Entre discursos intolerantes e privilégios religiosos: práticas discursivas sobre religiões de matrizes africanas no cárcere baiano

Resumo

Nesta comunicação, discutimos os discursos intolerantes e privilégios religiosos que circulam no contexto prisional baiano, que por um lado afeta a presença e expressão de religiosidades de matriz africana através de processos de demonização, desqualificação e desautorização religiosa, por outro, produz privilégios direcionados a cristãos, em especial, vinculados as vertentes evangélicas/protestantes. Os dados apresentados são oriundos de parte da dissertação intitulada “nome suprimido”, desenvolvida no Programa (nome suprimido). Adotamos a perspectiva da psicologia social, sustentada teórico-metodologicamente no movimento do Construcionismo Social. Além disso, utilizamos contribuições mais específicas que situam os processos de racialização e seus efeitos para a compreensão do tema desse estudo, em especial de Franz Fanon. Os dados foram produzidos através de entrevistas, via roteiro semiestruturado, de quatro custodiados, três agentes penitenciários/as e um agente religioso no Complexo Penitenciário Lemos Brito na cidade de Salvador, analisadas à luz da análise categorial temática. Concluímos que a instituição prisão ainda funciona de forma preponderadamente colonial, onde a reatualização da hegemonia cristã, com a roupagem atual das vertentes evangélicas/protestantes. Esse horizonte localiza o corpus religioso de matriz africana, importante e fundamental prisma de resistência identitária negra diaspórica, como algo a ser neutralizado, incidindo maior vulnerabilidade da população negra ao discurso cristão que produz auto-ódio, desvinculação social, com base em intolerância religiosa, racismo religioso e institucional.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ALESP, Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Lei nº 16.648, de 11/01/2018. Institui, no âmbito dos estabelecimentos carcerários das comarcas do Estado, a possibilidade de remição da pena pela leitura. Diário Oficial, Poder Executivo - Seção I São Paulo, 128 (8) – 3. Disponível em http://dobuscadireta.imprensaoficial.com.br/default.aspx?DataPublicacao=20180112&Caderno=DOE-I&NumeroPagina=3. Acesso em 12 de Mar 2019.

ARAÚJO, Maurício A. Do combate ao racismo à afirmação da alteridade negra: as religiões de matriz africana e a luta por reconhecimento jurídico – repesando a tolerância e a liberdade religiosa em uma sociedade multicultural. 2007, 120f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade de Brasília. Disponível em http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/7325/3/2007_MauricioAzevedodeAraujo.pdf. Acesso em: 09 jun 2019.

BECCARIA, Cesare B. Dos Delitos e das Penas. Tradução de Paulo M. Oliveira, prefácio de Evaristo de Moraes. São Paulo: Edipro, 1ª edição, 2013.

BORGES, Juliana. O que é encarceramento em massa. Belo Horizonte-MG: Letramento. 2018. (Feminismo Plurais).

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. ed. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2017. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/15261. Acesso em: 09 jun 2019.

DANTAS, Bruna S. A. Religião e política: ideologia e ação da bancada evangélica na Câmara Federal. 2011. 350 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo. 2011. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/16946/1/Bruna%20Suruagy%20do%20Amaral%20Dantas.pdf. Acesso em 10 jun 2019.

DIAS, Camila C. N. A Igreja como refúgio e a bíblia como esconderijo: religião e violência na prisão. São Paulo. Humanitas. 2008.

DIUANA, Vilma et al . Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 8, p. 1887-1896, ago. 2008. https://doi.org/10.1590/s0102-311x2008000800017

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador, EDUFBA. 2008. 194p. https://doi.org/10.7476/9788523212148

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1969/2008 (Campo Teórico). FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987/2011.

GERGEN, Kenneth J.; GERGEN, Mary. Construcionismo social: um convite ao diálogo. Tradução Gabriel Fairman. Rio de Janeiro: Instituto Noos. 2010. 119p. GOMBERG, Estélio. Hospital de orixás: encontros terapêuticos em um terreiro de Candomblé. Salvador: EDUFBA. 2011. 203p.

GOMES, Djean R. Intolerância religiosa: uma discussão a partir da experiência do centro de referência nelson mandela. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 8, n. 19, p. 248-260, fev. 2017. ISSN 2177-2770. Disponível em: http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/35. Acesso em: 13 jun 2019.

ÍÑIGUEZ-RUEDA, Lupicínio; MARTÍNEZ-GUZMÁN, Antar; FLORES-PONS, Gemma. El discurso en la psicologia social: desarrollo y prospectiva. In Ovejero, A. & Ramos, J. (orgs.) Psicología social crítica. Ed Biblioteca Nueva : Madrid. 2011. p.98-116.

LIVRAMENTO, André M.; ROSA, Edinete M. R. Vidas no cárcere: o lugar da assistência religiosa. Vitória: EDUFES, 2015. 128 p. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/6774/1/Versao%20digital_vidas_no_carcere.pdf. Acesso em: 13 jun 2019.

LÜHNING, Angela. "Acabe com esse santo, Pedrito vem aí...": mito e realidade da perseguição policial ao candomblé baiano entre 1920 e 1942. Revista USP, Brasil, n. 28, p. 194-220, mar. 1996. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i28p194-220

MAGGIE, Yvonne. O Medo do Feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

MARQUES, Juliana; GONÇALVES, José A. A estigmatização das religiões afro-brasileiras: dentro e fora dos presídios. ETIC - Encontro de Iniciação Científica, v.9, n.9. 2013. Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/revista/index.php/ETIC/article/view/3565/3321. Acesso em: 12 junho 2019.

MASIERO, André Luís. "Psicologia das raças" e religiosidade no Brasil: uma intersecção histórica. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 22, n. 1, p. 66-79, Mar. 2002. https://doi.org/10.1590/s1414-98932002000100008

MASIERO, André Luís. A Psicologia racial no Brasil (1918-1929). Estud. psicol. (Natal), Natal , v. 10, n. 2, p. 199-206, Aug. 2005 . https://doi.org/10.1590/s1413-294x2005000200006

MATA FILHO, Valter. Estratégias de enfrentamento do povo de santo frente às crenças socialmente compartilhadas sobre o candomblé. 2009, 100 f. Dissertação (mestrado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia. Universidade Federal da Bahia, Salvador. Disponível em: . Acesso em 23 Out 2019.

MELLO, Ricardo P. et al . Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa em psicologia social. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 26-32, Dez. 2007. https://doi.org/10.1590/s0102-71822007000300005

MORAES, Paulo A. C.; DALGALARRONDO, Paulo. Mulheres encarceradas em São Paulo: saúde mental e religiosidade. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro, v. 55, n. 1, p. 50-56, 2006. https://doi.org/10.1590/s0047-20852006000100007

OLIVEIRA, Bruno A. Presos na fé: Ethos de um trabalho evangélico dentro da Penitenciária Lemos Brito, de Salvador. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - FFCH- UFBA. 2012. Disponível em: http://www.ppgcs.ufba.br/site/db/trabalhos/2232013091023.pdf. Acesso em: 7 jun 2018.

OLIVEIRA, Marina M. C. A religião nos presídios. São Paulo: Cortez & Moraes, 1978 (Série Estudos Penitenciários; v.2). Disponível em: http://www.justitia.com.br/revistas/2098zz.pdf. Acesso em 12 jun 2019.

ORDÓÑEZ VARGAS, Laura. Religiosidade: Poder e Sobrevivência na Penitenciária feminina do distrito federal. Debates do NER, porto alegre, v. 6, n. 8, p. 21-37, jul./dez. 2005. https://doi.org/10.22456/1982-8136.2757

ORO, Ari P.; BEM, Daniel F. A discriminação contra as religiões afro-brasileiras: ontem e hoje. Ciências & Letras, Porto Alegre, n.44, p.301-318. 2008.

QUIROGA, Ana M. Religiões e prisões no Rio de Janeiro: presença e significados. In:______; et al. Religiões e prisões. Comunicações do ISER, n. 61, 2009. p. 7-123.

ROSÁRIO, Silvio. Entre Batidas e Batuques: a polícia e os Candomblés na Bahia. Pinaúna Editora. Salvador-BA, 2019.

SCHELIGA, Eva. L. "Sob a proteção da Bíblia"?: A conversão ao pentecostalismo em unidades penais paranaenses. Debates do NER, Porto Alegre, v.6, n. 8, p. 57-71, jul./dez. 2005. https://doi.org/10.22456/1982-8136.2759

SILVA, Anderson M. C. A Ressocialização da Fé: A estigmatização das religiões afro-brasileiras no sistema penal carioca. In: SIMPÓSIO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HISTÓRIA DAS RELIGIÕES, 10., 2008, Assis, SP: ABHR. Migrações e imigrações das religiões. Disponível em: . Acesso em 15 jun 2019.

SILVA, José Marmo da. Religiões e saúde: a experiência da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde. Saude soc., São Paulo, v. 16, n. 2, p. 171-177, ago. 2007. https://doi.org/10.1590/s0104-12902007000200017

SPINK, Mary J. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010. 72 p. https://doi.org/10.7476/9788579820465

SPINK, Mary J; MEDRADO, Benedito. Produção de Sentido no Cotidiano: Uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, M. J. (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Edição on-line. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; São Paulo: Editora Cortez. 2013. p. 22-41

SPINK, Mary J; MENEGON, Vera Mincoff. A pesquisa como prática discursiva. In In: Spink, M. J. (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Edição on-line. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; São Paulo: Ed. Cortez. 2013. p.21-49.

VALENÇA, João.; FONSECA, Alexandre B. C. Axexê – da morte para a vida: vivências político-sociais de um terreiro de candomblé na busca pela saúde. In: Mandarino, A. C. S., & E, Gomberg. (Orgs.) Leituras afro-brasileiras: Territórios, religiosidades e saúde. São Cristóvão: Editora UFS; Salvador: EDUFBA. 2009. p. 189-204 p.

WACQUANT, Loic. Punir os Pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos / Loic Wacquant – Rio de Janeiro: F. Bastos, 2001, Revan, 2003. 168 p. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v10i10p141-146
Publicado
2019-12-30
Como Citar
GOMES, Djean Ribeiro; DE JESUS, Monica Lima. Entre discursos intolerantes e privilégios religiosos: práticas discursivas sobre religiões de matrizes africanas no cárcere baiano. ODEERE, [S.l.], v. 4, n. 8, p. 260-291, dez. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5763>. Acesso em: 23 fev. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i8.5763.