O Feminismo Interseccional na articulação do saber acadêmico e da ação política: reflexões a partir da experiência de um coletivo feminista

Autores

Palavras-chave:

feminismo negro, interseccionalidade, grupo de mulheres

Resumo

O feminismo interseccional tem sido apontado como uma importante teoria na compreensão de como as opressões de gênero, classe e raça dentre outras, se relacionam entre si e interferem na vida de cada mulher, que acaba assim por experimentar a opressão de gênero a partir de um ponto de vista único.  Além disso, a atuação de coletivos feministas tem sido fundamental na vida de mulheres, como espaços de empoderamento e de luta em prol de uma sociedade menos opressiva. Assim, apresentamos nesse trabalho o processo de adoção do feminismo interseccional como ferramenta teórico-metodológica por um coletivo feminista da Bahia, Brasil. Para tanto, realizamos um relato das atividades desenvolvidas pelo grupo entre os anos de 2013 e 2017. Foi possível identificar o forte vínculo afetivo estabelecido entre as companheiras e como o discurso interseccional tem sido importante nesse processo e nas ações do Coletivo como um todo. Constatou-se, assim, que a utilização deste referencial pode ser poderosa no sentido de contribuir para diálogos mais inclusivos e assim mais transformadores. Corroborando, ainda, com a ideia da extrema relevância da articulação entre o feminismo acadêmico e a ação política, além de destacar os desafios da consolidação de coletivos que nascem no âmbito acadêmico.

Biografia do Autor

Priscila Silva de Figueiredo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Licenciada em Ciências Biológicas pela UESB e mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA. Atuei como professora da educação básica e, desde 2013, sou professora da UESB e integrante do Coletivo Feminista Laudelina de Campos Melo. Em 2017 ingressei do Núcleo de Permacultura Sete Cascas e, atualmente, sou doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade.  

Valéria Soares Martins, Colégio Estadual Octacílio Manoel Gomes

Graduada em  Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Santa Cruz e atuo como professora de Sociologia do Colégio Estadual Octacílio Manoel Gomes e produtora cultural no Vacas de Divinas Tretas. Integro o Coletivo Feminista Laudelina de Campos Melo desde 2013. Atualmente curso especialização em Gestão Cultural.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

BARRETO, Andreia; ARAÚJO, Leila; PEREIRA, Maria Elisabete. Gênero e diversidade na escola: formação de professoras (es) em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais. Brasília: SPM, 2009.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, 17(49), 2003, p. 117-132.

COLLINS, Patricia Hill. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In: MORENO, Renata (org.). Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015. p. 13-42.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 12ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 5ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019. Tradução Ana Luiza Libâneo.

RODRIGUES, C. Atualidade do conceito de Interseccionalidade para a pesquisa e prática feminista no Brasil. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 10. Anais Eletrônicos, Florianópolis, 2013.

SOARES. Vera. Muitas faces do feminismo no Brasil. In: BORBA, Ângela et at. (orgs.) Mulher e Política: Gênero e feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 33-54.

Downloads

Publicado

2020-12-31