Experiências de “Escola[s]” que educam a infância em comunidade quilombola na Amazônia Paraense

Resumo

O texto apresenta alguns resultados de pesquisa de mestrado sobre educação quilombola e busca responder como a(s) “escola(s)” presentes na comunidade quilombola Tambaí-Açu, Mocajuba/PA, educam as crianças entre as reproduções ampliadas da vida e as reproduções ampliadas do capital. Trata-se de investigação qualitativa, como base no materialismo histórico-dialético, com dados obtidos a partir de entrevistas semiestruturadas, analisadas em articulação com revisão de literatura científica. Ao se fazer análise de conteúdo, compreendeu-se que, embora haja diversas formas de saberes nos chãos e terreiros da comunidade, como a floresta, os rios, as/os “encantados”, as/os pretos/as velhos/as, os mutirões, o “Quilombauê”, os movimentos sociais como a Associação Remanescente de Quilombo Tambaí-Açu – ACREQTA  e, ainda, leis e diretrizes que dão base à Educação Quilombola no Brasil, o que tem prevalecido é o sentido “urbanocêntrico” em termos de educação escolar que desconsidera o espaço rural, suas diversidades, suas formas de aprender a ser, embora contraditoriamente a escola venha buscando a isso se contrapor por meio da integração de suas experiências quilombolas nos processos formativos, a partir de seus modos de se formar-produzir pelo trabalho no mutirão.


Palavras-chave: Experiências, Educação, Escolas, Infância Quilombola.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ACREQTA – Associação da Comunidade Remanescente de Quilombo São Luis de TambaíAçu. Relato Histórico, Econômico, Social e Cultural do Quilombo de Tambaí-Açu Mocajuba. Mocajuba, PA, 2003. Mimeo.

ACOSTA, Alberto. O Bem Viver: Uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução: Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária; Elefante, 2016.

ARROYO, Miguel G. Pedagogia em Movimento: o que temos a aprender dos movimentos Sociais. Currículo sem Fronteiras, v. 3, n. 1, p 28-49, jan./jun. 2003.

______. Miguel G. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. Vozes: Petrópolis, RJ, 2012.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Resolução Nacional 08/2012, de 20 de novembro de 2012, Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Conselho Nacional de Educação (CNE) – Câmara de Educação Básica. Ministério da Educação. Brasília, 2012.

______.Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 11 out. 2018.

______. Lei nº 11.645, de 10 março de 2008. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 11 out. 2018.

CALDART, Roseli Salete. Sobre Educação do Campo. In: SANTOS, Clarisse Aparecida dos (org.). Por uma Educação do Campo. Brasília, DF: MDA, 2007. p. 67-86.

CIAVATTA, Maria. A historicidade do conceito de Experiência. In: MAGALHÃES, Lívia Diana R.; TIRIBA, Lia. Experiência: o termo ausente? Sobre história, memória, trabalho e educação. Uberlândia, MG: Navegando Publicações, 2018.

CRUZ, Valter do Carmo. Povos e comunidades tradicionais. In: CALDART, Roseli Salete et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2012. p. 594-600.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FERRETTI, Celso João. A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Revista Estudos Avançados, v. 32, n. 93, maio/ago. 2018. https://doi.org/10.5935/0103-4014.20180028 Acesso em: 24 nov. 2018.

FRIGOTTO, G. Educação e a Crise do Capitalismo Real. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

______. A polissemia da categoria trabalho e a batalha das idéias nas sociedades de classes. In: Revista Brasileira de Educação . v.14 n. 40. jan./abr.2009. https://doi.org/10.1590/s1413-24782009000100014

FUNES, Eurípedes A. Nasci nas matas, nunca tive senhor. História e memória dos mocambos do baixo Amazonas. In: REIS, João; GOMES, Flávio dos Santos (org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

GRZYBOWISKI, Candido. Esboço de uma alternativa para pensar a educação no meio rural. Contexto & Educação, UNIJUI, ano 1, n 4, out/dez. 1986.

GOMES, Flávio dos Santos. Nos labirintos dos rios, furos e igarapés: camponeses negros, memória e pós-emancipação na Amazônia, c. XIX e XX. História Unisinos, set./dez.2006.Disponívelem:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000124&pid=S0002. Acesso em: 1 jul. 2018.

______. Mocambos e Quilombos – Uma história do campesinato negro no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro Educador – Saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

HAGE, Salomão Antonio Mufarrej e Maria Bárbara da Costa Cardoso. Educação do campo na Amazônia: Interfaces com a educação quilombola. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 425-438, jul./dez. 2013.

HARVEY, D. Rebel cities: from the right to the city to the urban revolution. London; New York: Verso, 2012.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Ideologia Alemã. Edição Ridendo Castigat Moraes. [s.l.]: Rocket, 1999. E-book. Disponível em: http://www.jahr.org. Acesso em: 15 jul. 2018.

______. Manifesto Comunista. Edição Osvaldo Coggiola. São Paulo: Boitempo, 2007.

______. Ideologia Alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MATOS, Wesley S. de, Benedito Eugenio. Etnicidades e Infâncias Quilombolas. Curitiba: CRV, 2019.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução: Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. Campinas, SP: Ed. Unicamp; São Paulo: Boitempo, 2002/2011.

______. A educação para além do Capital. Tradução: Isa Tavares. 2ª.ed. Boitempo, São Paulo, 2008.

O’DWYER, Eliane Cantarino (org.). Quilombos: Identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: FGV; Associação Brasileira de Antropologia - ABA, 2002.

PINTO, Benedita Celeste de Moraes. Escravidão, fuga e a memória de quilombos na região do Tocantins. São Paulo: PUC-SP, 2001.

______. Nas Veredas da sobrevivência: memória, gênero e símbolos de poder feminino em povoados amazônicos. Belém: Paka-Tatu, 2004.

______. Memória, oralidade, danças, cantorias e rituais em um povoado amazônico. Cametá, PA: BCMP, 2007.

______. Samba-de-cacete: ecos de tambores africanos na Amazônia Tocantina. In: Tambores e Batuques: Sonora Brasil/Circuito 2013-2014. Rio de Janeiro: Sesc, Departamento Nacional, 2013. p. 28-37.

PISTRACK, Moisey Mikhaylovick (1888-1940). Fundamentos da escola do trabalho. Tradução: Luiz Carlos de Freitas. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

SALLES, Vicente. O negro no Pará: sob o regime da escravidão. 2. ed. Belém: Secretaria de Estado da Cultura; Fundação Cultural do Pará “Tancredo Neves”, 1988.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: Do pensamento único a Consciência Universal. 6. ed. Rio de Janeiro e São Paulo: Record, 2001.

SENADO FEDERAL. Constituição da República Federativa do Brasil [1988]. Brasília, DF: Editora do Senado Federal, 2015.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica do pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

______. A formação da classe operária inglesa: a árvore da liberdade. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987. V.1.

______. Costumes em Comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. Tradução: Rosaura Eichemberg. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

TIRIBA, Lea. Pré-escola popular: buscando caminhos, ontem e hoje. São Paulo: Cortez, 2018.

TIRIBA, Lia. Reprodução ampliada da vida: o que ela não é, parece ser e pode vir a ser. Otra Economía, vol. 11, n. 20, p. 54-87, julio-diciembre. 2018.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução as pesquisas em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VENDRAMINI, Célia Regina; TIRIBA, Lia. Classe, cultura, e experiência, na Obra de E. P. Thompson: Contribuições à pesquisa em educação. Revista HISTEDBR Online, Campinas, n. 55, p. 54-72, mar. 2014. ISSN: 1676-2584. https://doi.org/10.20396/rho.v14i55.8640461

WILLIANS, Raymond. Cultura e materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
MIRANDA, Ellen Rodrigues da Silva; RODRIGUES, Doriedson do Socorro. Experiências de “Escola[s]” que educam a infância em comunidade quilombola na Amazônia Paraense. ODEERE, [S.l.], v. 5, n. 9, p. 82-108, jun. 2020. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/6620>. Acesso em: 08 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6620.