O mundo dos antepassados e o mundo dos vivos - ritual de ukanyi na mediação: um ensaio sobre ancestralidade no Sul de Moçambique

  • Dulcídio Manuel Albuquerque Cossa Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo

O objetivo deste artigo é pensar como a relação entre o mundo dos antepassados e o mundo dos vivos se estabelece e se estrutura por intermédio do ritual de ukanyi (um ritual realizado para o consumo da bebida-ancestral-sagrada ukanyi). Proposta esta que remete ao estudo e compreensão da religiosidade tradicional africana, na qual se assenta a cosmovisão dos africanos perpassada por um sistema de valores, crenças e práticas bantu. Assim, o método etnográfico e a análise situacional aparecem como alicerces para compreender o fenômeno em causa. Considero o pressuposto de que o ritual de ukanyi é uma cerimônia que permite a exaltação dos antepassados, ativa e reativa valores, crenças e práticas que fortalecem e revigoram a religiosidade tradicional africana. Dessa forma, o mesmo nos possibilita vivenciar e experimentar dois mundos diferentes, dos vivos e dos mortos (antepassados). Entendo que compreender a relação entre o mundo dos vivos e dos antepassados é adentrar na forma como se constituem as afrofilosofias que permitem tangenciar o universo africano.


Palavras chave: Ritual de ukanyi. Mundo dos vivos. Mundo dos mortos. Antepassados.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTUNA, Raul. Cultura Tradicional Bantu. 2ª ed. Águeda: Paulinas Editora, 2014.
CASTIANO, José. Referências da filosofia Africana: em busca da intersubjectivação. Maputo: Sociedade Editorial Ndjira, Lda, 2010.
COSSA, Dulcídio. Mhamba ya ukanyi (O ritual de ukanyi): uma tradição na modernidade – entrelaçamentos do rural e urbano. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.
DESCHAMPS, Hubert. Les religions de l’Afrique Noire, que sais-je? Paris: Presses Univ. De France, 1970.
DURKHEIM, Émile. A divisão social do trabalho. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2000.
GARFINKEL, Harold. Estudos da etnometodologia. Cambridge: Polity presse, 1967.
GLUCKMAN, Max. Custom and Conflit in Africa. Oxford: Blackwell, 1995.
GONÇALVES, José; CONTINS, Marcia. A escassez e a fartura: categorias cosmológicas e subjetividade nas festas do Divino Espírito Santo entre os açorianos imigrantes no Rio de Janeiro. In: CAVALCANTI, Maria L. V. C; GONÇALVES, José R. S. (Orgs). As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria Ltda, 2009.
GRAVRAND, Henry. Les religions africaines traditionelles source de civilisation spirituelle. [S.I.: s.n.], 1970.
KAGAME, Alexis. La philosophie bantu comparée. Paris: Présence africaine, 1976.
MAUSS, Marcel. Sociologia e Atropologia. São Paulo: Cosac Naif, 2003.
MBITI, John. African religions and philosophy. Nairobi, Kampala, Dar es Salam: East African Educational Publishers, 1969.
PEREIRA, Rinaldo. Pontencialidades do jogo africano Mancala IV para o campo da educação matemática, história e cultura africana. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.
TURNER, Victor. O Processo Ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.
VAN GENNEP, Arnold. Os ritos de passagem. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.
Publicado
2019-06-30
Como Citar
COSSA, Dulcídio Manuel Albuquerque. O mundo dos antepassados e o mundo dos vivos - ritual de ukanyi na mediação: um ensaio sobre ancestralidade no Sul de Moçambique. ODEERE - Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 221-241, jun. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5370>. Acesso em: 05 dez. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i7.5370.