O papel da mulher na Comunidade remanescente do Quilombo de Fojo e sua relação com a natureza

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa de Mestrado em Ciências Ambientais que investigou “A relação mulher-natureza na Comunidade Remanescente do Quilombo de Fojo, Itacaré – BA”, através da abordagem descritiva e análise quantitativa e qualitativa de dados (KÖCHE, 2000; SANTOS, 2002), buscando aprofundamento teórico para tratar de relações de gênero (LOURO, 2011; SCOTT, 1989), gênero e meio ambiente (CASTRO e ABRAMOVAY, 2005) e a importância do papel da mulher na organização cotidiana das comunidades tradicionais, inclusive de remanescentes de quilombos (COSTA e PINTO, 2015). Os sujeitos da pesquisa foram mulheres e homens da Comunidade de Fojo que decidiram pela participação, utilizando entrevistas semiestruturadas, observação direta e sistemática e conversas informais, em profundidade, realizadas entre 2014-2015. O recorte aqui apresentado tem por objetivo discutir o papel da mulher na comunidade do quilombo de Fojo e sua relação com a natureza. Os resultados indicam relações desiguais entre homens e mulheres na comunidade, às mulheres têm sido designado papel/posição, modos de cuidar da família, ficam responsáveis em “trazer harmonia e paz para o lar”, “cuidar e ser dona de casa”, cabendo a elas a área pertencente a do privado – a casa, alguns serviços na roça e a participação na igreja evangélica, deixando a tradição esquecida. A relação mulher-natureza, ao que parece, indica práticas agrícolas equivocadas e, ao que tudo indica, o conhecimento dos moradores sobre a agricultura ainda é tímido, demonstram fragilidades de técnicas empregadas, falta recursos à implementação de ferramentas adequadas, ausência de assistência técnica especializada e conhecimentos por parte dos produtores de técnicas básicas de produção. 


Palavras-chave: Relação Mulher-Natureza. Mulher Quilombola. Sustentabilidade

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRUDA, Ângela M. Silva. Uma contribuição às novas sensibilidades com relação ao meio ambiente: representações sociais de grupos ecologistas e ecofeministas cariocas. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Universidade de São Paulo, USP, mar. 1997. São Paulo: USP, 1997.

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é: o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BONETTI, Alinne; QUERINO, Ana Carolina. Apresentação. Dossiê Retrato das desigualdades de gênero e raça. Estudos Feministas. Florianópolis, v.17, n. 3, set./dez. 2009, p. 847-850. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2009000300012

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Tradução Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado, 1998.

BRASIL. Decreto 6.040, de 07 de fevereiro de 2007. Brasília, DF, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso jul. 2015.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Brasília, DF, 2007 Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm. Acesso em: jul. 2015.

CASTRO, Mary G. e ABRAMOVAY, Miriam. Gênero e Meio Ambiente. São Paulo: Cortez, 2005.

COSTA, João P. A.; PINTO, Benedita C. de M. Trabalho e organização social: a atuação de mulheres remanescentes de quilombolas de São José de Icatu, no município de Mocajuba, Pará. II Congresso Internacional de História UEPG – UNICENTRO, 2015.

Dicionário Web. Disponível em: http://www.dicionarioweb.com.br/fojo/ Acesso em: 4 ago. 2015.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o Regime da Economia Patriarcal, São Paulo: José Olímpio, 1987.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra. Petrópolis, RJ: Editora Peirópolis, 2000. (Série Brasil Cidadão)

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Tradução Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

GODINHO, Tereza M. O lugar da mulher no quilombo Kalunga. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais/Antropologia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Retrato das desigualdades de gênero e raça. IPEA [et al]. 4. ed. Brasília, 2011. Disponível em: www.ipea.gov.br/retrato/pdf/revista.pd. Acesso em: 2 jul. 2015.

JACOBI, Pedro. Meio ambiente urbano e sustentabilidade: alguns elementos para a reflexão. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1997. p. 384-390.

Jornal Grande Bahia. Itacaré: Território Quilombola do Fojo tem relatório técnico publicado no DOU. Disponível em: http://www.jornalgrandebahia.com.br/2015/03/11. Acesso em: 22 jul. 2015.

KÖCHE, José C. Fundamentos de Metodologia Científica. Teoria da ciência e prática da pesquisa. Petrópolis, RJ: Vozes: 1997

LARAIA, Roque de B. Cultura um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MUNANGA, Kabengele. Por que o racismo e suas práticas e qual é a responsabilidade social que se espera dos profissionais que lidam com as questões da sociedade? In: Revista Brasileira de Psicologia, v. 2, n. 2, II PSINEP, Salvador, BA, 2015, p. 7-15.

O’DWYER, Eliane C. (Org.) Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

Organização Internacional do Trabalho. Convenção n. 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT. Brasília: OIT, 2011, v.1. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Convencao_169_OIT.pdf. Acesso em: 28 jul. 2015.

PRIORE, Mary Del. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2009.

PRIOSTE, Fernando; BARRETO, André. Território quilombola: uma Conquista cidadã. Brasília: SEPPIR, 2012.

ROSA, Waldemir. Sexo e Cor: categorias de controle social e reprodução das desigualdades socioeconômicas no Brasil. Revista Estudos Feministas [online]. Florionópolis, SC, 2009, v.17, n.3, set.-dez. 2009. p. 889-899. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2009000300017

SANTOS, Izequias E. dos. Textos selecionados de Métodos e Técnicas de Pesquisa Científica. Rio de Janeiro: Impetus, 2002.

SANTOS, Maria J. dos. Mulheres quilombolas: Memória é acervo de nossa história. Cadernos Imbondeiro, João Pessoa, v.2, n.1, 2012.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da USP, 2006.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução Guacira Lopes Louro. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, UFGRS, jul.-dez,1995, p. 71-99.

Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República. A participação das mulheres negras nos espaços de poder. Brasília: SEPPIR, 2010.

SILVA, Rita de C. Maraschin da. Trabalho das Mulheres negras no Quilombo do Valongos/Tijucas-Santa Catarina. Revista Identidade, São Leopoldo, RS, v. 15, n. 1, jan.-jun. 2010.

SILVA, Tatiana Dias (Org.). Mulheres negras, pobreza e desigualdade de renda. Dossiê Mulheres Negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: IPEA, 2013.

SORRENTINO, Marcos & TRAJBER, Raquel. ONG ECOAR- Instituto Ecoar para a Cidadania. São Paulo, mar. 1997.

SOUZA, Marina de M. e Souza. África e Brasil Africano. São Paulo: Ática, 2008.

TUBALDINI, Maria A. dos S.; DINIZ, Raphael F.; SILVA, Lussandra M. da. A importância do trabalho feminino para a Manutenção da Agricultura Familiar nas Comunidades Quilombolas de Minas Novas e Chapada do Norte – Vale do Jequitinhonha, MG. In: Laboratório de Geografia Agrária, Agricultura Familiar e Cultura Camponesa do IGC, UFMG, 2011.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
CARMO, Maria Edinalva de Oliveira; FERREIRA, Maria de Fátima de Andrade. O papel da mulher na Comunidade remanescente do Quilombo de Fojo e sua relação com a natureza. ODEERE, [S.l.], v. 5, n. 9, p. 281-312, jun. 2020. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/6515>. Acesso em: 08 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6515.