A EXPERIÊNCIA FEMININA NEGRA E SUAS INTERROGAÇÕES À POLÍTICA E PRÁTICA CURRICULARES

Autores

  • Núbia Regina Moreira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil
  • Nadila Jardim Evangelista Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil
  • João Paulo Lopes dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxis.v15i32.5046

Palavras-chave:

Currículo, Intelectuais negras, Subjetividades insurgentes

Resumo

O artigo visa apresentar uma discussão a partir do repertório feminista negro, que tem como pressuposto ler as relações sociais por meio da experiência de vida das mulheres negras. Articulado a esse pressuposto, interrogaremos as práticas e políticas curriculares e seus efeitos nas trajetórias de escolarização e de profissionalização do público em específico. Para tal intento, recorremos às intelectuais negras estadunidenses e brasileiras de diferentes matizes que nos ajudam a interrogar a experiência da mulher negra. A teoria do discurso apropriada ao campo da educação nos ajuda a compreender as políticas e práticas curriculares como prática discursiva e espaço de disputa da significação cultural. Por se tratar de dois campos (currículo e mulher negra) que pouco dialogam entre si, os resultados apontam as possibilidades de novas proposições teórico-epistêmicas forçadas pela aproximação, com subjetividades insurgentes que questionam e são questionadas pelo currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Núbia Regina Moreira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB). Pesquisadora dos seguintes grupos: Cultura, Memória e Desenvolvimento (CMD-UnB), Grupo de Estudos e Pesquisa em Práticas Curriculares e Educativas (GEPPCE – UESB); Grupo de Pesquisas Gênero, Raça, Cultura &Sociedade (CANDACES – UNEB). Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED – UESB). Membro da Associação Brasileira de Currículo (ABdC) e da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa (ANPED). Autora do livro “A organização das feministas negras no Brasil” (2ª ed., 2018).

Nadila Jardim Evangelista, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

João Paulo Lopes dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Doutorando em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professor do Ensino Fundamental II da Rede Municipal de Ensino de Cândido Sales – Bahia/Brasil. Membro do Grupo de Estudos em Sociologia das Políticas Curriculares a partir da Teoria do Discurso.

Downloads

Publicado

2019-05-10

Como Citar

MOREIRA, N. R.; EVANGELISTA, N. J.; LOPES DOS SANTOS, J. P. A EXPERIÊNCIA FEMININA NEGRA E SUAS INTERROGAÇÕES À POLÍTICA E PRÁTICA CURRICULARES. Práxis Educacional, [S. l.], v. 15, n. 32, p. 115-131, 2019. DOI: 10.22481/praxis.v15i32.5046. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5046. Acesso em: 19 set. 2021.