Aprendendo a ser professor de Química: poder e autoridade no estágio supervisionado

  • Beatriz dos Santos Santana
  • Bruno Ferreira dos Santos

Resumo

Esse artigo apresenta e discute os resultados de uma pesquisa cujo objetivo principal foi avaliar o estágio supervisionado como espaço e tempo de aquisição de saberes e competências didáticas na formação do professor de química. Baseado na teoria sociolinguística sobre o discurso pedagógico de Basil Bernstein, a pesquisa envolveu o acompanhamento de uma turma de estágio supervisionado de nove licenciandos em química durante a regência em seis escolas públicas do município de Jequié, Bahia. Com base nas observações de suas aulas e em entrevistas semiestruturadas, analisamos dois aspectos de suas práticas pedagógicas associados com o exercício do poder e da autoridade em sala de aula. Os aspectos investigados foram a organização dos espaços e a relação de comunicação entre professor e alunos. Os resultados apontaram que embora os licenciandos consigam estabelecer relações sociais que permitem a mobilidade e a aproximação física com os estudantes, as relações de comunicação são marcadamente verticais, com pouca participação espontânea dos aprendizes no diálogo de sala de aula.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-30
Como Citar
SANTANA, Beatriz dos Santos; SANTOS, Bruno Ferreira dos. Aprendendo a ser professor de Química: poder e autoridade no estágio supervisionado. Revista de Iniciação à Docência, [S.l.], v. 2, n. 2, mar. 2018. ISSN 2525-4332. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rid/article/view/3303>. Acesso em: 14 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/rid.v2i2.3303.