Ancestralidades, identidade étnica e etnicidades no centro da resistência

  • Viviane Sales Oliveira Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade
  • Marise de Santana Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão a respeito da etnicidade a partir de interpretações de elementos simbólicos identificados nas narrativas do/as entrevistados participantes de uma pesquisa de campo realizada numa comunidade tradicional religiosa de matriz africana, sobre ancestralidade. Possibilitando, assim, a compreensão do real e os sentidos étnicos e suas etnicidades. Considerando, portanto, essa categoria como principio que norteia construções simbólicas e ainda, responsável pelos traços dos repertórios da identidade étnica e vetores de etnicidades. Para tanto, utilizou-se como metodologia, o Estudo das Formas Simbólicas - Hermenêutica de Profundidade-HP, elaborado por John B. Thompson (1995), cujo arcabouço de trabalho fundamenta-se na etnografia, tendo as análises dos dados estruturadas observando os contextos em que as formas simbólicas são produzidas e interpretadas. Essa metodologia nos proporciona uma discussão de qual etnicidade está presente nas narrativas fontes deste artigo.


Palavras-chave: Etnicidade; Ancestralidade; Identidade étnica; Formas simbólicas.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTH, Fredrik. Etnicidade e o conceito de cultura. Antropolítica. Niterói, n. 19, p.15-30, 2. sem. 2005.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Universidade de São Paulo – USP. Programa de pós-Graduação em Educação, 2005.

CACCIATORE, Olga Gudole. Dicionário de cultos afro-brasileiros. Rio de Janeiro. Ed. Forense Universitária,1988.

CHEVALIER, J. GHEERBRANF, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes,
gestos, formas, figuras, cores, números. 11ª ed. Rio de Janeiro: Ed. José Olympio, 1997.

CUNHA, Manuela C. Negros estrangeiros. Os escravos libertos e sua volta a África. São Paulo: Brasiliense, 1985.

FERNANDES, Alexandre de Oliveira. Axé: Apontamento para uma a-tese sobre Exu que jamais (se) escreverá. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

FERNANDES, Alexandre de Oliveira. Exu: sagrado e profano. Odeere: revista do programa de pós-graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade – UESB. ISSN 2525- 4715. Ano 2, número 3, volume 3, Janeiro – Junho de 2017. https://doi.org/10.22481/odeere.v3i3.1573

GENNARI, E. Em busca da liberdade: traços das lutas escravas no Brasil. Ed. 2. São Paulo, Ed. Expressão Popular, 2011.

HAMPÂTÉ BÂ, Hamadou. A tradição viva. In: KIZERBO, J. História Geral da África: Metodologia e Pré-História da África. Brasília-DF. UNESCO, 2010.

LOPES, N. Enciclopédia brasileira da diáspora africana [recurso eletrônico] 4. ed. - São Paulo: Selo Negro, 2011.

MARTINS, C. & MARINHO, R. Iroco. O orixá da árvore e a árvore orixá. Ed. Pallas. Rio de Janeiro, 2002.

OJO-ADE, Femi. A cultura iorubana na diáspora: confusão atual, vínculos futuros. In. Acolhendo as línguas africanas: Segundo momento. CASTRO, Yeda Pessoa et al. (Organizadoras). Salvador-BA: EDUNEB, 2010.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da ancestralidade como filosofia africana: educação e cultura afro-brasileira. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação – RESAFE. Número 18: maio-outubro/2012. P. 28-47.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Epistemologia da ancestralidade, 2018. Disponível: https://filosofia-africana.weebly.com/textos-diaspoacutericos.html. Acesso: dezembro de 2018.

OLIVEIRA, Julvan Moreira de. Africanidades e educação: ancestralidade, identidade e oralidade no pensamento de Kabengele Munanga. (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. Sobre o pensamento antropológico. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1988.

ORO, Ari Pedro; BEM, Daniel F. de. A discriminação contra as religiões afro-brasileiras: ontem e hoje. CiênciasLetras. Porto Alegre, n. 44, p. 301-318, jul./dez. 2008.

POUTIGNAT, P. & STREIFF-FENART, J. Teoria da etnicidade: seguido de grupos étnicos e suas fronteiras. 2. Ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2011.

SÀLÁMÌ, Sikiru King,RIBEIRO, Ronilda Iyakemi. Exu e a ordem do Universo. São Paulo: Oduduwa,2011.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os nàgó e a morte: pàdé, asésé e o culto égun na Bahia. ed. 11ª. Trad. UFBA. Petrópolis. Ed. Vozes, 1986.

SANTOS, Hamilton Borges. A menina é a mãe do muno, 2011. Disponível: https://www.geledes.org.br/menina-e-mae-mundo-por-hamilton-borges-dos-santos-wale/. Acesso: outubro de 2019.

SODRÉ, Muniz. A Verdade Seduzida - Por um Conceito de Cultura no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

SOUSA JUNIOR, Vilson Caetano de. Na palma da minha mão: temas afro-brasileiros e questões contemporâneas. Salvador: edUFBa, 2011.

SOUZA, L.L. A fará kó arawa. Memória e tradição no candomblé da Bahia – Ilé Axé Ijexá e Ilé Axé Alaketu. Ed. UESB. Vitória da Conquista, 2017.

THOMPSON, John B. Ideologia e Cultura Moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes, 2011.

TURNER, V. W.Floresta de símbolos. Aspectos do Ritual Ndembu. EduFF. Niteroi-RJ, 2005. Site. http://mundoafro.atarde.uol.com.br/tag/mae-stella-de-oxossi/. Acesso: agosto de 2019.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
OLIVEIRA, Viviane Sales; DE SANTANA, Marise. Ancestralidades, identidade étnica e etnicidades no centro da resistência. ODEERE, [S.l.], v. 4, n. 8, p. 94-118, dez. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5775>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i8.5775.