O tema educação ambiental no modelo curricular do Maranhão: espaço e tempo em questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/redupa.v2.11516

Palavras-chave:

educação ambiental, ensino médio, organização curricular

Resumo

Trata-se de um estudo documental e bibliográfico de natureza qualitativa em que percorremos o caminho da reflexão crítica que traduzem nossas inquietações sobre o espaço e o tempo da Educação Ambiental no currículo da educação brasileira e, sobretudo, na educação do Maranhão. Para tanto, a nossa compreensão sobre a relação educação e sociedade está apoiada na epistemologia e metodologia dos pioneiros da Teoria Crítica, a saber: THEODOR ADORNO (1985); HERBERT MARCUSE (2015) e MAX HORKHEIMER (1991). Os estudos de Ribeiro (2016), trata das organizações curriculares e da possiblidade de currículos híbridos como se pode observar nas fontes documentais estaduais a respeito do tema Educação Ambiental: Política Estadual de Educação Ambiental, 2010; Plano Estadual de Educação Ambiental, 2018; Diretrizes Curriculares Estaduais para a Educação Ambiental, 2019. Para o tratamento das informações documentais e da bibliográficas recorremos à técnica da análise temática, de BARDIM (2016), especialmente em relação à busca dos sentidos em torno dos dados coletados a respeito da categoria organização curricular. Apesar da incipiente abordagem da temática Educação Ambiental na BNCC/2018, determina que, o Novo Ensino Médio deva formar as competências gerais interdisciplinares, contemplando os conhecimentos ético-emancipatórios sobre a sustentabilidade com os conteúdos do tema Educação Ambiental, cujas habilidades transversais devem ser constitutivas da programação curricular obrigatória. Contudo, há um evidente descompasso entre o que dizem os documentos estaduais e a materialidade da Educação Ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís José Câmara Pedrosa, Secretaria de Estado da Educação do Maranhão - Brasil

Mestre em Educação - Universidade Federal do Maranhão (1998). Atua como técnico das Secretarias Municipal de São Luís e Estadual de Educação do Maranhão. Membro do Grupo de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Maranhão Escola, Currículo e Formação Docente, da Linha de Pesquisa Instituições Educativas, Currículo, Formação e Trabalho Docente. Coordenador da Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental do Maranhão.

Ednólia Lima Portela, Universidade Federal do Maranhão – Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia-UFBA. Professora Associada do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós Graduação da UFMA. Integrante do grupo de Pesquisa: Escola Currículo e Formação Docente PPG em Educação/ UFMA.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. Tradução: Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: Fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro, 1985.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, M. Conceito de Iluminismo. In: Textos Escolhidos. Trad. Paulo Eduardo Arantes. Editora Nova Cultural Ltda. 2005.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. In: Brasil. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. p. 534- 562.

APLLE, M. W. A luta pela Democracia na Educação: Lições de Realidades Sociais. (Com Luís Armando Gandin, Shuning Liu, Assaf Meshulam e Eleni Schirmer). Trad. Marcus Penchel. Petrópolis, RJ: Vozes, 2020.

CARSON, Rachel. Primavera Silenciosa. 2ª ed. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1969.

FREIRE, Paulo. Ação Cultural para a Liberdade. 50ª ed. São Paulo: paz e Terra, 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 64ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 81ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: Educação. Rio de Janeiro. 2020. 16p. Contínuhttps://www.ibge.gov.br/estatisticas/todos-os-produtos-estatisticas.html

LOPES. A.C. & MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MAAR, Wolfgang Leo. A Indústria (Des) educa (na) cional: Um ensino de aplicação da Teoria Crítica ao Brasil. In: Teoria Crítica e Educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Bruno Pucci (Org.). Petrópolis, RJ: Vozes; São Carlos, SP: EDUFISCAR, 1994. (Ciências sociais da educação)

MARANHÃO, Estado do. GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO. Lei n° 9.279 de 20 de outubro de 2010 que institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema Estadual de Educação Ambiental. Diário Oficial do Estado do Maranhão, São Luís, 20 de outubro de 2010.

MARANHÃO, Estado do. GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO. Lei Estadual n° 10.099 de 11 de junho de 2014, que instituiu o Plano Estadual de Educação. Diário Oficial do Estado do Maranhão, São Luís, 11 de junho de 2014.

MARANHÃO, Estado do. GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO. Resolução 309-2021. Aprova o Documento Curricular para o Território Maranhense – Ensino Médio como referência para a implementação da Lei nº 13.415/2017 no âmbito do Sistema Estadual de Ensino do Maranhão. 2021.

MARANHÃO, Estado do. GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO. Diário Oficial. Resolução Conselho Estadual de Educação - CEE Nº 63 DE 07/04/2019. Publicado no DOE - MA em 5 jun. 2019. Estabelece as Diretrizes Curriculares para a Educação Ambiental no Sistema de Ensino do Estado do Maranhão, 2019.

MARCUSE, Herbert. O Homem unidimensional: estudos da ideologia da sociedade industrial avançada. Trad. Robespierre de Oliveira, Deborah Christina Antunes e Rafael Cordeiro Silva. São Paulo: EDIPRO, 2015.

NOBRE, Marcos. A Teoria Crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed., 2004

OLIVEIRA, Gabrielle Boas, FONSECA, Joilma Santos; NASCIMENTO, Ilma Vieira do. O Currículo como uma Organização Interdisciplinar voltado para a Escolarização de Jovens. In: NASCIMENTO, Ilma Vieira do; MORAES, Lélia Cristina Silveira; MELO, Maria Alice. (Orgs.). Juventude, Trabalho e Escolarização: refletindo sobre ações socioeducativas. São Luís, EDUFMA, 2014.

PEDROSA, L. J.C. A Proposição do Programa Estadual de Educação Ambiental do Estado do Maranhão: influências e confluências dos documentos aprovados por organismos multilaterais. p.171. In: LIMA, I. B. O. V... [Et. al.]. (Organizadores). Educação ambiental, Ecopedagogia e Cartografia Social [recurso eletrônico]. — São Luís: EDUFMA, 2021. Tomo 2: (Coletânea I: Educação Ambiental e suas aplicabilidades).

RIBEIRO, António Carrilho. Desenvolvimento Curricular. 4ª ed. Texto Editora, Lisboa. 1993.

TEMPERA, Tiago Bruno Correia; TINOCA, Luís Alexandre da Fonseca. O trabalho de projeto na prática de ensino de futuros professores do ensino básico em Portugal. In: Revisa Práxis. 2022.

VENEZUELA, A. P; DAMIÃO, M. H. Da “Narrativa” Humanista à Educação Humanista - Uma análise do currículo escolar na contemporaneidade. In: Revista Educação e Emancipação, São Luís, v. 11, n. 2, maio/ago. 2018.

Downloads

Publicado

2023-01-25

Como Citar

PEDROSA, L. J. C.; PORTELA, E. L. O tema educação ambiental no modelo curricular do Maranhão: espaço e tempo em questão. Revista Educação em Páginas, Vitória da Conquista, v. 2, p. e11516, 2023. DOI: 10.22481/redupa.v2.11516. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/redupa/article/view/11516. Acesso em: 22 maio. 2024.