ENCRUZILHADAS EPISTEMOLÓGICAS: “Acertando o conhecimento europeu ontem com uma pedra que atirei somente hoje”

  • Humberto Manoel de Santana Junior Universidade Estadual de Campinas

Resumo

As religiões de matriz africana foram e ainda são intensamente estudadas buscando compreender sobre o seu funcionamento, as relações construídas entre os fiéis, assim como entre os fiéis e as entidades. Essa sociedade, enquanto sociedade não-europeia, é estudada com base nos conhecimentos eurocêntricos, o que torna possível compreender as formas de abordagem do conhecimento universal sobre o Candomblé, colocando assim, o conhecimento Europeu como nativo. Dessa forma, sigo o caminho proposto pela antropóloga Marimba Ani, para pensar a roça de Candomblé e a herança africana, a partir das epistemologias oriundas do terreiro. Utilizo a poesia do ogan Wesley Correia, os pensadores negros em diáspora e os africanos enquanto uma encruzilhada de caminhos possíveis a ser construído em diálogo com o romance “O mundo se despedaça”, de Chinua Achebe para enriquecer a discussão de visão-de-mundo e produção de sentido.


Palavras-chave: Marimba Ani; encruzilhada; nativo; conhecimento universal; Wesley Correia. 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ANI, Marimba. Yurugu: an African-centered critique of European cultural thought and behavior. Trenton: Africa Word Press, 1992.

AKBAR, Na’im. Ciências Sociais Africêntricas para a libertação humana. Journal of Black Studies, vol 14 (4): 395-414, 1984.

ACHEBE, Chinua. O mundo se despedaça. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ANJOS, José Carlos Gomes dos. Território da linha cruzada: a cosmopolítica afro- brasileira. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1971.

CORREIA, Wesley Barbosa. Deus é negro: da partida, da chegada, da multiplicação. Salvador Pinaúna, 2013.

COSSARD, Gisèle. “A filha de santo”. In Carlos Eugênio Marcondes de Moura. Olóòrisà: escritos sobre a religião dos orixás, 1981.

Fichte, Hubert. Etnopoesia: antropologia poética das religiões afro-brasileiras. São Paulo: Brasiliense, 1987.

GOLDMAN, Marcio. A possessão e a construção ritual da pessoa no candomblé. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Rio de Janeiro: UFRJ, 1984.

_________. Formas do saber e modos do ser: observações sobre multiplicidade e ontologia no candomblé. Religião e sociedade 25 (2): 102-120, 2005.

HAMPATÉ BÂ, A. A tradição viva. In: História Geral da África I. Metodologia e Pré- história da África. São Paulo/Paris: Ática/Unesco. 1982.

ORO, Ari Pedro; ANJOS, José Carlos Gomes dos. Festa de Nossa Senhora dos Navegantes em Porto Alegre: sincretismo entre Maria e Iemanjá. Porto Alegre: SMC, 2009.

RÉMOND, René. Século XIX: Introdução à história de nosso tempo. São Paulo: Ed. Cultrix, 1976.

SANTOS, Antonio Bispo dos. Colonização, quilombos: modos e significações. INCT, Brasília, 2015.

SANTOS, Hamilton Borges dos. Teoria geral do fracasso. Salvador: Maloqueiros, 2012.

SERRA, Ordep. Águas do rei. Petrópolis: Vozes, 1995.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro. Imago Ed: Salvador-BA: FUNCEB, 2002.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. Trad. Iracema Dulley, Jamille Pinheiro.
Publicado
2018-12-30
Como Citar
DE SANTANA JUNIOR, Humberto Manoel. ENCRUZILHADAS EPISTEMOLÓGICAS: “Acertando o conhecimento europeu ontem com uma pedra que atirei somente hoje”. ODEERE, [S.l.], v. 3, n. 6, p. 251-268, dez. 2018. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/4423>. Acesso em: 08 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v3i6.4423.