CONFLITOS ÉTNICO-RACIAIS NOS MUNDOS DO TRABALHO BAIANO: “VALENTES, VICIADOS E PERIGOSOS”

  • Rute Andrade Castro Universidade do Estado da Bahia

Resumo

A segunda metade do século XIX foi um período de agitação econômica na vila de São Sebastião de Maraú pois, para surpresa de todos, descobriram nas margens do rio que de nome à vila vários tipos de minérios cobiçados pela indústria. Um grupo de brasileiros se dedicou a tais explorações, mas tiveram tal direito arrancado em nome dos interesses governamentais, que pendiam para o atendimento às ambições britânicas e por isso Edward Pellew Wilson conseguiu por decreto imperial ser o responsável pela extração de tais riquezas. Anos depois transferiu ao seu conterrâneo John Cameron Grant tal benefício e este, através da John Grant & Companhia, construíram na fazenda João Branco daquela vila uma fábrica que produzia ácido sulfúrico, velas, sabão etc. Lá trabalhou o sertanejo Bernardino Moreira de Souza, homem sobre o qual a maior fonte de informações vem do processo instaurado por ocasião de sua morte que aconteceu quando tentou matar seus empregadores britânicos.


Palavras-chave: Britânicos; Fábrica; Maraú; Sertanejo.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, Wlamyra. “’Não há mais escravizados, os tempos são outros’: abolição e hierarquias raciais no Brasil”. In: O jogo da dissimulação: Abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 94-139.
AMADO, Janaína. Região, Sertão, Nação. Estudos Históricos. Vol. 8. N 15. Rio de Janeiro: 1995.
BOSI, Alfredo. “Liberalismo ou escravidão: um falso dilema”. In: Ideologia e contraideologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 303-312.
CASTELLUCCI, Aldrin Armstrong Silva. “Muitos votantes e poucos eleitores a difícil conquista da cidadania operária no Brasil Império (Salvador, 1850-1881)”. Varia hist. [online]. 2014, vol.30, n.52, pp.184-206.
CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
CUNHA, Silvio Humberto dos Passos. Um retrato fiel da Bahia: sociedade, racismo, economia na transição para o trabalho livre no Recôncavo açucareiro (1871-1902). Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Programa de Pós-graduação em Economia. Campinas, São Paulo, 2004.
DIAS, Marcelo Henrique. Economia, sociedade e paisagens da capitania e comarca de Ilhéus no período colonial. Programa de Pós Graduação em História da UFF. Niteroi, 2007.
FRAGA FILHO, Walter. Encruzilhadas da liberdade. História de escravizados e libertos na Bahia (1870-1910). Campinas: Editora da Unicamp, 2006.
JESUS, Alyson Luiz Freitas de. O sertão e sua historicidade: versões e representações para o cotidiano sertanejo – séculos XVIII e XIX. História e Perspectiva. Uberlândia, julho-Dezembro de 2006.
MACEDO, Taironi Zuliani de. As origens e evoluções etimológicas dos termos sertão e sertanejo. Disponível em https://pos.historia.ufg.br/up/113/o/Tairone_Zuliani_de_Macedo_-_AS_ORIGENS_E_EVOLU%C3%87%C3%95ES_ETIMOL%C3%93GICAS_DOS_TERMOS_SERT%C3%83O_E_SERTANEJO.pdf. Acesso em março de 2017.
MAHONY, Mary Ann. Um passado para justificar o presente: memória coletiva, representação histórica e dominação política na região cacaueira da Bahia. Revista Especiaria, Ilhéus, v.10, n. 18. 2007.
MARTINS, Taiane Dantas. Da enxada ao clavinote: experiências, liberdade e relações familiares de escravizados no sertão baiano, Xique-Xique (1850-1888). 132f. Dissertação (Mestrado em História Regional e Local) – Universidade do Estado da Bahia, Santo Antônio de Jesus, 2010.
NEGRO, Antonio Luigi e GOMES, Flávio. Além de Senzalas e Fábricas: uma história social do trabalho. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 18, n. 1, 2006.
REGO, André de Almeida. Corte de madeiras e o confinamento de populações indígenas: o caso da Bahia do século XIX. Revista Crítica Histórica. Ano II, nº 4, Dezembro/2011.
SAMPAIO, Marcos Guedes Vaz. Navegação a vapor na Bahia oitocentista. Salvador: Edufba, 2014.
SANTOS, Cristiane Batista da Silva. Entre o fim do império da farinha e início da república do cacau: negros em festas, sociabilidades e racialização no Sul da Bahia (1870-1919). Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2015.
SILVA, Ricardo Tadeu Caíres. Caminhos e descaminhos da abolição. Escravizados, senhores e direitos nas últimas décadas da escravidão (Bahia, 1850-1888). Curitiba: UFPR/SCHLA, 2007.
Publicado
2019-06-30
Como Citar
CASTRO, Rute Andrade. CONFLITOS ÉTNICO-RACIAIS NOS MUNDOS DO TRABALHO BAIANO: “VALENTES, VICIADOS E PERIGOSOS”. ODEERE - Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 242-256, jun. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5021>. Acesso em: 15 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i7.5021.