Feminismos negros e decolonialidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8468

Palavras-chave:

feminismo negro, educação, antirracismo, antissexismo, decolonialidade

Resumo

A partir da conjectura de que a história e atuação de escritoras feministas negras é uma maneira de tensionar as relações sociais para resolver problemas oriundos da colonização, este estudo parte do pressuposto de que a inserção, teorização dos papéis e contribuições dessas autoras na educação corrobora para desconstrução de narrativas éticas e estéticas pautadas no viés eurocêntrico. Objetiva-se destacar a potencialidade do pensamento feminista negro, utilizando a categoria da interseccionalidade, para incluir possibilidades pedagógicas de fomento ao debate de raça/etnia, classe e gênero, no âmbito educacional e combate ao racismo estrutural, sexismo e cultura patriarcal, advindos da colonialidade. Para tanto, parte-se de uma abordagem metodológica feminista, bibliográfica e qualitativa e se constitui em um diálogo ancorado em autoras estrangeiras e brasileiras, sobretudo negras e decoloniais no qual constata-se que o pensamento feminista negro pode colaborar para a construção de uma educação antirracista e antissexista para promover a decolonialidade do saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia de Faria Barbosa, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e Centro Universitário UniRuy

Doutora em Humanidades (UCSAL), pesquisadora do Grupo de Estudos Hermenêuticos em Famílias, Territórios, Identidades e Memória (GEHFTIM, CNPq-UESB), professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Centro Universitário UniRuy e professora colaboradora do Programa de pós-graduação stricto sensu em Relações Étnicas e Contemporaneidade (PPGREC – UESB). Autora do livro: As mulheres na política local: entre as esferas pública e privada. Lattes: http://lattes.cnpq.br/2168813017315763 E-mail: barbosa.claudiadefariabarbosa@gmail.com

Edmeire Oliveira Pires, Rede Municipal e Estadual de Ensino de Souto Soares- Bahia

Mestranda em Gerência e Administração de Políticas Culturais e Educacionais do Instituto de Educação Superior Kyre’y Sãso (IESKS), Pós-graduada em História e Cultura Afro-brasileira (Pró- Saber) e Professora da Rede Municipal e Estadual de Ensino de Souto Soares - Bahia. Lattes: http://lattes.cnpq.br/4839858362331728 E-mail: meireoliveira18@hotmail.com

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. https://www.youtube.com/watch?v=qDovHZVdyVQ&t=17s. Acessado em: 14/04/2021.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade: feminismos plurais. São Paulo. Pólen, 2019.

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda Negra, Medo Branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

BAHIA. Secretaria de Saúde. Programa de Combate ao Racismo Institucional, 2006, s/p.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BRASIL. Lei 12. 593. Plano Plurianual 2012-2015. Brasília, 2012. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/L12593.htm Acessado em 10/03/2021.

_____. Lei 11.645/08. História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Brasília, 2008. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm Acessado em: 10/03/2021.

_____. Proposta de Emenda Constitucional n. 32/2020. https://static.poder360.com.br/2020/09/PEC-32-2020.pdf. Acessado em: 14/04/2021.

_____. Medida Provisória 936/2020, Brasília, DF, 2020. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/mpv/mpv936.htm Acessado em: 10/04/2021.

_____. Emenda Constitucional 103/2019. Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc103.htm. Acessado em: 10/04/2021.

_____. Emenda Constitucional 95/2020.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm Acessado em: 20/12/2021

BENTO, Maria Aparecida Silva. Pactos Narcísicos no Racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. USP: São Paulo, 2002.

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Jandaíra, 2020.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero, 2011. https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/. Acessado em: 20/02/2021.

CARNEIRO, Sueli. Epistemicídio, 2013. https://www.geledes.org.br/epistemicidio/. Acessado em: 10/11/2020.

______; FISCHMANN, Roseli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese de Doutorado em Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento Feminista Negro: Conhecimento, Consciência e a Política do Empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

______. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, Volume 31. n. 1, p. 99-127. Janeiro/abril 2016.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, ano 10, 174 1º semestre 2002, p. 171-188 https://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf Acessado em: 20/02/2021.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. Olhos D’água. Rio de Janeiro: Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, 2016.

_____, Conceição. Tempo de nos Aquilombar. Rio de Janeiro: O Globo, 2019.

FANON, Franz. Pele Negra, Máscaras Brancas. São Paulo: Ubu, 2020.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. 1975.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. São Paulo: Global Editora, 2006.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223 – 244, 1984. http://www.unirio.br/cchs/ess/Members/renata.gomes/ensinoemergencial/2020.1/outrasindicacoes/Racismo%20e%20sexismo%20na%20cultura%20brasileira.pdf/view. Acessado em: 14/04/2021.

______.A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, n. 92/93 (jan./jun.). 1988, p. 69 - 82. https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-categoria-polc3adtico-cultural-de-amefricanidade-lelia-gonzales1.pdf. Acessado em: 14/04/2021.

______. Por um feminismo afro-latino-americano. In: Caderno de formação política do Círculo Palmarino n. 1 Batalha de Ideias, 2011. https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/1/Por%20um%20feminismo%20Afro-latino-americano.pdf. Acessado em: 06/06/2020.

______. Documentário. In: As Divas Negras do Cinema Brasileiro. Direção: Vik Birkbeck. Rio de Janeiro: Enugbarijô Comunicações, 1989. https://www.youtube.com/watch?v=vJPCUf4yLKw/ . Acessado em: 14/03/2021.

HARAWAY, Donna. Simians, cyborgs, and women. The reinvention of nature. Routledge, New York, 1991.

HOOKS, Bell. Ensinando a Transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

______. Mulheres negras moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 16, p. 193 - 210, abr. 2015. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522015000200193&lng=pt&nrm=iso. Acessado em: 14/04/2021.

______.apud COLLINS, Patrícia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, Volume 31. n. 1, p. 99 -127. Janeiro/abril 2016.

______. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo Brasileiro de 2016. Rio de Janeiro, 2018. https://www.ibge.gov.br/np_download/novoportal/documentos_institucionais/Plano_de_Dados_Abertos_IBGE_2016_2017_20160831.pdf Acessado em: 15/02/2021.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos. Cebrap, 86: 93-103, São Paulo, 2010. p. 100. https://www.scielo.br/j/nec/a/hVNnxSrszcVLQGfHFsF85kk/?lang=pt&format=pdf . Acessado em: 31/05/2021.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: Episódios de Racismo no Cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LACAN, Jaques. O Seminário: de um Outro a outro, livro 16. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 935-952, setembro-dezembro/2014, p. 940-941.

MATTOS, Wilson Roberto de. Valores civilizatórios afro-brasileiros na elaboração dos currículos escolares, ensaiando pressupostos. In: RAMOS, Marise Nogueira; ADÃO, Jorge Manoel; BARROS, Graciete Maria Nascimento (Coord.) Diversidade na educação: reflexões e experiências. Brasília: Secretaria de Educação e Média e Tecnológica, p. 30, 2003.

MIGNOLO, Walter D. O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais - vol. 32 N° 94, julho, 2017.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Instituto Kuanza, 2007.

Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (PENSSAN). Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil. 2021. http://olheparaafome.com.br/VIGISAN_Inseguranca_alimentar.pdf. Acessado em: 15/04/2021.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

______. O que é lugar de fala? São Paulo. Letramento, 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Construindo as Epistemologias do Sul: Antologia Esencial. Volume I: Para um pensamento alternativo de alternativas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2018.

SANTOS, Richard. Maioria Minorizada: um dispositivo analítico de racialidade. Rio de Janeiro: Editora Telha, 2021.

SOJUNER TRUTH, apud DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

TORRES, Nelson Maldonado. La descolonización y el giro des-colonial. In: Tabula Rasa. Bogotá Colombia, n. 9: 61-72, julio-diciembre, 2008. https://enriquedussel.com/txt/Textos_200_Obras/Filosofos_latinos_EU/Descolonizacion_giro-Nelson_Maldonado.pdf. Acessado em: 07/12/2020.

VERGÈS. Françoise. Um feminismo decolonial. Ubu Editora, 2020.

WERNECK, Jurema. Racismo Institucional e Saúde da População Negra. Revista Saúde e Sociedade. São Paulo, vol. 25, n.3. p. 543, 2016.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Barbosa, C. de F., & Pires, E. O. . (2021). Feminismos negros e decolonialidade. ODEERE, 6(01), 257-286. https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8468