EGRESSOS DE UM CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PERFIL E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i42.6430

Palavras-chave:

Egresso, Pós-Graduação, Educação

Resumo

EEste artigo traz resultados de uma pesquisa, de abordagem mista, que buscou traçar o perfil e investigar as contribuições do curso de Mestrado em Educação de uma Universidade, situada na região do Triângulo Mineiro – MG, para o desenvolvimento profissional docente dos egressos de 2003 a 2015, que, ao ingressar no curso, atuavam no ensino superior. O corpus de análise resultou de questionário respondido por 44 desses egressos, e de entrevista semiestruturada realizada com oito deles. Fundamenta-se em autores que discutem a pós-graduação em educação (Severino, 2006 e 2009; Cury, 2005); em pesquisadores que tratam o desenvolvimento profissional docente (Marcelo Garcia, 1999; Cunha, 2010, 2017). Em sua maioria, os egressos da IES pesquisada construíram a sua trajetória de formação e de atuação em instituições privadas de ensino superior. Têm a necessidade de aprimoramento profissional e o desejo de ascensão na carreira, motivos principais para a busca de um curso de mestrado, porém poucos contaram com bolsas de estudo, com a liberação das atividades profissionais ou redução de carga horária para a realização do curso. A contribuição mais importante para o desenvolvimento profissional docente, segundo os participantes, foi o aprofundamento de conhecimento. A preparação para a atividade de pesquisa foi assinalada pela maioria, mas não é a mais significativa, pois nem sempre esses egressos encontram ambiente favorável para essa atividade nas IES, onde atuam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susély Aparecida Fonseca Gonçalves, Universidade de Uberaba - Brasil

Mestre em educação pela Universidade de Uberaba (UNIUBE). Aluna do Doutorado em Educação da UNIUBE. Pertence ao Grupo de Pesquisa Desenvolvimento profissional e trabalho docente na contemporaneidade. 

 

Marilene Ribeiro Resende, Universidade de Uberaba - Brasil

Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Uberaba (UNIUBE), Uberaba/MG. Editora da Revista Profissão Docente. Membro dos seguintes Grupos de Pesquisa: Desenvolvimento profissional e trabalho docente na contemporaneidade; Desenvolvimento profissional docente e representações sociais (GDEPRES); Grupo de estudos e pesquisas em instrução, desenvolvimento e educação (GEPIDE); Grupo de pesquisa em educação algébrica.

Referências

ARAÚJO, Monica Lopes Folena; ARAÚJO, Maria Inêz Oliveira. Como formar professores? concepções de pós-graduandos em educação. Práxis Educacional, [S.l.], v. 15, n. 31, p. 366-388, jan. 2019. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4678>. Acesso em: 06 dez. 2019..

BRASIL. Lei n. 4.024/61, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: 1961. Disponível em: http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/108164/lei-de-diretrizes-e-base-de-1961-lei-4024-61. Acesso em: 18 jun. 2016.

BRASIL. Parecer n. 977/65, de 03 de dezembro de 1965. Brasília: 1965. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/ legislação/Parecer_CESU_977_1965.pdf. Acesso em: 18 jun. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm.Acesso em: 18 jun. 2016

CUNHA, Maria Isabel da. Lugares de formação: tensões entre a academia e o trabalho docente. XV ENDIPE. Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000148&pid=S1414-3283201100040000500006&lng=pt. Acesso em: 22 mar. 2017.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Quadragésimo ano do parecer CFE n. 977/65. Revista Brasileira de Educação, n. 30, p. 7-20, número especial, set./dez. 2005

GRAY, David E. Pesquisa no mundo real. Trad. Roberto Cataldo Costa. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro Editora, 2004.

MARCELO GARCÍA, Carlos. Formação de professores para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora, 1999.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu. Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza; SOUZA, Vera Lucia Trevisan de. (Org). Aprendizagem do adulto professor. São Paulo: Loyola, 2014.

SANTOS, Ana Lúcia Félix dos; AZEVEDO, Janete Maria Lins de. A pós-graduação no Brasil, a pesquisa em educação e os estudos sobre a política educacional: os contornos da constituição de um campo acadêmico. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 42, set./dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n42/v14n42a10.pdf. Acesso em: 21 nov. 2016.

SEVERINO, Antonio Joaquim. In: FERREIRA, Naura Syria Carapeto (Org.). A avaliação no PNPG 2005-2010 e a política de pós-graduação no Brasil. Políticas públicas e gestão da educação: polêmicas, fundamentos e análises. Brasília: Líber Livro, 2006.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Docência universitária: a pesquisa como princípio pedagógico. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 2, n.1, p. 120-128, jan./jul. 2009.

SOARES, Sandra Regina; CUNHA, Maria Isabel da. Formação do professor: a docência universitária em busca da legitimidade. Salvador: EDUFBA, 2010.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

Gonçalves, S. A. F., & Resende, M. R. (2020). EGRESSOS DE UM CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PERFIL E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE. Práxis Educacional, 16(42), 440-460. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i42.6430