O conhecimento quilombola e as plantas medicinais como recurso didático para o ensino de ciências

Resumo

A utilização das plantas pela espécie humana ocorre das mais variadas maneiras, principalmente, na alimentação, vestimenta, no tratamento e cura de doenças. Dentre os grupos culturais que usam as plantas medicinais, encontram-se os povos remanescentes dos quilombos. O conhecimento que os quilombolas possuem é baseado em valores, símbolos, crenças e mitos. Hábitos e costumes estão diretamente envolvidos com o ambiente e esta relação permitiu que estas comunidades acumulassem conhecimentos. Deste modo, a Lei nº 10.639/2003 tornou obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira em instituições de ensino. Assim, o presente relato de experiência foi realizado por intermédio de uma intervenção, desenvolvida em três encontros e uma visita à UESB, sendo um conjunto de atividades mediadas pelo professor, que permite aos discentes questionar, sanar dúvidas e realizar ações. Assim, as visitas ao HUESB e ao LPN contribuíram para que os estudantes fizessem uma associação entre o conhecimento popular e o conhecimento científico e entendessem como esses estão entrelaçados, bem como perceber a relevância de ambos os conhecimentos para a história da Ciência.


Palavras-chave: Educação informal; Pedagogia crítica; Educação Quilombola.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Decreto Nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decre-to/2003/d4887.htm>. Acesso em: 06 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB Nº 16, de 05 de junho de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Brasília. 2012. Disponível em . Acesso em 01 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília. 2006. 60p. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/
politica_nacional_fitoterapicos.pdf>. Acesso em: 08 jun. 2019.

CARVALHO, F. R. C.; LELIS, A. G. S. Conhecimento tradicional: saberes que transcendem o conhecimento científico. In: XXIII CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI, 2014. João Pessoa. Anais eletrônicos. 2014. João Pessoa. Disponível em: . Acesso em 08 jun. 2019.

DA CUNHA, A. P. Aspectos históricos sobre Plantas Medicinais, seus constituintes activos e Fitoterapia. [S.l.] 2003. Disponível em: . Acesso em 08 jun. 2019.

DA SILVEIRA, A. P.; FARIAS, C. C. Estudo etnobotânico na educação básica. Poiésis-Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação. UNISUL, Tubarão, v. 2, n.1, p. 14–31, jan/jun. 2009. 2(3), 14-31, 2009. https://doi.org/10.19177/prppge.v2e3200914-31

DI STASI, L. C. Plantas medicinais: arte e ciência: um guia de estudo interdisciplinar. 1. ed. São Paulo: Unesp, 1996. 230 p.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2001. 161 p.

FAGUNDES, J. A.; GONZALEZ, C. E. F. Herbário escolar: suas contribuições ao estudo da Botânica no Ensino Médio. Pinhais, 2006. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/por-
tals/pde/arquivos/1675-8.pdf. Acesso em 08 jun. 2019.

FORDE, G. H. A.; VENERANO, I.; NEVES, Y. P. A Educação Anti-Racista. Núcleo de Currículo, Centro de Estudos Afrodescendentes (CEAFRO). Secretaria Municipal de Educação de Vitória, Prefeitura Municipal de Vitória, ES, 2010.

GONÇALVES, E. G.; LORENZI, H. J. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2007. 544 p.

GIROUX, H. A. Pedagogia crítica, Paulo Freire e a coragem para ser político. Revista e-Curriculum, v. 14, n. 1, p. 296-306, 2016.

GUIMARAES, D. S.; MIGUEL, J. R. Criação e aplicação de um herbário didático em uma escola estadual no município de Duque de Caxias, RJ. In: Seminário de Iniciação Científica. 2011. Duque de Caxias, RJ. Anais. 2011. p. 1-6.

JORGE, S. S. A. Plantas Medicinais: Coletânea de Saberes. [S.l.]. 2013. Disponível em: http://www.agronomiaufs.com.br/index.
php/download-e-videos/category/75-downloads. Acesso em 06 mai. 2019.

KOBASHIGAWA, A. et al. Estação ciência: formação de educadores para o ensino de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental. In: IV Seminário Nacional ABC na Educação Científica. 2008. São Paulo. Anais eletrônicos. São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.cienciamao.usp.br/dados
/smm/_estacaocienciaformacaodeeducado-resparaoensinodecienciasnasseriesiniciais-
doensinofundamental.trabalho.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.

KOVALSKI, M. L.; OBARA, A. T.; FIGUEIREDO, M. C. Diálogo dos saberes: o conhecimento científico e popular das plantas medicinais na escola. In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências–ENPEC. 2011. Campinas. Anais eletrônicos. Campinas, 2011. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec
/resumos/R1647-1.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.

LEITE, I. B. Quilombos e quilombolas: cidadania ou folclorização? Horizontes Antropológicos, v. 5, n. 10, p. 123-149, 1999. https://doi.org/10.1590/s0104-71831999000100006

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa: Plantarum, 2008. 544p.

MACIEL, M. A. M. et al. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química nova, v. 25, n. 3. p. 429-438. 2002. https://doi.org/10.1590/s0100-40422002000300016

MINAYO, M. C. S.; GOMES, S. F. D. R. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 21. ed. Vozes: Petrópolis, 2009. 80p.

MIRAS, M. Um ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios. In: O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 1999. p.57-77

MONTELES, R.; PINHEIRO, C. U. B. Plantas medicinais em um quilombo maranhense: uma perspectiva etnobotânica. Revista de Biologia e Ciências da Terra, vol. 7, n. 2, p. 38-48. 2007.

MONTEVECHI, W. R. A. Educação não formal no Brasil (1500-1808). 2005. 131f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Universitário Salesiano de São Paulo, São Paulo, 2005.

OLIVEIRA, A. O Ensino da botânica como instrumento para educação ambiental. 2005. 80f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharel em Ciências Biológicas) – Instituto de Biologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2005.

SALGADO, C. L.; GUIDO, L. F. E. O Conhecimento Popular sobre Plantas: um Estudo Etnobotânico em Quintais do distrito de Martinésia, Uberlândia-MG, 2007.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016, 156p.

SCHIAVON, D. B. A. Resgate etnobotânico de plantas medicinais e validação da sua atividade antibacteriana. 2015. 103f. Tese (Doutorado em Ciências). Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

SILVA, D. J. Educação quilombola: um direito a ser efetivado. Olinda: Centro de Cultura Luiz Freire; Instituto Sumaúma, 2007.

SOUZA, A. C. F. Políticas públicas de segurança alimentar e nutricional da população negra: um resgate da cultura alimentar em comunidades quilombolas. 2009. 66f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharel em Nutrição) – Setor de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2009.

TÔRRES, A. R. et al. Estudo sobre o uso de plantas medicinais em crianças hospitalizadas da cidade de João Pessoa: riscos e benefícios. Revista brasileira de Farmacognosia [online] 2005, vol.15, n.4, pp. 373-380. https://doi.org/10.1590/s0102-695x2005000400019

TRISTÃO, M. A educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. São Paulo: AnnaBlume, 2004. 236p.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
SILVA, Wagner de Jesus; DA SILVA-CASTRO, Milene Maria. O conhecimento quilombola e as plantas medicinais como recurso didático para o ensino de ciências. ODEERE, [S.l.], v. 4, n. 8, p. 364-379, dez. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5769>. Acesso em: 05 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i8.5769.
Seção
Relatos de experiências