Madalena e Mirtes: “Por que as mulheres negras são as últimas da fila depois de ninguém?”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8546

Palavras-chave:

Memória coletiva, Interseccionalidade, Escravidão, Mulheres negras

Resumo

Este artigo suscita uma reflexão sobre a condição que muitas mulheres negras ainda vivem na sociedade brasileira. Nesta breve análise examinamos as memórias coletivas dos grupos dominantes e dominados desde o contexto da escravidão brasileira até a sociedade atual tomando como base a teoria da memória de Maurice Halbwachs e Michael Pollak, recorremos também aos estudos de algumas feministas negras, a exemplo de Grada Kilomba, Bell Hooks, Sueli Carneiro e Chimamanda Adichie e também da feminista Heleieth Saffioti, que abordam o viés da interseccionalidade e escancara as desigualdades, opressões e violências enfrentadas pelas mulheres negras. Assim, a partir de uma análise qualitativa, podemos afirmar que: i) a memória coletiva de grupos da elite branca é memória oficial e reflete o modelo de relações raciais do Brasil; ii) a memória e o esquecimento marcam a trajetória do povo negro; iii) o projeto colonial se apresenta com novas roupagens do racismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília do Amparo Alves Gomes, Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UESB)

Assistente Social, Doutoranda em Memória, Linguagem e Sociedade (UESB); Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Membro do Observatório de Mulheres negras OJU OBINRIN; Membro do Grupo de Pesquisa em Ludicidade, Didática e Práticas de Ensino (LUDIPE) e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas para a Educação Superior (GEPPES) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Possui experiência como Analista Universitária na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB compondo a Equipe Multidisciplinar do Programa de Assistência Estudantil.

Tânia Rocha de Andrade Cunha, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) São Paulo. Docente do Programa de Pós-Graduação em Memória Linguagem e Sociedade da UESB. Mestra em Ciências Sociais pela PUC São Paulo.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ANDRETA, Bárbara Loureiro; ALÓS, Anselmo Peres. A voz e a memória dos escravos: Úrsula, de Maria Firmina dos Reis. identidade! v. 18, n. 2, p. 194-200, 2014.

ARAÚJO, Ana Lucia. Caminhos atlânticos memória, patrimônio e representações da escravidão na Rota dos Escravos. Varia História, v. 25, n. 41, p. 129-148, 2009.

BRASIL, Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acessado em: 20/04/2021.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. Selo Negro. São Paulo. 2011.

CRENSHAW, Kimberlé. Background paper for the expert meeting on the gender- related aspects of race discrimination. Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171, 2002.

DAMACENO, Liliane Dias; CHAGAS, Sylvia Oliveira; CONTÁBEIS, Ciências. Evolução do direito trabalhista do empregado doméstico de 1916 a 2013-PEC das domésticas. Cadernos de Graduação-Ciências Humanas e Sociais| Aracaju| v, v. 1, n. 17, p. 63-76, 2013.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016

DE PAULA PEREIRA, Bergman. De escravas a empregadas domésticas-A dimensão social e o" lugar" das mulheres negras no pós-abolição. Anais do Encontro da ANPUH, 2011.

FOUCAULT, Michel. Genealogia do Poder in: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979a e 1981.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Centauro, 2013.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Estudos e Pesquisas-Informação Demográfica e Socioeconômica, v. 41, 2019. Disponível em:. Acessado em: 03/03/2021.

IPEA. Atlas da Violência 2020. Brasília / Rio de Janeiro / São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em:https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020. Acessado em: 30/02/2021.

JOHN, Júlia Castro. MULHERES NEGRAS, A INTERSECCIONALIDADE DAS OPRESSÕES, O TRABALHO DOMÉSTICO E A LUTA POR DIREITOS. ENCRESPANDO Seminário Internacional, v. 1, n. 1, 2015.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess oliveira. 1. Ed. Rio de janeiro: cobogó, 2019.1

MADALENA Gordiano conta detalhes dos 38 anos de escravidão que viveu em MG. UOL ENTREVISTA. https://www.youtube.com/watch?v=ue1qeBUq4gc>. Acessado em: 10/04/2021.

MULHER é libertada em MG após 38 anos vivendo em condições análogas à escravidão. G1 notícias. 20 de dez. 2020. Disponível em: <é libertada em MG após 38 anos vivendo em condições análogas à escravidão | Fantástico | G1 (globo.com)>. Acessado em: 03/03/2021.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista estudos históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

REZENDE, LÍVIA LIMA. FORÇA AFRICANA, FORÇA DIVINA: a memória da escravidão recriada na figura umbandista dos pretos-velhos. São João del-Rei: UFSJ, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015.

TRUTH, Sojouner. E não sou eu uma mulher? Convenção pelos Direitos das Mulheres. Portal

GELEDÉS. 08 de jan. 2014.Disponível em:. Acessado em: 20/02/2021.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Gomes, M. do A. A., & Cunha, T. R. de A. (2021). Madalena e Mirtes: “Por que as mulheres negras são as últimas da fila depois de ninguém?” . ODEERE, 6(01), 84-108. https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8546