Gênero mulher negra: como (re)existir?

Autores

Palavras-chave:

gênero, mulher negra, feminismo negro, racismo, antirracismo

Resumo

O que é ser “mulher”? Como se reconhece (ou não) alguém que se identifica como mulher? Há diferenças entre mulheres? O significado da palavra mulher “do latim mulĭer, uma mulher é uma pessoa do sexo feminino. Trata-se de um termo que se utiliza em contraste a homem, conceito que nomeia o ser humano do sexo masculino”. A construção da mulher parece depender da existência do homem, a quem se opõe (e de quem, de acordo com a teologia judaico-cristã é trazida à existência). Mulher: “pessoa do sexo feminino que já tendo chegado à sua puberdade ou à idade adulta. Por conseguinte, a menina (ou rapariga) passa a ser mulher, de acordo com os padrões culturais, a partir da sua primeira menstruação”. Além do significado biológico, há também a construção do “ser mulher” em diferentes áreas do conhecimento e da cultura.

Biografia do Autor

Jorge Luís Rodrigues dos Santos, SEEDUC/RJ

Doutor em Memória Social (UNIRIO), Mestre em Educação (UNIRIO). Graduado em Letras. Professor da SEEDUC/RJ (Português e Literatura, habilitado em Sociologia e Filosofia). Atuação em docência na educação básica e superior (nas esferas pública e privada), como Professor Formador em Projetos da SEEDUC/RJ, CAPES/MEC e Tutor do Sistema UAB e Fundação CECIERJ.

Tatiana Costa de Souza Pereira, Secretaria Municipal de Educação de Macaé

Historiadora, graduanda em Letras e professora da Secretaria Municipal de Educação de Macaé.

Referências

ALMADA, Sandra. Estética: a revolução política dos negros. Revista Raça Brasil, edição 141, Fevereiro de 2010.

BATISTA, Robin. Estética negra empodera, sim. Porque não dá para enfrentar o racismo quando você ainda se odeia. Disponível em:

http://www.guerrilhagrr.com.br/estetica-negra-empodera-sim-porque-nao-da-para-enfrentar-o-racismo-quando-voce-ainda-se-odeia/ Acesso em 04/11/2019.

BORGES, Rosane. Mídia, racismos e representações do outro: ligeiras reflexões em torno da imagem da mulher negra. In, BORGES, Roberto Carlos da Silva; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis, RJ: DP ET Alii; Brasília, DF: ABPN, 2012.

BORGES, Roberto Carlos da Silva; BORGES, Rosane (Orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis, RJ DP ET Alii; Brasília, DF : ABPN, 2012.

CHIZIANE, Paulina. Eu, mulher... por uma nova visão de mundo. Belo Horizonte: Nandyala, 2018.

COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro antônio. Dicionário crítico de gênero. Dourados, MS: Ed. Universidade Federal da Grande Dourados, 2019.

CRISTALDO, Heloisa. Latinidades: valorização da estética negra feminina é resistência ao racismo. Disponível em:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-07/latinidades-valorizacao-da-estetica-negra-feminina-e-resistencia-ao-racismo. Acesso em: 02/10/2019.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Visibilidade e ocultação da diferença: imagens de negro na cultura brasileira. In, Brasil afro-brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2008

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

KELLNER, Douglas. A Cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, S.P.: EDUSC, 2001.

LORAS, Alexandra Baldeh. O mundo real, só que ao contrário. Nexo Jornal, 2016. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2016/O-mundo-real-s%C3%B3-que-ao-contr%C3%A1rio. Acesso em: 04/11/2019.

MENEGHEL, Stela Nazareth; FARINA, Olga; RAMAO, Silvia Regina. Histórias de resistência de mulheres negras. Rev. Estudos Feministas, Florianópolis , v. 13, n. 3, p. 567-583, Dec. 2005 Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000300006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 02/10/2019.

PEREIRA, Edimilson de Almeida; GOMES, Núbia Pereira de Magalhães. Ardis da imagem: exclusão étnica e violência nos discursos da cultura brasileira. Belo Horizonte: Mazza Edições, Editora PUCMinas, 2001.

RAMOS, Silvia. Mídia e Racismo. Rio de Janeiro: Pallas, 2002

RODRIGUES, Carla. Mulher, conceito plural. Site OUTRASPALAVRAS, 2016. Disponível em: https://outraspalavras.net/sem-categoria/mulher-conceito-plural/. Acesso em: 02/10/2019.

ROSA, Ana Beatriz. Por que o termo mulata ainda é usado em pleno 2019 para se referir a mulheres negras. Disponível em:

https://www.huffpostbrasil.com/entry/carnaval-racismo-mulata_br_5c7a9350e4b0e5e313cace5a?utm_hp_ref=br-mulher-negra. Acesso em: 02/10/2019.

SAMPAIO, Cristiane. Os meios tradicionais massacram a nossa identidade negra. Disponível em:

https://www.brasildefato.com.br/2016/07/27/os-meios-tradicionais-massacram-a-nossa-identidade-negra-diz-apresentadora/ Acesso em 27/07/2019.

SANTOS, Jorge Luís Rodrigues dos. A revista “Raça Brasil”: uma proposta de imprensa negra na mídia brasileira do século XXI? Tese de Doutorado em Memória Social. Programa de Pós-graduação em Memória Social da UNIRIO (PPGMS/UNIRIO: Rio de Janeiro, 2017.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, 1990.

SILVA, Joselina. O pensamento de/por mulheres negras. Belo Horizonte: Nandyala, 2018.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro; Editora Graal, 1983.

TAVARES, Júlio Cesar de Souza e FREITAS, Ricardo Oliveira de. Mídia e racismo: colonialidade e resquícios do colonialismo, In, Racismos: olhares plurais. Salvador: EdUFBA, 2010 .

TRUTH, Sojourner. Eu não sou uma mulher? E outros discursos. Belo Horizonte: Nandyala, 2019

VAN DIJK, Teun A. Racismo e discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008.

VIEIRA, Andréa Lopes da Costa; GOMES, Edlaine Campos. Novos contextos, antigas questões em memória. In, DODEBEI, Vera; FARIAS, Francisco R. de; GONDAR, Jô. Por que memória social? Rio de Janeiro: Híbrida, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-31