ENTRE CAROLINAS E DANDARAS: reconhecendo histórias e formando para a cidadania

  • Carla de Oliveira Romão Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Daiana da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O texto possui como proposta trazer a experiência de duas professoras negras da educação básica que possuem como lócus de sua docência a Baixada Fluminense e que através de suas práticas disputam os significados hegemonicamente atribuídos as mulheres negras e brancas. Além de narrar estratégias metodológicas, queremos formar um diálogo com intelectuais que nos ajudem a repensar e refinar nossa prática docente de forma crítica, assim torna-se indispensável à leitura de feministas negras que nos ajudam a nos localizar quanto à organização do mundo a partir do racismo e do machismo estrutural, além de nos fornecer a visão de que a educação, quando problematizadora, pode ser uma prática libertadora. A partir desta idéia torna-se importante o diálogo, também, com Paulo Freire e sua visão da educação enquanto uma ferramenta potente para transformar as pessoas e assim o mundo. As experiências aqui narradas aconteceram em duas escolas públicas, localizadas em São João de Meriti, no primeiro semestre de 2018; em uma turma de educação infantil e a outra de ensino médio. As experiências práticas procuram realizar um exercício crítico do espaço escolar onde seja possível a convivência com a diferença, permitindo que as alunas e alunos possam ter acesso a outras visões de mundo, oportunizando, desta forma, o acesso a outras histórias onde as mulheres negras e brancas sejam protagonistas e sejam reconhecidas, também, como construtores do país em que vivemos.


Palavras-chave: Educação. Feminismo. Feminismo Negro. Práticas Pedagógicas.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Michely Peres de. Lélia Gonzalez e o papel da educação para o feminismo negro. In Interritórios – Revista de Educação Universidade Federal de Pernambuco. V.4, N.6, 2018.
BAIRROS, Luiza. Nossos Feminismos Revisitados. In Revista Estudos Feministas, Ano 03, 2º Semestre, 1995. Pp. 458- 463
BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por Amor e por força: rotinas na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2006.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=, último acesso 12 de setembro de 2018.
_______. Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. Brasília: Ministério da Educação. Coordenação geral: Secretaria de Educação Básica/ Coordenação Geral de Educacão Infantil/ Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades - CEERT. São Paulo, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11283-educa-infantis-conceituais&Itemid=30192, último acesso 12 de setembro de 2018.
_______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 – Atualizada.
COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a signifiação sociológica do pensamento feminista negro. In Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril 2016.
EVARISTO, Conceição. Da Grafia-Desenho De Minha Mãe Um Dos Lugares De Nascimento De Minha Escrita. 2005. Disponível em http://nossaescrevivencia.blogspot.com/2012/08/da-grafia-desenho-de-minha-mae-um-dos.html, último acesso em 30 de setembro de 2018.
________________. Conceição Evaristo: “Nossa fala estilhaça a máscara do silêncio”. Carta Capital: Maio de 2017. Entrevista concedida a Djamila Ribeiro. 2017. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/sociedade/conceicao-evaristo-201cnossa-fala-estilhaca-a-mascara-do-silencio201d, último acesso em 30 de setembro de 2018.
GADOTTI, Moacir. Pedagogia Do Oprimido Como Pedagogia Da Autonomia E Da Esperança. In Semana Paulo Freire on line – 50 anos da Pedagogia do Oprimido. 2018.
GOMES, Nilma Lino. “Relações Étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos”. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, Jan/Abr. 2012a.
GOMES, Nilma. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 120, p. 727-744, jul.-set. 2012b.
OLIVEIRA, Luiz Fernandes de e CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educ. rev.[online]. 2010, vol.26, n.1, pp.15-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982010000100002, último acesso em 05 de outubro de 2018.
PETIT, Sandra Haydée. A lei nº 10.639/2003: a criação de nova abordagem de formação na perspectiva das africanidades. In Educ. Foco, Juiz de Fora, v. 21, n.3, p.657-684, set/dez, 2016.
PILETTI, Nelson. Estrutura e funcionamento do ensino fundamental. São Paulo: Ática, 2003.
RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.
SCHUMAHER, Schuma & BRAZIL, Érico Vital. Dicionário de Mulheres do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.
SILVA, Tomas Tadeu. Documentos de Identidade – Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.
SOUZA, Duda Porto de & CARARO, Aryane. Extraordinárias – Mulheres que Revolucionaram o Brasil. São Paulo: Ed. Seguinte, 2017.
TRINDADE, Azoilda Loretto da. Fragmentos de um discurso sobre afetividade. In BRANDÃO, Ana Paula (Coord.ª). Saberes e fazeres, v.1: modos de ver. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006.
XAVIER, Giovana. Feminismo: direitos autorais de uma prática linda e preta. In Folha de S. Paulo: Julho de 2017. Agora que são elas (Coluna). Disponível em https://agoraequesaoelas.blogfolha.uol.com.br/2017/07/19/feminismo-uma-pratica-linda-e-preta/, último acesso em 30 de setembro de 2018.
Publicado
2019-06-30
Como Citar
ROMÃO, Carla de Oliveira; DA SILVA, Daiana. ENTRE CAROLINAS E DANDARAS: reconhecendo histórias e formando para a cidadania. ODEERE - Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 257-269, jun. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/4315>. Acesso em: 05 dez. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i7.4315.