A construção de um complexo posicionar-se e o fazer etnográfico na Diáspora Africana: o caso dos estudantes angolanos de Lins-SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/sertanias.v1i1.8271

Palavras-chave:

Diáspora Africana, Diferença, Etnia, Linguagem, Raça

Resumo

Entre os anos de 2004 a 2015 a cidade de Lins –SP recebeu, proporcionalmente, o maior fluxo de estudantes africanos do interior paulista. Lá residiram e estudaram cerca de 140 estudantes provenientes dos Países de Língua Oficial Portuguesa (Palop): Angola, Cabo Verde, São Tomé & Príncipe, Moçambique e Guine Bissau. No entanto, são preponderantes os jovens provenientes de Angola, cerca de 120, sendo, os únicos que se enunciam enquanto comunidade angolana. Ao enunciar esse discurso, os estudantes angolanos agenciam e negociam um conjunto de representações, afirmam diferenças e promovem processos de identificação. Observa-se, assim, a emergência de um posicionamento de caráter étnico protagonizado pelos estudantes expressão da atribuição adscrita da negrura, histórica e cotidianamente aos povos de origem africana em sua experiência coletiva. Os estudantes em sua experiência coletiva no Brasil passam por um processo de racialização e em reação a essa negação, produzem, por meio de um processo de etnicização, um posicionamento ético e político que, por sua vez, articula de forma interseccionada ambas as clivagens, raça e etnia. Isto é, tão importante quanto à intersecção e articulação de ambas as clivagens é explorar o processo, o “como” os estudantes realizam esse agenciamento e negociação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cauê Gomes Flor, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais - Universidade Estadual Paulista (Unesp/Campus de Marília)

Doutorado em Ciências Sociais Pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquisa Filho – UNESP. E-mail: caueflor@gmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-6306-0612

Referências

AGAMBEN, George. O que é contemporâneo? In: AGAMBEN, G. O. O que é contemporâneo? e outros ensaios. ARGOS, 2009.

ASSIS, Machado. Dom Casmurro. L± Edição: Edição de bolso, 1997.

BERGUSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação do cômico. Zahar, 1980.

BHABHA. Homi. 2013. O local da cultura. Belo Horizonte. Editora UFMG, 2013.

______. O entrelugar das culturas. In: O bazar global e o clube dos cavaleiros ingleses. Rio de Janeiro. Rocco, 2011.

BRAH, A. Cartografías de la Diápora: Identidades encustión. Traficantes de sueños. Mapas, 2006.

COSTA, Sergio. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo e cosmopolitismo. Editora UFMG. 2006.

ERIKSEN, Thomas Hylland. Crioulização e criatividade. Global Networks, [S.l.], v. 3, n. 3, p. 223-237, 2003.

FANON. Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FONSECA, Dagoberto José. A tripla perspectiva: a vinda, a permanência e a volta de estudantes angolanos no Brasil. Pro-Posições, Campinas, v 20, n.1 (58), p. 23-44, 2009.

GEERTZ, Cliffod. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro. LTC, 2008.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. EDITORA 34 Ltda, 2002.

______. Entre campos: Nações, Culturas e Fascínio da Raça. São Paulo: Anablume, 2004.

GUIMARÃES, Antônio Sergio. Classes, raças e democracia. São Paulo, Editora 34, 2002.

GUPTA, Akhil; FERGUSON, James. Mais além da “cultura”: espaço, identidade e política da diferença. In: ARANTES, Antônio A. (Org.). O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus, 2000.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes. África, Portugal e Brasil: um novo triângulo das bermudas? In: Cadernos Ceru, v. 23, n. 2, p. 51 – 62, 2013.

______. Diáspora Africana: vida de imigrantes e estudantes em Portugal e no Brasil. In: 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, 2008.

______. Trajetos Identitários e Negritude: jovens africanos no Brasil e em Portugal. In: Impulso, p. 45-57, 2006.

HOFBAUER, Andreas. Entre olhares antropológicos e perspectiva dos estudos culturais e pós coloniais: consensos e dissenso no trato da diferença. In: Antropolítica. Niterói, n. 27, vol, 2, p. 99 – 130, 209.

______. Antropologia e pós-colonialismo: focando as castas na Índia. In: Ilha: Revista de Antropologia, v.19, n. 2, p. 37-71, 2017.

ORTNER, Sherry. Uma atualização da teoria da pratica. In: Conferencias e Diálogos: saberes e praticas antropológicas. 25º Reunião Brasileira de Antropologia – Goiânia, 2006.

SARAIVA, José Flavio Sombra. A África e o Brasil: encontros e encruzilhadas; In: Ciências & Letras (Revista FAPA). Edição especial nº 21/22. Porto Alegre, 1998.

______. A política exterior do governo Lula: o desafio africano. In: Revista Brasileira de Politica, n. 45, p. 5-25, 2002.

SEGATO, Rita Laura. Raça é signo; In: Série Antropologia, Brasília, 2005.

SILVÉRIO, Valter Roberto. Multiculturalismo e metamorfose na racialização: notas preliminares sobre a experiência contemporânea brasileira. In: BONELLI, Maria da Glória; LANDA, Martha Diaz Villegas (Orgs.) Sociologia e mudança social no Brasil e Argentina, São Carlos: Compacta Gráfica e Editora, 2013.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade”, In: NOVAES, Fernando A.; SCHWARCZ, Lilia M. (Orgs.). História da vida privada (Vol. IV). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B. O nativo relativo. In: Mana, v. 8, n. 1, 2002.

DOCUMENTOS OFICIAIS

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 10.639, de 9 de Janeiro de 2003. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP n. 3, de 10 de marco de 2004. Institui as diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, DF, 2004

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

FLOR, C. G. A construção de um complexo posicionar-se e o fazer etnográfico na Diáspora Africana: o caso dos estudantes angolanos de Lins-SP. Sertanias: Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 28-52, 2020. DOI: 10.22481/sertanias.v1i1.8271. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/sertanias/article/view/8271. Acesso em: 23 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos