AFRICANIDADES E TRIBALISMO CULTURAL: EXPERIENCIAS DE PROFESSORES (AS) DA CIDADE AFRICANA DE OBUASI, GHANA

Resumo

Este artigo apresenta dimensões de um estudo que se ateve às experiências pedagógicas de um grupo de professores (as) de escolas públicas de Obuasi, Ghana, na África Ocidental. O objetivo é apresentar as especificidades das experiências dos (as) professores (as), por meio de uma abordagem informativa, analítica e reflexiva das relações tribais culturais no espaço escolar, da valorização identitária dos povos de Ghana, da importância da educação bilíngue, do desafio de ser professora ou professor em uma escola com pessoas falantes de diversos idiomas, com conhecimentos prévios distintos e expectativas em relação à educação escolarizada. A metodologia envolveu etnografia virtual. Dada a singularidade da pesquisa realizada, utilizou-se tecnologias digitais, ambiente virtual, e aplicativo de mensagens. A primeira parte do estudo ocorreu quando professores (as) de Obuasi foram á cidade de Sabará, em Minas Gerais, Brasil, para uma troca de experiência na cidade que reconheceram ser uma cidade irmã. Neste artigo tratamos da segunda parte da troca de experiências, quando os professores de Ghana, após retornarem ao seu país, iniciaram um diálogo com as autoras do presente artigo. Que este estudo possa fortalecer os projetos, reflexões e intervenções promovidas pela Educação das Relações Raciais e as africanidades brasileiras. Este estudo caracterizou-se por ser uma construção a partir da vivencia compartilhada, que se assemelhou ao processo de tecer uma das tiras do tecido Kente, de Ghana. Nesse entrelaçar é preciso continuar a tecer até completar o tecido do conhecimento, que segue sempre demandando mais tecituras.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Ph.D em Educação, Temple University, USA; CEFET-MG; PPGET; Dept. de Educação;Programa de Formação Docentes; Coordenadoria de Gênero, Relações ÉtnicoRaciais, Inclusão e Diversidades (CGRID); Pesquisadora do CNPq;Núcleo de Pesquisa e Estudos Afro-Brasileiros (NEAB); Núcleo de Estudos de Gênero e Diversidades (NEGED).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestra em Educação Tecnológica, CEFET-MG; Núcleo de Pesquisa e Estudos AfroBrasileiros. Graduada em Letras, Pós Graduada em Educação das Relações Étnico Raciais e Educação em Direitos Humanos pela UFPR; Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça pela UFMG, professora de Língua Portuguesa na rede municipal de Sabará e na rede estadual de Minas Gerais.

Referências

AMARAL, Adriana. Etnografia e pesquisa em cibercultura: limites e insuficiências metodológicas. Revista USP, São Paulo, n.86, p. 122-135, jun./ago. 2010.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Antropologia do Brasil: mito, história, etnicidade. São Paulo: Brasiliense; Editora da Universidade de São Paulo, 1986.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Urbanização e tribalismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1968.

OMG VOICE. Here Are The Reasons Behind Ghanaian Tribal Marks. 02 de março de 2016. Disponível em: < https://omgvoice.com/lifestyle/ghanaian-tribal-marks>. Acesso em: 27 jul. 2016 Papirus, 1995. (Série Prática Pedagógica)

RIBEIRO, Darcy. As américas e a civilização. Rio de Janeiro: Vozes, 1977.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Africanidades brasileiras: esclarecendo significados e definindo procedimentos metodológicos. In: Revista do Professor, 9 (73), p.26-30, jan./mar.2003.Disponívelem: Acesso em: 05 de Setembro de 2018.

TRIP DOWN MEMORY LANE. Kente cloth: ghana`sashanti cultural heritage to the world`s fashion civilization. 03 de dezembro de 2012. Disponível em: < https://kwekudee-tripdownmemorylane.blogspot.com.br/2012/12/kente-cloth-ghanas-ashanti-cultural.html>. Acesso em:27 jul. 2018.
Publicado
2020-04-01
Como Citar
VALENTIM, Silvani dos Santos; MOREIRA, Jane. AFRICANIDADES E TRIBALISMO CULTURAL: EXPERIENCIAS DE PROFESSORES (AS) DA CIDADE AFRICANA DE OBUASI, GHANA. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 39, p. 115-137, abr. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6362>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.6362.