Experiência no estágio de História: desconstruindo preconceitos

Autores

Palavras-chave:

Ensino de Hist´ória, Fontes históricas, Primeira República

Resumo

Este relato apresenta recorte da experiência de estágio supervisionado de História no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 2018, na turma 2B do ensino médio. De modo específico, trata da metodologia utilizada nas aulas para debater sobre o período da Primeira República no Brasil (1889-1930). Tal metodologia foi centrada no trabalho com diferentes fontes: o samba enredo da escola Imperatriz Leopoldinense, Liberdade! Liberdade! Abra as asas sobre nós (1989); o Hino da Proclamação da República e a pintura (1890), A Redenção de Cam (1895). Essas obras foram utilizadas para compreender determinado contexto histórico, do auge do pensamento racialista na esfera pública e representativo de um projeto de nação que se pretendia branca. A experiência de interpretar as referidas fontes permitiu compreender o contexto de transição entre o império e a república e questionar ideias internalizadas que se apresentam como naturais em relação a cultura afro-brasileira na história do Brasil.

Biografia do Autor

Ana Cristina Peron, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduanda em História da Universidade Federal de Santa Catarina e integrante do Grupo de Pesquisa do Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental.

Valéria Machado, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduanda em História da Universidade Federal de Santa Catarina, pesquisa na área de estudos de gênero, trabalho doméstico e movimentos sociais do campo.

Claricia Otto, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em História, professora do Departamento de Metodologia de Ensino e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

ABUD, Katia Maria. Registro e representação do cotidiano: a música popular na aula de História. Cad. Cedes, Campinas, v. 25, n. 67, set./dez. 2005, p. 309-317.

ALBERTI, Verena. Proposta de material didático para a história das relações étnico-raciais. Revista História Hoje, v. 1, nº 1, p. 61-88, 2012.

AZEVEDO, Patrícia Bastos de. A produção de sentido na História ensinada e sua relação constitutiva com o tempo-espaço. In: MONTEIRO, Ana Maria et. al. (org). Pesquisa em ensino de História: entre desafios epistemológicos e apostas políticas. Rio de Janeiro: Mauad X; Faperj, 2014, p. 113-128.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987. (Obras escolhidas, v. 1).

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2008.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, 2002.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Presidência da República/Casa Civil/Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília-DF, outubro de 2004. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wpcontent/ uploads/2012/10/DCN-s-Educacao-das-Relacoes-Etnico-Raciais.pdf. Acesso em: 14. abr. 2020.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Presidência da República/Casa Civil/Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 9 de janeiro de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm Acesso em: 24 abr. 2020.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 março de 2008. Presidência da República/Casa Civil/Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 10 de março de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm Acesso em: 14. abr. 2020.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Memória, história, testemunho. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (org). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Unicamp, 2004, p. 83-92.

LOTIERZO, Tatiana; SCHWARCZ, Lilia. Raça, gênero e projeto branqueador: ‘a redenção de Cam’, de Modesto Brocos. Revista Artelogie, n. 5, 2013, p. 1-26.

PAIVA, Eduardo França. História & imagens. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

PESAVENTO, Sandra. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SANTOS, Jacqueline Maia dos; VIVACQUA, Isadora Bolina Monteiro. Lentes de resistência: olhares de intelectuais negros sobre iniciativas africanas nos séculos XIX e XX. Epígrafe, v. 3, n. 3, São Paulo, 2016, p. 115-136.

SCHWARCZ, Lilia. A redenção de Cam: Modesto Brocos. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=v3mtwEoBZJM. Acesso em: 13 set. 2018.

SOARES, Olavo Pereira. A música nas aulas de história: o debate teórico sobre as metodologias de ensino. Revista História Hoje, v. 6, n. 11, 2017, p. 78-99.

VIANA, Larissa. Democracia racial e cultura popular: debates em torno da pluralidade cultural. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel (org). Ensino de história: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003, p. 103-115.

Downloads

Publicado

2020-12-31