PINTANDO BOCAS MONSTRAS POR MEIO DA PE-DRAG-OGIA

Resumo

O presente artigo visa propor uma transformação na pedagogia formal, que exclui, violenta e silencia bocas não contempladas pelos padrões hegemônicos de normalidade, propondo então uma pe-drag-ogia, inventiva, pirateadora, amorfa e transformista. Para tal, busca-se entender algumas das instâncias que violentam as sujeitas desviantes das normas hegemônicas de ser e estar no mundo, cruzando com propostas pedagógicas, teóricas, práticas e artísticas de emancipação, resistência e afronte. A metáfora de pintar a boca diz de ouvir os lugares de fala há tempos negligenciados nas plataformas formais, como bocas trans, bocas negras, bocas mulheres, bocas abjetas. Conclui-se, então, que a pe-drag-ogia não é uma invenção, mas uma tradução pedagógica de movimentos artísticos dissidentes já existentes.


Palavras-chave: Pedagogia; Drag Queen; Travesti

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Luma Nogueira de. Travestis na Escola: Assujeitamento e Resistência à Ordem Normativa. 278 f. Tese (doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza, 2012.

BENTO, Berenice. A Reinvenção do Corpo: Sexualidade e Gênero na Experiência Transexual. Rio de Janeiro – RJ, Garamond, 2006.

BORGES, Rafaela Oliveira e BORGES, Zulmira Newlands. Pânico Moral e Ideologia de Gênero articulados na supressão de diretrizes sobre questões de gênero e sexualidade nas escolas. Revista Brasileira de Educação, v. 23, 2018, p. 01-23. https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230039

BUTLER, Judith P. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003

ERCOLES, Clara Hanke. Existir, Afirmar e Reafirmar a identidade Trans no meio acadêmico: um desafio triplo! In MAIO, Eliane Rose (Org.). Gênero e Sexualidade: Interfaces Educativas. Curitiba, Appris Editora, 2018: p. 183-199.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro – RJ, Paz e Terra, 1979.

hooks, bell. Ensinando a Transgredir: a educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla: São Paulo. Ed. Wmf Martins-Fontes, 2013.

MAIO, Eliane Rose; SILVA, Fernando Guimarães Oliveira da. O “entre-lugar” das trans nas escolas. PeriódiCUs, n. 8, v. 1 nov. 2017-abr., 2018: p. 307-324. https://doi.org/10.9771/peri.v1i8.22704

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. O Diabo em forma de Gente: (R)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. 1ª edição. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

PRECIADO, Paul B. Testo Yonqui: sexo, drogas y biopolítica. Buenos Aires: Paidós, 2017

RIBEIRO, Djamila. O que é Lugar de Fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RODOVALHO, Amara Moira. O cis pelo trans. Estudos Feministas, Florianópolis – SC, 25(1): 422, janeiro-abril, 2017, p. 365-373. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p365

SANTOS, Cecília MacDowell dos. Para uma abordagem interseccional da lei Maria da Penha, p. 39-61, in MACHADO, Isadora Vier. Org. Uma Década de Lei Maria da Pena: percursos, práticas e desafios. Curitiba, PR: Editora CRV, 2017, p. 39-61.

SHOCK, Susy. Reinvindico mi derecho a ser um monstruo Y QUE LOS OTROS SEAN LO NORMAL. Traduzido por Gibran Teixeira. Disponível em: . Acesso em: 22 de mai. 2018.

STUBS, Roberta, TEIXEIRA, Fernando Silva, PERES, William Siqueira. A Potência do Cyborg no agenciamento de modos de subjetivação pós-identitários: Conexões parciais entre arte, psicologia e gênero. Fractal, Rev. Psicol., v. 26. Nº 3, p. 785-802, Set./Dez. 2014. https://doi.org/10.1590/1984-0292/1069

STUBS, Roberta Parpinelli. A/r/tografia de um corpo-experiência: arte contemporânea, feminismos e produção de subjetividade. 2015. 276 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2015.

TAKARA, Samilo. Uma Pedagogia Bicha: Homofobia, Jornalismo e Educação. 2017. 177 f. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós Graduação em Educação, Maringá, 2017.

TIBURI, Marcia. Feminismo em Comum: para todas, todos e todes. 7ªed - Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.
Publicado
2019-06-30
Como Citar
DE ABREU, Lua Lamberti; MAIO, Eliane Rose; STUBS PARPINELLI, Roberta. PINTANDO BOCAS MONSTRAS POR MEIO DA PE-DRAG-OGIA. ODEERE, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 101-118, jun. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5104>. Acesso em: 10 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i7.5104.