El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá Del capitalismo global.Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. https://doi.org/10.2307/j.ctvnp0jr5.23

MALINOWSKI, B. Myth in primitive psychology. In: MALINOWSKI, B. Magic, science and religion.New York: The Free Press, Doubleday Anchor Books, 1948. p. 93-148.

MIGNOLO, W. D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisférioocidental no horizonte conceitual da modernidade. En libro:A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciênciassociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro, 2005. p.71-103.

__________. Os esplendores e as misérias da ciência: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. (org.) Conhecimento Prudente para uma Vida Decente:'um discurso sobre as ciências' revisitado. São Paulo, Editora Cortez, 2006, p. 667-771.

__________. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu/PR, 1 (1), pp. 12-32, 2017.

__________.Histórias Globais/projetos locais.Colonialidade, saberes subalternos e pensamento limiar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

__________.La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa, 2007.

NIMUENDAJU, C. Mapa etno-histórico de Curt nimuendajú. Rio de janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1987.

PAIVA, J. M. de. Colonização e Catequese (1549-1600). Campinas: Autores Associados, 1982.

PORRO, A. O Povo das Águas. Ensaios de Etno-história Amazônica. Rio de Janeiro, Editora Vozes/EDUSP, 1996.

__________. História Indígena do alto e médio Amazonas: séculos XVI a XVIII. In.: CUNHA, Manuela Carneiro da. Introdução a uma história indígena. São Paulo: Editora Schwarcz Ltda. 2008.

PRELAZIA DE ÓBIDOS. Caminhando Libertando (Anuário da Prelazia de Óbidos) 1957-1982.

RUIZ-PEINADO, A. J. L. “Misionerosenel rio trombetas, la subida del padre Carmelo Mazzarino”. Boletín Americanista 54, pp. 177-198, Barcelona, 2004.

RODRIGUES DE SOUZA, N. J. Diário das Três Viagens: (1877-1878-1882). Rio de Janeiro: lmprensa Nacional, 1946.

SANTO AGOSTINHO. De grafia et libero arbilrio. Obras de San Agustin: Madrid, Biblioteca de Autores Cristianos, 1953.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
CÂNCIO, Raimundo Nonato de Pádua; ARAÚJO, Sônia Maria da Silva; ZAPAROLI, Witembergue Gomes. Desobediência Epistêmica e (Des)Colonização do imaginário no “Mito da Capela de Ouro”. ODEERE, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 59-82, jun. 2018. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/4141>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v3i5.4141.