Liberdade é Trabalho e Cansaço: contribuições para o debate sobre interseccionalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8620

Palavras-chave:

interseccionalidade, racismo, liberdade, mulheres negras, condições de vida

Resumo

O presente artigo busca articular reflexões a partir da teoria da interseccionalidade. Nesse campo, a questão da liberdade é um ponto importante e é antípoda do racismo. A forma pela qual as mulheres negras afirmam a liberdade, individual ou coletivamente, produz resultados políticos e sociais. Neste artigo buscamos analisar a percepção da liberdade no cotidiano. Foram entrevistadas mulheres negras de diferentes níveis de escolaridade, em idade reprodutiva, residentes do sudoeste baiano. A liberdade se apresenta como uma possibilidade que advém de conquistas econômicas e sociais. É, nesse sentido, resultante de lutas coletivas e sociais. O racismo é, então, uma barreira importante a ser considerada a partir da teoria da interseccionalidade. A estruturação de sentidos e significados construídos nas narrativas do cotidiano pode auxiliar na compreensão das condições sociais e de vida das mulheres negras e orientar hipóteses de pesquisa e de ação política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Souzas, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1993), graduação em Licenciatura em Ciências Sociais pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (1997), especialização, mestrado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2000) e doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2004). Professora-Orientadora no Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade do ODEERE/UESB - Jequié-BA. Professora Orientadora no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/CAT-UFBA CAMPUS VITORIA DA CONQUISTA-BAHIA. Professora Orientadora no Mestrado Profissionalizante em Saúde da População Negra (UFRB). E-mail: raquelsouzas87@gmail.com

Olivia Ferraz Pereira Marinho, Instituto Federal da Bahia

Enfermeira, mestre em Saúde Coletiva (IMS/CAT - UFBA). E-mail: oliviafpm@gmail.com

Carliene Sousa de Jesus, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Enfermeira, Mestranda em Saúde da População Negra e Indigena pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). E-mail: carlienesousa@ufrb.edu.br

Amalia Nascimento do Sacramento Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Enfermagem. E-mail: amaliasacramento@hotmail.com

Referências

ARAÚJO, Edna Maria; CALDWELL, Kia Lilly; SANTOS, Márcia Pereira Alves dos; SOUZA, Ionara Magalhães de; SANTA ROSA, Patrícia Lima Ferreira; SANTOS, Andreia Beatriz Silva dos; BATISTA, Luís Eduardo. Covid-19 - Morbimortalidade pela COVID-19 segundo raça/cor/etnia: a experiência do Brasil e dos Estados Unidos. REVISTA SAÚDE EM DEBATE, preprint,2021

BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020: 52-83

BUENO, Winnie. (2020). O conceito de imagens de controle em Black feminist thought:knowledge,consciousness and politics of empowerment. Em W. Bueno, IMAGENS DE CONTROLE: um conceito do pensamento de Patricia Hills Collins (pp. 77-116). Porto Alegre: Editora ZOUK.

CARNEIRO, Sueli. Tempo Feminino. In: Carneiro, S. Escritos de uma Vida. São Paulo: Pólen Livros, 2019. p. 108-117.,

COLLINS, Patricia Hills. Cap 6 Intersectionality and the question of freedom Interseccionality: as critical social theory. Durham and London, 2019:189-221

COLLINS, Patricia Hills. Pensamento feminista Negro. São Paulo: Boitempo, 2019

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. 1° edição. São Paulo: Boitempo; 2016

DAVIS, Ângela. Ângela Davis: a liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo, 2018

GÓIS, J.B.H. Quando raça conta: um estudo de diferenças entre mulheres brancas e negras no acesso e permanência no ensino superior. Estudos Feministas, Florianópolis, v.16, n. 3 p. 424, setembro-dezembro/2008.

GOES, Emanuelle Freitas; RAMOS, Dandara de Oliveira; FERREIRA, Andrea Jacqueline Fortes. Desigualdades raciais em saúde e a pandemia da Covid-19. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, e00278110, 2020.

KILOMBA, Grada. Memorias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogo,2019

LEVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. São Paulo: Editora Vozes, 2010

LUGONES, Maria. Colonialidade e gênero. HOLLANDA, H.B(org). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020: 52-83

IPEA. Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça – 1995 a 2015. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=29523&catid=30&Itemid=9

MBEMBE, Achille. Critica da razão negra. Lisboa:Antigona,2014

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

RIOS, Flavia & LIMA, Marcia. Por um feminismo afrolatinoamericano: LELIA GONZALEZ. Rio de Janeiro: ZAHAR,2020

SAMPIERI, R.H; COLLADO, C.F; LUCIO, M.P.B. Seleção de Amostra. In:___________. Metodologia de pesquisa. 5° edição. Porto Alegre: Penso, 2013. Cap.8. p. 189-212.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Souzas, R., Marinho, O. F. P., de Jesus, C. S., & Santos, A. N. do S. (2021). Liberdade é Trabalho e Cansaço: contribuições para o debate sobre interseccionalidade. ODEERE, 6(01), 67-83. https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8620