A curricularização da extensão universitária no contexto da função social da universidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v19i50.11534

Palavras-chave:

curricularização, ensino superior, extensão universitária

Resumo

O presente artigo se propõe à discussão sobre o papel da Curricularização da extensão universitária enquanto processo voltado à busca de transformação das formas de compreender e projetar ações no âmbito do fazer acadêmico-científico, incrementando a reflexão sobre a construção e socialização do conhecimento científico e tecnológico, tendo em vista suas implicações no contexto das relações sociais. Para delineamento metodológico do estudo recorre-se a amplo levantamento bibliográfico e à análise documental sobre a temática, discutindo o conceito de curricularização e suas implicações para a consolidação da universidade para além de sua visão operacional. Isso exige o reconhecimento efetivo do princípio constitucional de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão universitária, atividades mediadas pela gestão e, principalmente, para a transformação de paradigmas curriculares ainda fortemente marcados pela perspectiva de instrumentalização para o mercado de trabalho, não se desconsiderando o apelo social e político dessa tendência. Os resultados transitam pela compreensão de que uma instituição social como a universidade, além da construção e socialização de conhecimentos, interfere no sistema de relações sociais, contribuindo para a transformação das formas de ver, compreender e produzir visões de mundo, projetando novas formas de atuação política. No bojo desse constructo de natureza sociocultural, a universidade precisa desenvolver práticas voltadas ao reconhecimento público de sua legitimidade e atribuições, elementos de justificativa do processo de curricularização da extensão universitária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Carlos Miguel, Universidade Estadual Paulista - Brasil

Livre-Docente em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista, UNESP, Câmpus de Marília. Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista, UNESP, Câmpus de Marília. Professor Associado III vinculado ao Departamento de Didática e ao Programa de Pós-Graduação em Educação, UNESP, Câmpus de Marília. Líder do Grupo de Pesquisa Sobre Formação do Educador – GP FORME.

Referências

BRASIL. República Federativa. Lei 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, Gabinete da Presidência da República, 2014. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei-13005-25-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html. Acesso em: 27 out. 2022.

BRASIL. República Federativa. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior e regimenta o disposto na meta 12.7 da Lei 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de dezembro de 2018, Seção 1, p. 49 - 50.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986, 198 p.

DAVIDOV, Vasily Vasilievich. Conteúdo e estrutura da atividade de estudo. In: Teoria da Atividade de Estudo: contribuições de D. B. Elkonin, Vasily V. Davidov e V. V. Repkin – Livro I. 1. ed. Curitiba: CRV, Uberlândia: EDUFU, 2019, 438 p.

FORPROEX - Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus (AM): FORPROEX, 2012. Disponível em: https://portal.ifba.edu.br/feira-de-santana/pesquisa-extensao-e-estagio/coordenacao/politica-nacional-de-extensao-universitaria-forproex.pdf. Acesso em: 22 out. 2022.

GARCIA, Adir Valdemar; HILLESHEIM, Jaime. Pobreza e desigualdades educacionais: uma análise com base nos Planos Nacionais de Educação e nos Planos Plurianuais Federais. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 2, p. 131-147, set. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/s4Z4xXszc389JhTJKvr7kXv/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 24 out. 2022.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e educação. 8. Ed. São Paulo, Cortez, 2012, 128 p.

LIBÂNEO. José Carlos. A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a teoria histórico-cultural da atividade e a contribuição de Vasili Davydov. Artigos. Rev. Bras. Educ. (27). Dez 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/ZMN47bVm3XNDsJKyJvVqttx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 18 out. 2022.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; TADEU, Tomaz. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; TADEU, Tomaz. Currículo, Cultura e Sociedade. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2013, p. 13-47.

OLIVEIRA, Natália Fraga Carvalhais; MELO, Savana Diniz Gomes. A relação entre a universidade e as políticas de ampliação da jornada escolar. Educação em Revista, v.34, e181620, p. 1-29, Belo Horizonte (MG), 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/BfMpxjppZgBXz4Hj39nFtDH/?format=pdf. Acesso em: 14 set. 2022.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/91863-agenda-2030-para-o-desenvolvimento-sustentavel. Acesso em: 25 out. 2022.

PICHETH, Sara Fernandes; CASSANDRE, Marcio Pascoal; THIOLLENT, Michel Jean Marie. Analisando a pesquisa-ação à luz dos princípios intervencionistas: um olhar comparativo. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. esp. (supl.), p. 1-12, dez. 2016. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/faced/article/view/24263/15415. Acesso em: 12 set. 2022.

PORTO GONÇALVES, Carlos Walter. Para além da crise de paradigmas: a ciência e seu contexto. Universidade e Sociedade, Ano XXI, vol. 21, n. 49, p. 10-23, Brasília, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa O Fim do Império Cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019, 478p.

SOUSA, Ana Luisa Lima. A História da Extensão Universitária. 1. ed. Campinas-SP: Editora Alínea, 2000, 138 p.

THIOLLENT, Michel Jean Marie. Construção do conhecimento e metodologia da extensão. Cronos, Natal-RN, v. 3, n. 2, jul./dez. 2002. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/15654/10730. Acesso em: 11 set. 2022.

Downloads

Publicado

2023-01-31

Como Citar

MIGUEL, J. C. A curricularização da extensão universitária no contexto da função social da universidade . Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 19, n. 50, p. e11534, 2023. DOI: 10.22481/praxisedu.v19i50.11534. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/11534. Acesso em: 17 jul. 2024.