A cidade, o local e o conceito de região a partir da perspectiva pós-colonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v1i1.8270

Palavras-chave:

Cidade, Pós-colonial, Pós-estruturalismo

Resumo

O presente artigo pretende discutir como a perspectiva pós-colonial e pós-estruturalista permite repensar os conceitos de território, região e cidade. Principalmente por permitir pensar o descentramento de sujeitos invisibilizados pela sociologia e antropologia brasileira clássica. Rompendo com a influência que a sociologia da escola de Chicago exerceu sob as formas de conceber os objetos e experiências etnográficas no Brasil, principalmente através de Florestan Fernandes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ricardo Marques dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos. Professor assistente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. E-mail: josericardosummers@gmail.com Orcid: https://orcid.org/0000-0003-3477-4728

Referências

ADORNO, T, W. Textos escolhidos. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

______. Três Estudos Sobre Hegel. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

ARENDT, H. Origens do Totalitarismo: Antissemitismo, Imperialismo, Totalitarismo. São Paulo: Companhia de bolso, 2012.

ALENCRASTRO, L, F. O Tratado dos Viventes: Formação do Brasil no Atlântico Sul Séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

APPIAH, K, A. Na casa de Meu Pai: África na Filosofia da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ANDERSON, B. Comunidades Imaginadas. Companhia das Letras. São Paulo, 2009.

ARCANJO, F. O Rufar das caixas: sincretismo e identidade negra em Catalão através das Congadas. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia. 2003.

ÁVILA, C, C, O. Itinerâncias e inter-heranças: do ritual do congado da zona da mata mineira ao processo de criação da performance em dança contemporânea. Instituto de Artes Programa de Pós-Graduação em Artes- Unicamp, Campinas, 2015.

AZEVEDO, C, M, M. Onda Negra Medo Branco: O Negro no Imaginário das Elites no Século XIX. P Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BASTIDE, R. As Américas Negras. São Paulo: EDUSP, 1974.

BASTOS, E, R. As Criaturas de Prometeu: Gilberto Freyre e a Formação da Sociedade Brasileira. São Paulo: Editora Global, 2006.

BERGARD, L. W. Escravidão e História econômica: Demografia de Minas Gerais 1720-1888. Bauru: EDUSC, 2004.

BHABHA, H. Nación y narración: entre la ilusion de uma identidade y las diferencias culturales. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2010.

______. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

BILHARINO, GUIDO. Uberaba: dois séculos de história (dos Antecedentes a 1929). Arquivo Público de Uberaba. 2007.

BRASILEIRO, J. O ressoar dos tambores do congado – entre a tradição e a contemporaneidade: cotidiano memórias disputas (1955-2011). Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Uberlândia. 2012.

BORGES, C, M. Escravos e Libertos nas irmandades do rosário. Devoção e solidariedade em Minas Gerais – século XVIII. Juiz de Fora: Editora UFRJ. 2005.

BRAH, A. Cartografías de la Diaspora: Identidades em cueston. Traficantes de sueños, 2011.

_______. “Diferença, Diversidade, Diferenciação”. S/D.

BRAH, A. & COOMBES, A, E. Hybridity and its Discontents: Politics, Science, culture. London; New York: Routledge: Taylor & Francis Group, 2000.

BORGES, C, M. Escavos e Libertos nas Irmandades do Rosário. Devoção e Solidariedade em Minas Gerais. Século XVIII. Juiz de Fora: Editora UFRJ. 2005.

CAPONEIRO, M, C. Festejando São Benedito: A congada em ilha Bela, recurso cultural brasileiro. Pós-Graduação em estática e artes. Universidade de São Paulo. 2009.

CANDIDO, A. Literatura e Sociedade. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

______. Os Parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Editora Duas Cidades, 1971.

CÉZAR, I, S. O velado e o revelado: imagens da festa da congada. Programa de pós-graduação em antropologia social. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2010.

_______. A congada e a câmera: ação afrodescendente e representação midiática. Programa de pós-graduação em artes. Campinas: Unicamp, 2005.

CANDIDO, A. Os Parceiros do Rio Bonito. São Paulo, SP: Livraria das Letras, 1973.

CHALHOUB, S. Machado de Assis Historiador. São Paulo: Companhia das Letraas, 2003.

______. Visões da Liberdade: Uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. A Força da Escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CORREA, M. As Ilusões da Liberdade: a escola de Nina Rodrigues e a Antropologia do Brasil. Bragança Paulista: EDUSF, 1998.

DAMACENO, J. Os Segredos de Virginia: Estudo de Atitudes Raciais em São Paulo (1945-1955). Tese de Doutorado. Departamento de Antropologia. Pós-Graduação em Antropologia social. 2013.

DIXON, K & BURDICK. Comparative Perspectives on Afro-Latin America. University Of Florida. 2012.

DELEUZE, G. Bergsonismo. São Paulo: Editora 34, 2008.

DELEUZE, G & GUATTARI. Kafka: Por uma Literatura do Menor. Rio de Janeiro: Imago Editora LTDA, 1977

______. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia vol I. São Paulo: Editora 34, 2009.

______. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia vol II. São Paulo: Editora 34, 2008.

______. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia vol III. São Paulo: Editora 34, 2008b.

______. O Anti-édipo. São Paulo: Editora 34, 2010.

______. O que é Filosofia? São Paulo: Editora 34, 2009.

DIXON, KWAME & BURDICK, JOHN. Comparative Perspectives on Afro-Latin America. University press of Florida. Gainesville; Tallahassee; Boca Raton; Pensacola; Orlando; Miami; Jacksonville; Ft. Myers Sarasota. 2013.

DURAES, M, A, A. De trem para Montes Claros”: representações do sertão norte-mineiro nas canções do grupo raízes. Programa de Pós-Graduação em História. Universidade federal de Uberlândia. 2010.

FANON, F. Pele Negra Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNADES, F. O Negro no Mundo dos Brancos. EDUSP, São Paulo, SP, 2007.

_________. A Integração do Negro na Sociedade de Classes VOL I. São Paulo, SP: EDUSP, 1965a.

_________. A Integração do Negro na Sociedade de Classes VOL II. São Paulo, SP: EDUSP, 1965b.

_________. A Investigação etnológica no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Editora Global, 2009.

_________. Mudanças Sociais no Brasil. São Paulo: Editora Global, 2008.

_________. Ensaios sobre Sociologia Geral e Aplicada. São Paulo: Pioneira, 1960.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

______. Segurança, Território, População: curso College de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. O Corpo Utópico, As Heterotopias. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

GILROY, P. O Atlântico Negro. São Paulo: Editora 34, 2001.

GILROY, P. Against Race: imagining political culture beyond the color line. Belknap press. Cambridge Massachusetts. 2000.

______. Postcolonial Melancholia. New York: Columbia University Press, 2004.

______. Entre Campos: Nações, Culturas e o Fascínio da Raça. São Paulo: Anablume. 2007.

______. Darker Than Blue: On the Moral Economies of Black Atlantic Culture. Belknap press. Cambridge Massachusetts. 2010.

______. Smal Acts: Thougths on politics of the Black culture. London: Sepent’s tail, 1993.

______. There Ain’t no black in Union Jack. The Cultural Politics of Race and Nacion. Hutchinson. London. 1987.

GOMES, D, J Os Segredos de Virginia: Estudo de Atitudes Raciais em São Paulo (1945-1955). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. 2013.

GOMES E SILVA, J. A. Escavações: Apontamentos Históricos da cidade de Pitangui. Frutal, 1893.

GONZAGA, O. Memória histórica de Paracatu. Uberaba: Jardim e cia, 1910.

HALL, STUART. The Facto of Blackness. Institute of Contemporary arts; Institute of International Visual Arts; Bay Press Seattle, 1996.

______. Da Diáspora. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2009.

______. Identidade e Diferença: Perspectivas dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, RJ, 2012.

______. A identidade cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

______. “Race, articulation ad socieities strutured in dominance”. S/D.

HALL, S. & CRITHER, C. & JEFFERSON, T. & CLARKE, J. & ROBERTS, B. Policing the crisis: Mugging, the state, and law and order. London and Basingstoke: Macmillan press LTD, 1982.

HALL, S. Sociological theories: race and colonialism. England: Sydenhams Printers/ Poole, 1980.

HANCHARD, M. Orpheus and Power: the Mivimento Negro Of São Paulo and Rio de Janeiro. New Jersey: Princeton University Press, 1994.

HIRATA, D, V. Sobreviver na Adversidade: entre o Mercado e a vida. Programa de pós-graduação em sociologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.

HONNETH, A. Luta Por Reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

IANNI, O. As Metamorfoses do Escravo. São Paulo: Difusão Europeia, 1962.

______. Raças e Classes Sociais no Brasil. São Paulo: Civilização Brasileira, 1972.

MANNHEIM, K. Ideologia e Utopia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

______. Ensaio de Sociologia Sistemática. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1962.

______. Sociologia da Cultura. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

MARQUES, L. Por aí e por muito longe: dividas, migrações e os libertos de 1888. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

MARTINS, P, G. Entre a Espada e a Coroa: Abolicionistas em conflitos políticos no imediato pós-abolição (1888-1889). Pós-graduação em Sociologia. Universidade de São Paulo. 2017.

MENDONÇA, JOSÉ. História de Uberaba. Academia de letras do Triangulo Mineiro. Uberaba, 1974.

MONTEIRO, E, P. Kalungas e Bovino curraleiro pé0duro: contribuições da pesquisa social. Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal. Goiânia, 2013.

MOREIRA DA SILVA, A Caretagem como prática cultural: fé, negritude, e folia em Paracatú (MG) 1960-1980. Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Uberlândia. 2005.______. Beneditos Amaros -Remanescentes Quilombolas de Paracatu. Memórias, Lutas e Práticas Culturais. Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Uberlândia, 2012.

MOORE JUNIOR, B. As Origens Sociais da Ditadura e da Democracia: Senhores e Camponeses na Construção do Mundo Moderno. Lisboa: Edições Lisboa, 1966.

NABUCO, J. O Abolicionismo. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

OLIVEIRA, M, I. O liberto, seu mundo e os outros. São Paulo. 1988.

PAIVA, E, F. “Escravos e Libertos nas Minas Gerais do século XVII – estratégias de Resistencia através dos testamentos. São Paulo: Annablume, 2000.

PARREIRA DA SILVA, V. Do chocalho ao bastão: processos educativos do terno de congado marinheiro de São Benedito. Programa de Pós-Graduação em Educação. UFSCar. São Carlos, 2015.

PAULA, ÁLVARO FERREIRA DE. Desbravadores do Carmo do Fructal: História e Genealogia de um descendente. Uberaba: Editora Victória, 2004.

PINHO, P, S. Reinvenções da África na Bahia. São Paulo, SP: Annalume, 2004.

______. Mama Africa: Reinventing blackess in Bahia. Durham and London: Duke University Press, 2010.

PONTES, HILDEBRANDO. História de Uberaba e a Civilização no Brasil Central Uberaba: Academia de letras do Triangulo Mineiro, 1978.

RANCIERE, J. O Desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 2008.

REZENDE, L, D. A história de Comendador Gomes: Cadê a história daqui? Araguari. 2014.

RIBEIRO JUNIOR, F. O Mundo do Trabalho na Ordem Republicana: a Invenção do Trabalhador nacional. Minas gerais 1888-1928. Pós-Graduação em História. Universidade de Brasilia, 2008.

______. “Dimensões da Liberdade: Borges Sampaio e os escravos na cidade de Uberaba”, 1836/1888. Olhares & Trilhas, ano VI. n°6, 2005.

SAID, E, W. Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Companhia de Bolso Companhia de Bolso, 2007.

______. Cultura e Imperialismo. São Paulo. Companhia de Bolso. São Paulo. 2011.

SALES, R, C. O Brasil na Economist. Pensando a Influência do perfil político-ideológico da revista na formação da imagem internacional do país. Programa de Pós-graduação em Política. Universidade Federal de São Carlos, 2016.

SAMPAIO, BORGES. Uberaba: História, Fatos e Homens. Uberaba: Academia de letras do Triangulo Mineiro, 1971.

SCHWARCZ, L, M. O Espetáculo das Raças: Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das letras, 1993.

______. Retrato em Branco e Negro: Jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no Final do Século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 1987.

______. Lima Barreto: Triste Visionário. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

______. As Barbas do Imperador: D. Pedro II, Um monarca nos Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHWARCZ, L, M. & STARLING, H. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

SILVA, M, A, M. A Descoberta do Insólito: Literatura Negra e Literatura Periférica no Brasil (1960-2000). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SILVA, V. Quilombo de São Domingos: história e identidade étnica 1980-2010. Programa de pós-graduação em história. Brasília: Universidade de Brasília, 2010.

SILVERIO, V, R. Territórios Negros em Campinas: o Caso Vila Rica. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

SANTOS COTA, L, G. Ave, Libertas: Abolicionismos e Luta pela Liberdade em Minas Gerais na última década da Escravidão. Programa de Pós-Graduação em História Social. Niterói. 2013.

______. O Sagrado Direito da Liberdade: escravidão, liberdade e abolicionismo em Ouro Preto e Mariana (1871-1888). Programa de Pós-Graduação em História. Niterói. 2007.

SANTOS, J, R, M. Malandros sem Carnavais, Carnavais sem heróis: Juventude, Geração e sociabilidade entre jovens ligados ao Rap e ao Rock nas cidades de São Carlos, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. Universidade Federal de São Carlos São Carlos, SP, 2007.

______. “A Fixação do Sujeito em dissertações e teses sobre cultura caipira e Sertaneja”. IV seminário Internacional do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar: Olhares e diálogos sociológicos sobre as mudanças no Brasil e na América Latina. De 26 a 28 de Agosto, São Carlos, SP, 2013. CD-ROOM.

______. Antes da República, sob o olhar do Império: a produção do modo de vida e invenção de uma territorialidade diaspórica: o caso de Frutal/Uberaba (MG). Tese (Doutorado de sociologia) Universidade Federal de São Carlos. São Carlos/SP, 2018.

SPIVAK, G. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

WILLIANS, R. Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1977.

______. Cultura e Materialismo. São Paulo, SP: Editora da Unesp, 2011.

______. Política do Modernismo. São Paulo, SP: Editora da Unesp, 2011b.

______. O Campo e a cidade na história e na Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. A Produção da Escrita. São Paulo: Editora Unesp, 2014

______. Recursos da Esperança. São Paulo: Editora Unesp, 2015

______. Cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

DOS SANTOS, J. R. M. A cidade, o local e o conceito de região a partir da perspectiva pós-colonial. Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 53-81, 2020. DOI: 10.22481/sertanias.v1i1.8270. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/8270. Acesso em: 17 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos