Decolonizar o povo para descolonizar os sistemas de educação: entre as fissuras e semeaduras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v19i50.12042

Palavras-chave:

epistemologias, decolonialidade, descolonialidade, educação

Resumo

Este ensaio tem como objetivo refletir sobre as proposições epistemológicas acerca dos sistemas-mundo polarizados e simplistas, da racionalidade cientifica moderna ocidental, do pensamento ideológico eurocentrado e do modelo colonizador e capitalista que escraviza corpos, mentes, trajetórias e existências dos povos originários da Abya Yala, como os latinos americanos e os africanos. Por outro lado, este escrito tece contextos históricos de rupturas e desconstruções, que compõem as complexas realidades emergentes da América Latina, insurgentes de antíteses analíticas e constitutivas de outros olhares que apontam, teoricamente, à constituição de outras epistemologias do sul, subvertendo o olhar eurocêntrico e provocando fissuras no status quo da cientificidade hegemônica. Nesse interim, indagamos: a partir dessa perspectiva de ruptura epistêmica é possível decolonizar os sujeitos sociais como uma forma de descolonizar os sistemas econômicos e educacionais? Como efetivar epistemologias decoloniais em práticas descolonias? Este ensaio brinda o leitor com obras e conceitos estruturantes sobre colonialidade e colonização e traz potenciais reflexões sobre os sistemas educacionais em uma perspectiva decolonial, a partir da liberdade, da esperança, da re-existência e por um outro mundo possível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Angelo Dantas de Oliveira, Secretaria de Educação do Estado da Bahia – Brasil

Doutorando em Educação e Contemporaneidade (PPGEDUC). Docente da Rede Estadual de Ensino da Bahia com atuação no Ensino Médio para Formação Profissional. Membro do Grupo de Pesquisa (Auto)Biografia, Formação e História Oral (GRAFHO)/UNEB. Contribuição de Autoria: Escrita e Revisão.

Antônio Dias Nascimento, Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Doutor em Sociologia - Educação Popular - The University of Liverpool/Inglaterra. Pós-doutor em Educação Musical pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009). Docente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Contribuição de Autoria: Escrita.

Tânia Maria Hetkowski, Universidade do Estado da Bahia – Brasil

Doutora em Educação.  Pós-Doutora em Educação e Informática (UChile). Pós-Doutora em Informática na Educação (UFRGS). Docente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Pró-Reitora de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG/UNEB). Líder do Grupo de Pesquisa GEOTEC. Contribuição de Autoria: Escrita e Revisão.

Referências

DUSSEL. Enrique. Política de la Liberación: Volumen III. Crítica Creadora. 1ª ed. Madrid: Trotta, S.A, 2022.

FLECHA, Ramón; TORTAJADA, Iolanda. Desafios e saídas educativas na entrada do século. In: IMBERNÓN, Francisco; ROSA, Ernani (org.). A educação no século XXI: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 21 - 36.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

MARCON, Telmo. Epistemologia e política educacional: contribuições de Santos e Wallenstein. Revista de Estudios Teoricos y Epistemologias em Política Educativa, vol.1, n.1, enero-junio, 2015.

NASCIMENTO, Antônio Dias. O difícil caminho da ética na contemporaneidade: Uma leitura de Zygmunt Bauman. In: PALMEIRA, Maria José de Oliveira; ROSEIRA, Nilson Antônio. (org). Educação e Democracia: Fundamentos teóricos para uma abordagem de valores. Salvador: EDUNEB, 2008. p. 19 - 40.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina S.A., 2009, p.23-72.

RIGAL, Luis. A escola crítico-democrática: uma matéria pendente no limiar do século XXI. In. IMBERNÓN, Francisco (org.). Educação para o Século XXI: desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artmed, 2000. p.171-194.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina S. A., 2009. p.73-118.

WALLERSTEIN, Imanuel. Análise dos sistemas mundiais. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan (org.). Teoria social hoje. São Paulo: Editora UNESP, 1999. p. 447 - 470.

WALSH, Catherine. ¿Interculturalidad y (de) colonialidad? Gritos, grietas y sembras desde Abya Yala. Conferencia Magistral. IX Congreso Brasileño de Hispanistas, UNILA-UNIOESTE, Paraná: Foz do Iguaçu, 22 a 25 de agosto de 2016.

WALSH, Catherine. Pedagogías Decoloniales. Práticas Insurgentes de resistir, (re) existir e (re) vivir. Editora Abya-Yala: Equador, 2017. (Serie Pensamiento Decolonial). Tomo I.

Downloads

Publicado

2023-02-03

Como Citar

OLIVEIRA, A. D. de; NASCIMENTO, A. D.; HETKOWSKI, T. M. Decolonizar o povo para descolonizar os sistemas de educação: entre as fissuras e semeaduras. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 19, n. 50, p. e12042, 2023. DOI: 10.22481/praxisedu.v19i50.12042. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/12042. Acesso em: 13 jun. 2024.