Acesso e utilização dos serviços de saúde da população negra quilombola: uma análise bibliográfica

Autores

Palavras-chave:

Acesso e Utilização; Comunidade quilombola; População Negra; Saúde.

Resumo

O período escravocrata brasileiro deixou marcas profundas nas populações negras e quilombolas. Este sistema contribui para um cenário racista que fomenta injustiças sociais e em saúde. Nesse sentido, o presente texto objetiva investigar na literatura científica o acesso e a utilização dos serviços de saúde pela população negra e quilombola. A partir de uma revisão de literatura do tipo descritiva narrativa. A busca das publicações ocorreu na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) e no Google Acadêmico. Foram selecionadas 39 publicações entre os anos de 2016 e 2018 organizadas nas seguintes categorias: acesso e utilização dos serviços de saúde pela população negra e quilombola e suas principais morbidades; implicações geográficas e fatores influenciadores no acesso e utilização dos serviços de saúde. As análises indicam que o acesso e utilização dos serviços de saúde pelas populações negras e quilombolas brasileiras sofrem mais importantemente os efeitos nocivos dos marcadores sociais, espaciais, de gênero, de classe socioeconômica e principalmente quanto ao pertencimento étnico-racial. A dificuldade de acesso e utilização dos serviços de saúde pelas populações negras e quilombolas brasileiras repercute as iniquidades, resultando no agravamento de processos de adoecimentos de ordem crônica, como Diabetes e hipertensão, e problemas de qualidade assistencial, como no acompanhamento pré-natal.

Biografia do Autor

Rosilene das Neves Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestra em Enfermagem e Saúde com área de concentração em Saúde Pública pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) Tema de Pesquisa: Acesso e utilização dos serviços de saúde pela população quilombola-. Integrada no Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Cultura e Saúde (GEPEECS/CNPq). 

Ricardo Frankllin de Freitas Mussi, Universidade do Estado da Bahia- Campus XII- Guanami/BA

Doutor em Educação Física (UFSC/SC), Mestre em Saúde Coletiva (UEFS/BA), especialista em Fisiologia do Exercício (UVA/RJ), especialista em Treinamento Desportivo (UGF/RJ), especialista em Saúde Pública (FG/BA) e licenciado em Educação Física (UNEB/BA). Professor-pesquisador em graduações, especializações e no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS/UNEB/Alto Sertão baiano) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB/BA).

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6916116805482768.

Referências

ARAÚJO, E. M. et al. Desigualdades em Saúde e raça/Cor da Pele: revisão da literatura do Brasil e dos Estados Unidos 1996-2005. Saúde Coletiva, v.40, n.40, 2010, (116-121).

ARRUDA, N.N, et al. Desigualdade no acesso à saúde entre as áreas urbanas e rurais do Brasil: uma decomposição de fatores entre 1998 a 2008. Cad. Saúde Pública v.34, n6, 2018, (0021-3816). Acessado em 13/11/2018.

BARBOSA, P. J. B, et al. Influência da cor de pele auto-referida na prevalência da síndrome metabólica numa população urbana do Brasil. Arq. Bras. Cardiol. v.94, n.1, 2010, ( 34-40).

BARROSO, S.M, et al. Fatores associados à depressão: diferenças por sexo em moradores de comunidades quilombolas. Rev Bras Epidemiol. v.18, n. 2, 2015, (503-514). Acessado em 15/06/2018.

BELFORT, I.K.P, et al. Elevação de níveis pressóricos em uma Comunidade Quilombola. Rev. Bras Promoç Saúde, Fortaleza, v.30, n.3, 2017, (1-8).

BEZERRA, V. M, et al. Inquérito de Saúde em Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Ciência & Saúde Coletiva, v.19, n.6, 2014, (1835-1847).

BEZERRA, V.M, et al. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: hipertensão arterial e fatores associados. Cad. Saúde Pública. v. 29, n.9, 2013, (1889-1902). Acessado em 14/04/2017.

BRASIL. DECRETO Nº 4.887, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. 1. ed.; 1. reimp. Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2013 a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra : uma política para o SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. – 2. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2013b.

CARDOSO, L.G.V, et al. Prevalência do consumo moderado e excessivo de álcool e fatores associados entre residentes de Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Ciên. & Saúde Coletiva, v. 20, n.3, 2015, (809-820).

CARTOLANO, L.C. As relações de gênero e raça na saúde: Um estudo do acesso aos serviços de contracepção e prevenção de câncer de colo uterino numa comunidade quilombola. Tese (Doutorado em Saúde Pública).Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2006.

CAVALCANTE, I.M.S; SILVA, H.P. Acesso e acessibilidade aos serviços de saúde em três quilombos na Amazônia paraense: um olhar antropológico. Dissertação (Mestrado Saúde e Sociedade). Universidade Federal do Pará. Programa de Pós-Graduação em Saúde, Sociedade e Endemias da Amazônia, Belém/ Pará, 2011.

CAMBOTA, J.N; ROCHA, F.F. Determinantes das desigualdades na utilização de serviços de saúde: análise para o Brasil e regiões. Pesquisa e planejamento econômico ppe, v. 45, n. 2, 2015, (2016-244).
CRENSHAW, K. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence Against Women of Color, Stanford Law Review 43, 1991, (1241-99).

CRUZ, I. C. F. da. Avaliação sobre acesso e qualidade da assistência de saúde para clientes brancos e negros - nota prévia. Rev Paul Enferm. v. 23, n.1, 2004, (76-82).

DIAS, O.V; ARAÚJO, F.F, et al. Acesso às consultas médicas nos serviços públicos de saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade .v.11, n.38, 2016, (1-13). Acessado em 2/12/2018.

DUTRA, I. R. Acesso e Utilização aos Serviços de Atenção Primária à Saúde pela População Urbana no Município de Jequitinhonha, Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Saúde e Enfermagem) Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

FREITAS, D.A. et al. Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura. Rev. CEFAC. v.13, n.5, 2011, (937-943).

GOMES, K. O. et al., Utilização de serviços de saúde por população quilombola do Sudoeste da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.29, n.9, 2013, (1829-1842).

GRAHAM-STEED, T. et al. ‘Race’ and Prostate Cancer Mortality in Equal-access Healt hcare Systems. The American Journal of Medicine, v.126, n. 2, 2013, (1084 – 1088).

GUIMARÃES, R.C.R; SILVA, H.P. Estado nutricional e crescimento de crianças quilombolas de diferentes comunidades do Estado do Pará. Amazônica, Rev. de Antrop. (Online), v. 7, n.1, 2015, (186-209).

JUSTO, C. M. et al. Acessibilidade em Unidade Básica de Saúde: a visão de usuários e profissionais. Rev. Saúde Col. UEFS, Feira de Santana. v.7, n.1, 201, (16-23).

KASSOUF, A.L. Acesso aos serviços de saúde nas áreas urbana e rural do Brasil. Rev. Econ. Sociol. Rural. v.43, n.1, 200, (29-44).

KOCHERGIN, C. N. et al. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: autoavaliação de saúde e fatores associados. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n.7, 2014, (1487-1501).

LEAL, M.C. et al. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cad. Saúde Pública. v. 33, 2017, (1-17).

LI, J. et al. Urban-rural disparities in health care utilization among Chinese adults from 1993 to 2011. BMC Health Serv Res. v.18, n. 102, 2018, (01-09).

LIM, S. S. et al. A comparative risk assessment of burden of disease and injury attribulable to 67 risk factors and risk factors and risk fatorclausters in 21 regions, 1990- 2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. Lancet.v.380, 2012, (2224-2260). Erratum in: Lancet. v.380, n. 9859, 2013, (2224-2260).

LOUVISON, M.C.P. et al. Desigualdades no uso e acesso aos serviços de saúde entre idosos do município de São Paulo. Rev. Saúde Pública. v.42, n.4, 2008, (733-740). Disponível em:<
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000400021>.Acessado em 13 /08/2017.

MALAGÓN-OVIEDO, R.A; CZERESNIA, D. The concept of vulnerability and its biosocial nature. Interface (Botucatu). v.19, n.53, 2015, (237-49).

MELO, M.F.T; SILVA, H.P. Doenças crônicas e os determinantes sociais da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil. Revista da ABPN. v. 7, n.16, 2015,(168-189) . Disponível em: <.http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/103. Acessado em 22/04/2018.

MOZAFFARIAN, D.et al. American Heart Association Statistics Committeeand Stroke Statistics Subcommittee. Heart disease and stroke statistics- 2015: update a report from the American Heart Association. Circulation. v.131, n. 4, 2015, (29-322).

OLIVEIRA, S. M; CALDEIRA, A.P. Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis em quilombolas do norte de Minas Gerais.
Cad. Saúde Colet.v. 24, n.4, 2016, (420-427). Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n4/1414-462X-cadsc-24-4-420.pdf >. Acessado em 13//06/2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Agência Brasil Empresa Brasil de Comunicação S/A (EBC). OMS: número de adultos com diabetes quadriplicou desde 1980. Genebra- notícias. Disponível em<: http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2016-04/oms-numero-de-adultos-com-diabetes-quadruplicou-desde-1980>. Acessado em 17/08/2016.

PEREIRA, C.O.J . Acesso e utilização dos serviços de saúde por mulheres quilombolas para promoção da saúde reprodutiva. 113f. 2016. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

PORTO, A.D. et al. Determinantes do uso de serviços de saúde: análise multinível da Região Metropolitana de São Paulo. Rev Saúde Pública.v.49, n.15, 2015, (01-12).

POLLACK, C.E et al. Uma visão multidimensional das diferenças raciais no acesso ao cuidado do câncer de próstata. PMC. v.123, n. 22, 2017, (4449-4457) Disponível em:<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5673580/. Acessado em 23/08/2017.

PROGRAMA DE COMBATE AO RACISMO INSTITUCONAL (PCRI). Articulação para o Combate ao Racismo Institucional. Identificação e abordagem do racismo institucional- PCRI, Brasília, 2006.

PROSENEWICZ, I; LIPPI, U.G. Acesso aos serviços de saúde, condições de saúde e exposição aos fatores de risco: percepção dos pescadores ribeirinhos do Rio Machado de Ji-Paraná, RO. Saude soc. v.21, n.1, 2012, (219-231).

RODRIGUES, Q.P; NASCIMENTO, R.E. Desigualdades raciais no acesso de mulheres ao cuidado pré-natal e no parto. Dissertação (Mestrado em Enfermagem com área de concentração em gênero, cuidado e administração em saúde) – Universidade Federal da Bahia, Escola de Enfermagem – Salvador, 2009.

SILVA, T.S.S. et al. Hipertensão arterial e fatores associados em uma comunidade quilombola da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Colet. v.24, n.3, 2016, ( 376-383).

SILVA, M. J. G. et al. Uso dos Serviços Públicos de Saúde para DST/ HIV/aids por Comunidades Remanescentes de Quilombos no Brasil. Saúde Soc. São Paulo, v.19, supl.2, 2010, (109-120).

SILVA, R, A; MENEZES, J.A. Os significados do uso de álcool entre jovens quilombolas. Revista Latino americana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud. v.14 n.1, 2016, (493-504). Disponível em:<http://www.scielo.org.co/pdf/rlcs/v14n1/v14n1a34.pdf >. Acessado em 19/05/2018.

SILVA, M.H.P; BATISTA, C.B. Assistência à saúde em comunidades quilombolas: revisão sistemática. Monografia. (Trabalho de Conclusão do curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Bahia)- (FMB). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

SOARES, D.A; KOCHERGIN, C.N. Fatores associados à obesidade em idosos quilombolas, Bahia, Brasil. Rev. APS. v. 20, n. 2, 2017, (174 -184).

SOUZA, C. L. et al. Oportunidade perdida para diagnóstico oportunista de diabetes mellitus em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. v.19, n.6, 2014, (1653-1662).

SOUZAS, R. Movimento de Mulheres Negras e a Saúde. Análise documental sobre a reivindicação de inclusão do quesito cor no sistema de informação à saúde. Saúde Coletiva. v. 40, n. 7, 2010, (110-115).

SCALA, L.C. et al. Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica. In: Moreira SM; Paola AV; Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2ª ed. São Paulo: Manole, 2015, (780-5).

SCHMITT, A. et al. A atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Revista Ambiente & Sociedade. v. 5, n. 10, 2002, (129-136).

STOPA, S.R. et al. Acesso e uso de serviços de saúde pela população brasileira, Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rev. Saúde Pública. v. 51, Supl.1, 2017, (01-11). Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51s1/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051000074.pdf >. Acessado em 20/05/ 2018.

TABB, K.M. et al. Ethnic Differences in Tobacco Use During Pregnancy: Findings From a Primary Care Sample in São Paulo, Brazil. Ethnicity&health v. 20, n.2, 2015, (209–217).

THEOPHILO, R.L. et al. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção pré-natal e parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Cien.Saude.Colet .v. 23, n.11, 2017, (3505-3516). Disponível em<: https://www.scielo.br/pdf/csc/v23n11/1413-8123-csc-23-11-3505.pdf >. Acessado em 29/11/2018.

TRAD, L.A.B. Acessibilidade à atenção básica a famílias negras em bairro popular de Salvador. Brasil. Rev Saúde Pública.v.46, n.6, 2012, (1007-13).
TRAVASSOS C, B. L. Qual é a agenda para o combate à discriminação no SUS? CadSaude Publica. v. 27, n.2, 2011(204-5).

VIEGAS, A.B. et al. Fatores que influenciam o acesso aos serviços de saúde na visão de profissionais e usuários de uma unidade básica de referência. Saúde Soc. v.24, n.1, 2015, (100-112). Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24n1/0104-1290-sausoc-24-1-0100.pdf> Acessado em 14/08/2017.
VIEIRA, E.W.RW. Acesso e utilização dos serviços de saúde de atenção primária em população rural do Município de Jequitinhonha, Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Saúde e Enfermagem). Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Belo Horizonte, 2010.

VIEIRA, A.B.D; MONTEIRO, P.S. Comunidade quilombola: análise do problema persistente do acesso à saúde, sob o enfoque da Bioética de Intervenção Quilombola. Saúde em Debate. v. 37, n. 99, 2013, (610-618).

WASHINGTON, H. A. Medical apartheid: The dark history of medical experimentation on black americans from colonial times to the present. Estados Unidos: Doubleday, 2007.

WERNECK. J. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde Soc. São Paulo, v.25, n.3, 2016, (535-549).

Downloads

Publicado

2020-12-31