Vivência e escuta sensível: o Terreiro como possibilidade de escuta da infância afrodescendente

Autores

Palavras-chave:

Infância afrodescendente, Escuta sensível, Vivências, Legado ancestral

Resumo

Este ensaio acadêmico sobre a infância de terreiro está redigido segundo uma leitura de mundo do candomblé. Há muitas leituras de mundo. Nossas experiências de vida colocaram-nos diante de, pelo menos duas delas: a leitura religiosa como a do candomblé e a leitura laica da pedagogia. No desenrolar dessas experiências observamos no cotidiano de nossas salas de aula - nos cursos de formação de professores e no cotidiano da Educação Infantil (profissionais da educação) - um grande desconhecimento sobre a população de terreiro, em especial sobre suas crianças. O texto aborda o conceito de infância afrodescendente, com base em pesquisas realizadas nos últimos dez anos pelo Grupo de Estudos e Pesquisa Educação, Diversidade e Religião em comunidades religiosas tradicionais situadas no estado do Rio de Janeiro e no estado da Bahia, cujo objetivo é identificar, levar em consideração, compreender de forma pluridisciplinar formas de apropriação, expropriação do legado ancestral africano e afro-brasileiro. No texto trabalhamos com a escuta sensível, inspirado na abordagem italiana segundo a experiência de Reggio Emillia, e com o conceito de vivência de Lev Semenovitch Vigotsky, onde o conceito de vivência como é apreendido como caminho possível para uma educação libertadora, onde a tomada de consciência pela criança possibilita que ela entenda que é autora do próprio mundo. Uma realidade onde a escola valorize e dê visibilidade a infância afrodescendente pertencente as comunidades religiosas tradicionais.

Biografia do Autor

Jaqueline de Fatima Ribeiro, Professora do Ensino Fundamental

Professora de Ensino Fundamental (CEAS). Graduada em pedagogia INFES – Universidade Federal Fluminense (2013), mestre em educação pelo PPGE-FEUFF (2016). Tem experiência em educação, com ênfase em educação Infantil e ensino fundamental (alfabetização), atuando nos seguintes temas: infância, cultura de pares, educação infantil e legado ancestral

Eduardo Quintana, Universidade Federal Fluminense

Professor Adjunto da UFF, cientista social e pedagogo, mestre em educação e doutor em Educação. Fez Pós-doutorado em relações étnicas na UESB (ODEERE/PPGREC/UESB). Áreas de Interesse: Relações Étnicas e Educação; Sociologia da Educação; Educação, Legado Ancestral e Patrimônio.

Referências

Bâ, Amadou Hampâte. Amkoullel, o menino fula. 3ª ed. São Paulo: Palas Athena, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 10.639, de 09-01-2003.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (2005). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, Ministério da Educação Brasília: Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial/Secretaria de Educação Continuada/Alfabetização e Diversidade. In: .

LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. 2. ed. Rio de Janeiro: EDUFRJ, 2002.

MACHADO, Vanda. Ilê Axé: vivências e invenções pedagógicas – as crianças do Opô Afonjá. Salvador: EDUFBA, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Teoria social e relações raciais no Brasil contemporâneo. In: Cadernos Penesb – Periódicos do programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: FEUFF, 2010, p. 169 a 204.

NOGUEIRA, Renato. Entre a linha e a roda: infância e educação das relações étnico-raciais. In: Magistro Revista do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes – UNIGRANRIO, p. 398-419, 2009

PRESTES, Zoia. Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2012.

QUINTANA, Eduardo. ÈKÓOLÉ: no candomblé também se educa. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

QUINTANA, Eduardo. Preconceito étnico e religioso na escola: (des)humanização e barbárie. Revista Aleph, n. 31, p. 119-135, 2018.

QUINTANA, Eduardo. Práticas de socialização no terreiro: possibilidades e desafios nos estudos das religiões de matrizes africanas. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 17, n. 48, p. 426-449, 2020.

QUINTANA, Eduardo; RIBEIRO, Jaqueline de Fátima. Infância, candomblé e escolarização. Revista Teias, v. 17, n. 44, p. 223-236, 2016.

RIBEIRO, Jaqueline de Fatima. Infância e terreiro: um estudo de vivências de crianças que frequentam o espaço de uma religião de matriz africana. 167p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

RINALDI, C. Pedagogia da escuta. In: RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emília: Escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

SANTOS, Ana Katia Alves dos. Infância e afro-descendente: epistemologia crítica do ensino fundamental. Salvador: EDUFBA, 2006.

TRINDADE, Azoilda Loretto da. Valores civilizatórios Afro-brasileiros na Educação Infantil. In: TRINDADE, Azoilda Loretto da. (org.). Africanidades brasileiras e Educação. Rio de Janeiro/Brasília. TV Escola/MEC. 2013.

VERGER Pierre. Orixás: deuses africanos no novo mundo. 6. ed. Salvador: Currupio, 2002.

VIGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamiento e habla. Colihue Clássica. 2007.

VIGOTSKY, Lev Semenovitch. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKY, Lev Semenovitch. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia Usp, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-31