Desobediência Epistêmica e (Des)Colonização do imaginário no “Mito da Capela de Ouro”

  • Raimundo Nonato de Pádua Câncio Universidade Federal do Tocantins
  • Sônia Maria da Silva Araújo Universidade Federal do Pará
  • Witembergue Gomes Zaparoli Universidade Federal do Maranhão

Resumo

A Igreja Católica, ao propagar a fé cristã e a conversão das populações indígenas e ribeirinhas da região amazônica, (re)produziu suas ideologias na forma de escritos, as quais também estão presentes nas narrativas orais. Neste artigo, cujo aporte teórico está vinculado aos estudos Pós-coloniais e ao pensamento Decolonial, a partir da articulação das diferenças entre o real e o imaginário, salvação e pecado, deseja-se responder a seguinte questão: a que formação ideológica e formas de educar estaria ligado o “Mito da Capela de Ouro”, na região do médio amazonas paraense? Para tanto, nesta pesquisa baseada em fontes bibliográficas e documentais, foram investigados diários de viagens de missionários à região Amazônica, especialmente à região do rio Trombetas, impressos e manuscritos publicados por igrejas e pelo Conselho Nacional de Proteção ao índio (CNPI), no século XX. Os dados apontam que o “Mito da Capela de Ouro” decorre de uma tentativa de colonização do imaginário das populações nativas da região, tendo em vista que o mundo sobrenatural cristão era inteiramente oposto ao mundo sobrenatural indígena e ribeirinho, relacionado naquele contexto à demonização.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
CÂNCIO, Raimundo Nonato de Pádua; ARAÚJO, Sônia Maria da Silva; ZAPAROLI, Witembergue Gomes. Desobediência Epistêmica e (Des)Colonização do imaginário no “Mito da Capela de Ouro”. ODEERE, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 59-82, jun. 2018. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/4141>. Acesso em: 19 nov. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v3i5.4141.