Que corpo é esse? Literatura negra surda, interseccionalidades e violências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8533

Palavras-chave:

Literatura Negra Surda, interseccionalidade, Violência, Mulher Negra Surda

Resumo

Os últimos anos foram marcados pelo crescimento notável da produção artística/poética em língua de sinais, com a presença cada vez mais efetiva de poetas slamers na cena nacional. O efeito mais direto disso é a vitrinização das interseccionalidade que atravessam as múltiplas identidades surdas, expostas tanto nas performances síncronas das apresentações nos slams, de forma presencial ou virtual, quanto na poesia.doc. A poesia Boneca Invisível utiliza elementos cinematográficos para potencializar sua narrativa e discutir os efeitos mais diretos da violência sofrida por ela (e por muitas outras mulheres surdas, confiscando a atenção do espectador, para reflexão: até quando a cultura do silenciamento imposta às mulheres surdas servirá de “banquete” para que os mais diversos tipos de violência sejam “degustados” sem o menor constrangimento? Este artigo baseia-se na análise da narrativa vídica exposta no poema, visando tencionar algumas dimensões importantes para pensarmos no lugar interseccional, encruzilha(dor), vivido por tantas mulheres, negras, surdas. Fazemos observações de cunho teórico-epistêmico, do feminismo negro em direção ao feminismo negro surdo, e também de interesse prático, que ocupa-se dos meios de produções que são acessados para a composição da poesia surda, suscitando um alargamento conceitual para abarcar  textualidades corporais como produções literárias legítimas, além do reconhecimento técnico das ferramentas acionadas e dominadas pela poeta para sua produção textual literária de denúncia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ires dos Anjos Brito, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda em Literatura e Cultura pelo PPGLITCULT/UFBA, sob orientação da Profª Drª Florentina da Silva Souza; Mestra em Estudos Étnicos e Africanos pelo Pós-Afro/UFBA; Espec. em Formação de professores em Libras UNEAD/UNEB e graduada em Letras também pela Universidade Federal da Bahia, coordenadora do curso de Extensão Em Pretas Mãos/UFBA. E-mail: iresletras@gmail.com

Jonatas Rodrigues Medeiros, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestrando em Estudos da Tradução/UFSC orientado pela profªDrª Silvana Aguiar dos Santos; licenciado em Letras Libras/UFPR; tradutor intérprete de Libras.

Nanci Araújo Bento, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Língua e Cultura/UFBA; Mestra em Linguística/UFBA; Graduada em Letras Vernáculas com Língua Estrangeira/Ucsal, professora bilíngue (Libras/Português) da rede pública do estado da Bahia, professora de Libras da Universidade Federal da Bahia, coordenadora do projeto Entre Vistas e coordenadora do curso de extensão Em Pretas Mãos/UFBA. E-mail: nablibras@gmail.com

Nayara Rodrigues

Arte-educadora, poeta surda e consultora de tradução de Libras. Participa do Slam do Corpo e de outros saraus e batalhas de poesia como slammer e poeta. É também MC, mãe, performer, co-fundadora do grupo RamariaS e contadora de histórias no gRUPO êBA!

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Rio de Janeiro: Editora Pólen, 2019.

Arulogun, O. S., Titiloye, M. A., Oyewole, E. O., Nwaorgu, O. G., & Afolabi. Experience of violence among deaf girls in Ibadan metropolis, Nigeria. International Journal of Collaborative Research on Internal Medicine & Public Health, v. 4, n. 8, p. 0-0, 2012.

BUZAR, Francisco José Roma. Interseccionalidade entre raça e surdez: a situação de surdos (as) negros (as) em São Luís - MA. 2012. 155 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012. Disponível em: [LINK], Acesso: 09/06/2019.

BRITO, Ires dos Anjos. Título “Literatura Negra Surda” In: MEIRA, Wermerson, TERMINOLOGIAS NEGRO-AFRICANAS E A LITERATURA NEGRA SURDA. Plataforma Youtube. 27 de julho de 2020. Disponível em [LINK].

CAMPELLO, Ana Regina; REZENDE, Patrícia Luiza Ferreira. Em defesa da escola bilíngue para surdos: a história de lutas do movimento surdo brasileiro. Educar em Revista, n. SPE-2, p. 71-92, 2014.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Geledés Instituto da Mulher Negra. 2011. Disponível em: [LINK], Acesso: 16/06/2019)

CHAPPLE, Reshawna L. Toward a theory of black deaf feminism: the quiet invisibility of a population. Affilia, v. 34, n. 2, p. 186-198, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Tradução de Liane Schneider. Revisão de Luiza Bairros e Claudia de Lima Costa. University of California – Los Angeles. Estudos Feministas, ano 10, 1º semestre 2002. Disponível em: [LINK] Acesso 16/06/2019

COLLINS, Patricia, Hill. Epistemologia feminista negra. In: Bernardino-Costa, Maldonado-Torres, Grosfoguel. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. - 1 ed. - Belo Horizonte: Autentica Editora, p.139 - 170, 2018

COLLINS, Patricia Hill BILGE, Sirma. Interseccionalidade; trad. Rane Souza. - 1. ed. - São Paulo : Boitempo, 2021

FERREIRA. Priscilla Leonnor Alencar. O ensino de relações étnico-raciais nos percursos de escolarização de negros surdos na educação básica. 2018. 121f. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Programa de Pós Graduação em Ensino – PPGEn, Vitória da Conquista, Bahia. Disponível em: [LINK] Acesso: 16/06/2019)

GUIMARÃES, Valéria Maria Azevedo; SILVA, Joilson Pereira da. Sexualidade e Surdez: uma Revisão Sistemática. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 40, 2020.

KLEIN, Madalena; FORMOZO, Daniele de Paula. GÊNERO E SURDEZ. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 15, n. 1, p. 100-112, mar. 2008. ISSN 1982-9949. Disponível em: [LINK] Acesso em: 16 mar. 2021. doi:https://doi.org/10.17058/rea.v15i1.225.

Kvam, Marit. Experiences of Childhood Sexual Abuse among Visually Impaired Adults in Norway: Prevalence and Characteristics. Journal of Visual Impairment and Blindness. 99. 10.1177/0145482X0509900102. 2004

LAMBERG, Doriana Tetu; OLIVEIRA, G. T. Mulheres surdas e a violência de gênero. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO–Women’s Worlds Congress. 2017. em: [LINK] Acesso em:14/03/2021

LODRE. Audre. Textos escolhidos. Disponível em: [LINK]Acesso: 13/06/2019

PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto. Tramas e dramas de gênero e de cor: a violência doméstica e familiar contra mulheres negras. Dissertação do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília/UnB 2013. Disponível em: [LINK]. Acessado em 26/04/2021

PERLIN, Gládis e VILHALVA, Schirley. Mulher surda: elementos ao empoderamento na política afirmativa. INES | Revista Forum | Rio de Janeiro | n. 33 | jan-jun 2016. Disponível: em: [LINK] Acesso em: 27/06/2019

SANTOS, Rhaul Lemos de; GRIGOLOM, Gabriela; MEDEIROS, Jonatas Rodrigues. Slam resistência surda: Curitiba: movimento e poesia. Revista Espaço, n. 54, p. 31-53, nov. 2020. Disponível em: [LINK] Acesso em: 20. dez. 2020.

SANTOS, Rhaul Lemos de. Negros/as surdos/as no Ensino Superior: mapeando cursos de graduação de Letras Libras. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade federal do Paraná, Curitiba, 2019.

SANTOS, Silvana Aguiar do; Stumpf, Marianne Rossi. Cartilha sobre violência doméstica – perguntas e respostas: experiências de tradução do Português para a Libras. Revista Espaço, v. 51, p. 39-58, 2019.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Brito, I. dos A., Medeiros, J. R., Bento, N. A., & Rodrigues , N. (2021). Que corpo é esse? Literatura negra surda, interseccionalidades e violências. ODEERE, 6(01), 209-232. https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8533