Etnicidade em movimento: Poesia Afro-Alemã como resistência cultural e política no século XX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8606

Palavras-chave:

Diáspora negra, Afro-alemães, história, Colonialidade, conflitos étnicos

Resumo

Afro-alemães são pessoas negras que tem um dos progenitores alemão (branco) e o outro negro de qualquer parte do mundo. Historicamente os que se identificam como afro alemães são desconectados da cultura alemã, há uma forte crença no país onde uma escolha silenciosa é feita: Ou você é alemão, ou negro. Uma vez negro, você não é alemão. A partir de duas poesias da poeta afro-alemã May Ayim, apresento uma reflexão sob a perspectiva histórica sobre motivos que levam à elaboração e reelaboração de identidades e afirmação dos afro-alemães num contexto local e global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Dias dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda pelo programa de pós-graduação em história da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), vinculada ao Laboratório de Estudos de Gênero e História do LEGH/UFSC. Pesquisadora associada ao Instituto de Estudos de Gênero/IEG. Membra do grupo de pesquisa Oju Obinrin: Observatório de Mulheres Negras.E-mail: diasdealine1@gmail.com; bolsista por ações afirmativas CAPES.

Referências

AHMED, Sara. The Organisation of Hate. In: AHMED, Sara. The Cultural Politics of Emotion. 1. ed. 2004. Cap. 2.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das letras, 2017 - Capítulo 7. Patriotismo e Racismo p.199-215

BARTH, F. 1998 Ethnic Groups and Boundaries. Tradução e impressão: Poutignat & Philippe. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Frederik Barth. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1998. Parte II: Grupos étnicos e suas fronteiras, de Frederik Barth, p.185-228.

BHABHA, Homi Komi. O local da cultura. Trad. Miriam Ávila et al. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008. P.19.

COSTA, Sérgio – Regimes de Coexistência Interétnica no Brasil e na Alemanha: Contribuições a um debate inexistente. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Número temático: Imigração, Diversidade e Convivência Cultural, 2012, pág. 235-259

CUNHA, Manuela Carneiro da. Etnicidade: da Cultura residual, mas irredutível. In: Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1987. Disponível em: https://leiaarqueologia.files.wordpress.com/2018/02/10_etnicidade_da_cultura_residual_mas_irredut_vel.pdf . Acesso em 05/04/2021.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu Silva: DP&A Editora. 7ª edição – São Paulo. 2005.

___________Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. SILVA, Tomaz T. (org.), HALL, StuartHALL,. DP&A Editora. 7ª edição – São Paulo. 2005.

HOVE, Johnny Van. NSU-TERROR “Ein Tiefpunkt in der rassistischen Dauerkrise“. MiGAZIN, 21/12/2011. - Disponível em https://www.migazin.de/2011/12/22/ein-tiefpunkt-in-der-rassistischen-dauerkrise/ Acesso em 30 de Abril de 2021.

KAMTA, F. S. Ideologie und Identifikation in der af rodeutschen Literatur. In:HOFMANN, M.; MORRIEN, R. (Org.).Deutsch-afrikanische Diskurse in Geschichte und Gegenwart: Literatur- und kulturwissenschaftlichen Perspektiven.Amsterdam: Rodopi, p.151-169, 2012.

KILOMBA, G. Wo kommst du her? 2006. Disponível em: https://heimatkunde.boell.de/2006/05/01/wo-kommst-du-her Acesso em: 27 mar. 2020.

KOEPSELL, Philipp Khabo. Pátria, Identidade e Racismo. Goethe-Institut e. V., Online-Redaktio Dezembro de 2019. Disponível em: https://www.goethe.de/ins/br/pt/kul/fok/zgh/21754686.html . Acesso em 30 de Abril de 2021.

OGUNTOYE, K.; OPITZ, M.; SCHULTZ, D. (Org.).Farbe Bekennen: Afro-deutsche Frauen auf den Spuren ihrer Geschichte. 3. Ed. Berlin: Orlanda Frauenverlag, 2006.

OLIVEIRA DE JESUS, J. May Ayim e a tradução de poesia afro-diaspórica de língua alemã. 165 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução), Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina,Florianópolis,2018.

PELZ, Daniel. Protesto de afro-alemães por igualdade completa 100 anos. DW, 26/07/2019. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/protesto-de-afro-alem%C3%A3es-por-igualdade-completa-100-anos/a-49763145. Acesso em 30 de Abril de 2021.

PIESCHE, P. (Org.). Euer Schweigen schützt euch nicht: Audre Lorde und die schwarze Frauenbewegung in Deutschland. Berlin: Orlanda Frauenverlag, 2012.

PILZ, Cristina. "Poetic Visibility: East German Poetry and Blackness in Farbe Bekennen (1986)." Third Generation Ost-USA, 26 August 2019. Disponível em: http://thirdgenerationost.com/poetic-visibility-east-german-poetry-and-blackness-in-farbe-bekennen-1986/. Acesso em 30 de Abril de 2021.

RON, S. Afrikanische Diaspora und Literatur Schwarzer Frauen in Deutschlan, 2009. Disponível em: https://heimatkunde.boell.de/2009/02/18/afrikanische-d

iaspora-und-literatur-scwarzer-frauen-deutschland. Acesso em 30 de Abril de 2021.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império Cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019. Capítulo 6: Descolonização Cognitiva: uma introdução, p.161-210.

___________Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

SCHILLER, Nina Glick. Laços de sangue: os fundamentos raciais do estado-nação transnacional. In: Identidades: estudos de cultura e poder. São Paulo: Editora Hucitec, 2000.

WOODWARD, K. 2000 Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. Em Silva, Tomaz Tadeu da Silva; Stuart Hall & Kathryn Woodward. Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos culturais. In Tomaz Tadeu da Silva (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, cap.1, p.7-72.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

dos Santos, A. D. (2021). Etnicidade em movimento: Poesia Afro-Alemã como resistência cultural e política no século XX. ODEERE, 6(01), 370-385. https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8606