Ensaiando Gênero, Desejo e Trabalho; Ontologia e Emancipação no Marxismo; Por Feminismos- Emancipacionista e Decolonial

Resumo

Este ensaio revisita artigo em que abordamos conceito chave no marxismo, o de emancipação, relacionando entrelaces sobre seu norte, o gênero humano, categoria trabalhada na ontologia do ser social por Lukács e Marx, com debates sobre gênero, como elaborado no plano de debates feministas sobre patriarcado. Já neste texto, se  insistimos que a centralidade do trabalho  deve ser compartida com as de sexualidade e desejo, defendemos que o debate sobre projetos de emancipação, quer do gênero no feminino, quer do gênero humanizado, como o de sujeitos colonizados, no caso da América Latina, passam tanto pelo desejo, como élan de vida, implicando decolonialidade do ser, como pela decolonialidade do saber. Considera-se aportes de feministas emancipacionistas e as decoloniais, e a ênfase em diversidades de experiencias e níveis de resistência. Defende-se que desejo, sexualidade e trabalho são singularidades do ser humano, mas quem é considerado humano?


Palavras-chave: Emancipação, trabalho, decolonialidade, desejo e sexualidade.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi e FRASER, Nancy Feminismo para os 99%, Um Manifesto, Ed Boi Tempo, São Paulo, 2018

BALLESTERO, Manuel Marx, Ontología del ser social-Gyorgy Lukács Akal, Madrid, 2007

BALLESTRIN, Luciana América Latina e o giro decolonial http://www.scielo.br/pdf/rbcpol/n11/04.pdf -2013 - consultado em 04.10.2019

BOURDIEU, Pierre A dominação masculina. São Paulo, Bertrand Brasil, 1999

BORHEIM, Gerd “Da superação á necessidade: o desejo em Hegel e Marx” in NOVAES, Adauto (org.) O Desejo. Cia das Letras, São Paulo, 1990, p 143-154

BUTLER, Judith Problemas de Gênero. Feminismo e subversão da identidade. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2003.

CAHEN, Michel “O que pode ser e o que não pode ser a colonialidade. Uma abordagem ‘pos-pos colonial’ da subalternidade. In Cahen, Michel e Braga, Ruy (org.) Para além do pos colonial, Ed Alameda, S Paulo, 2018

CANIELLES, Ariela dos Santos « Emancipação em Marx » in http://www.ufpel.edu.br/cic/2009/cd/pdf/CH/CH_01656.pdfconsultado em 16.11.2012

CANIELLES, Ariela dos Santos e OLIVEIRA, Avelino da Rosa - A Emancipação Humana: Uma Abordagem A partir De Karl Marx -V Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo: Marxismo, Educação e Emancipação Humana, 11, 12, 13 E 14 de abril de 2011 – UFSC – Florianópolis – SC – Brasil-www.5ebem.ufsc.br/trabalhos/eixo_01/e01c_t003.pdf. Consultado em 18.7.2011

CASTRO, Mary Garcia “A Alquimia de Categorias Sociais na Produção de Sujeitos Políticos; Gênero, Raça e Geração entre Líderes do Sindicato de Trabalhadores Domésticos em Salvador” In Revista de Estudos Feministas, n 0, 1992-p 57-73

CASTRO, Mary Garcia Os desafios das ciências sociais: Entre a Crise do Capitalismo e a Emancipação Social. Revista Olhares Sociais, PPGS, UFRB, 2014, vol. 2, n 2-p 154-183.

DEL ROYO, Marcos (oro.) Gyorgy Lukács e a Emancipação Humana. Ed Boi Tempo, São Paulo, 2013.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix Capitalisme et schizophrénie. L’Anti-O´Dipe. Ed Minuit, Paris, 1972

DELEUZE, Gilles Entrevista , “Abecedário, letra D de deseo”, disponível em https://www.youtube.com/watch?v=hgpucPMBAWg, consultado em 16.04. 2015.

DURO, Enrique González La Dialéctica del Placer, in El Viejo Topo, n 41, 1980, febrero p 33-36

ENGELS, Friedrich Carta a Bloch, in ENGELS, Friedrich Cartas Escogidas, 21-09-1890. Cartas Escogidas, p 374;
MEW, p 37, p 469. Igualmente a Mehring, 14-07-1891: ibid., p 405, MEW, cap. 39, p 95, consultado em http://pendientedemigracion.ucm.es/info/bas/es/marx-eng/cartas/oe3/mrxoe329.htm, em 10.04.2015

FEDERICI, Silvia Calibã e a Bruxa: Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. Elefante, São Paulo, 2017

GUATTARI, Felix e ROLNIX, Suely Cartografias do Desejo. Petrópolis, Ed Vozes, 1986

HENNESY, Rosemary e INGRAHAM, Chrys. Materialist Feminism. A Reader in Class, Difference and Women’s Lives. Routledge, Londres, 1997

KERGOAT, KERGOAT Danièle -Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais - In Novos estud. - CEBRAP no.86 São Paulo Mar. 2010, https://doi.org/10.1590/S0101-33002010000100005

LUGONES, María “Rumo a um feminismo decolonial” In I BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org) Pensamento Feminista Brasileiro, formação e contexto, Rio de Janeiro, Bazar do Tempo, 2019, p357-378.

LUGONES, María. “Heterosexualism and the Colonial/Modern Gender System”. Hypatia, 22(1):186–209, 2007.

MIÑOSO, Yuderkys Espinosa, “De por qué es necesario un feminismo decolonial: diferenciación, dominación co-constitutiva de la modernidad occidental y el fin de la política de identidad” GLEFAS Solar | Año 12, Volumen 12, Número 1, Lima, pp.171. DOI. 10.20939/solar.2016.12.0109

OYÈRONKÈ OYÊWÙMI Conceitualizando gênero: A Fundação eurocêntrica de conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. In BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson e GROSFOGUEL, Ramon (orgs) Decolonialidade e Pensamento Afro Diaspórico. Belo Horizonte, Ed Autentica, 2018-p 171-182

QUIJANO, Aníbal. 2000. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In LANDER, E 9 (ed.) La colonialidad del saber: Eurocentrismo y Ciencias Sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Caracas: CLACSO: 201-245

RANCIÉRE, Jacques El Espectador Emancipado. Pontevedra, Ed Ellago Ensayo, 2010

SAFFIOTI, Hellieth. Gênero, Patriarcado, Violência Ed Perseu Abramo, São Paulo, 2004

SAFFIOTI, Heleieth. “Rearticulando gênero e classe social”. In: Costa, A.O; Bruschini, C. (Orgs.) Uma Questão de gênero. São Paulo; Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992, p 183-215.

SCHOLZ, Roswitha (1996) O valor é o homem. Teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre os sexos in http://obeco.planetaclix.pt/ ou http://www.exit-online.org/-consultado em 12.4.2015

SEGATO, Rita Laura “Género y colonialidad: en busca de claves de lectura y de un vocabulario estratégico decolonial” In en QUIJANO, Aníbal y Julio Mejía Navarrete (eds.): La Cuestión Decolonial. Lima: Universidad Ricardo Palma - Cátedra América Latina y la Colonialidad del Poder, 2010.

SEGATO, Rita. “Colonialidad y patriarcado moderno: expansión del frente estatal, modernización, y la vida de las mujeres”. En: MIÑOSO, Y. Espinosa; CORREAL, D. Gómez y MUÑOZ , K. Ochoa (Edits.), Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Popayán, Colombia: Editorial Universidad del Cauca, 2014, pp. 75-91.

SORJ, Bila “O feminismo na encruzilhada da modernidade e pós-modernidade” In BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org) Pensamento Feminista Brasileiro, formação e contexto, Rio de Janeiro, Bazar do Tempo, 2019, p9-108

TONET, Ivo Cidadania ou Emancipação Humana- Revista Espaço Acadêmico nº 44, janeiro de 2005-http://www.seed.pr.gov.br/portals/livrodidatico/frm_resultadoBuscaLivro.php- consultado, consultado em 15.7.2018

TRINDADE, Rafael “Deleuze e o Desejo” in Blog Razão Inadequada, 8/02/2013, consultado em 16.04.2019,

VALADARES, Loreta As Faces do Feminismo Ed Anita Garibaldi, São Paulo, 2007.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
CASTRO, Mary Garcia. Ensaiando Gênero, Desejo e Trabalho; Ontologia e Emancipação no Marxismo; Por Feminismos- Emancipacionista e Decolonial. ODEERE, [S.l.], v. 4, n. 8, p. 173-199, dez. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/6239>. Acesso em: 23 fev. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i8.6239.