(Re)existência “Margarida” - mulher negra quilombola: identidade, religiosidade e o poder de cura na Chapada da Diamantina - BA

  • Leonice de Jesus Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Raquel Souzas UFBA

Resumo

As mulheres dos quilombos sofrem preconceitos por seu gênero, sua cor e suas origens. Eles lutam todos os dias para quebrar os estereótipos que lhes são impostos desde os tempos da escravidão. A questão de gênero é um fenômeno complexo, e sempre que está ligada à história da escravidão negro-africana, a ideia de submissão e esquecimento emerge. A narrativa das mulheres negras dos quilombos compoem o conjunto de dados  para esse artigo. A abordagem interseccional é um recurso teórico relevante para entender as interconexões entre racismo, gênero e classe na estrutura social. Este estudo utilizou a etnografia como estratégia de pesquisa e entrevistas para coletar dados. A metodologia de análise é a teoria interpretativa, em que o sujeito da pesquisa e o contexto em que vivem estão no centro do entendimento acerca da identidade, religiosidade e genero nas comunidades quilombolas.


Palavras-chave: mulheres quilombolas, medicina popular, etnia, racismo

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, G. O. As benzedeiras do Rio de Contas e os desafios às ciências sociais. Núcleo de Estudo Religião e Sociedade – Revista Nures, nº 13 – Pontifícia Universidade Católica – SP. setembro/dezembro 2009.
AGUIAR, G. O. Mulheres negras da Montanha: a religiosidade das benzedeiras de Rio de Contas. 2012, tese (doutorado em Ciências Sociais, PUC-SP, São Paulo, 2012.
BANDEIRA, L. C. C. Rotas e Raízes de Ancestrais Itinerantes. Tese (Doutorado em História Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: SP, 2013.
BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. The social organization of culture difference. Bergen, Oslo: Universitteraforlaget, 1969 In___POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FERNART, Jocelyne. Teorias da etnicidade: seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Trad. Elcio Fernandes. 2. ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.
BENTO, J. A. R. Conhecendo as benzedeiras de Goiabeiras Velha. Vitória, ES: Ed. do autor, 2004.
BOSI, E. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 3 ed. São Paulo: Companhia da Letras, 1994.
BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cad. Pagu [online]. 2006, n. 26, pp.329-376. ISSN 1809-4449.
CHAGAS, M. C. C. et al. A prática do benzimento com o uso de plantas na comunidade rural remanescente de quilombo de Furnas do Dionísio, Jaraguari, Mato Grosso do Sul. Multitemas Campo Grande - MS, n. 35, p. 207-224, dez. 2007.
CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: Antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.
CRENSHAW, KIMBERLÉ. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 10, n. 1, p. 171-188, Jan. 2002 .
CUNHA, L. A. Benzedeiras, saberes e oralidade: a cura através do dom e da palavra. GECOM – UERN Grupo de estudo sobre culturas populares – UFRN. IV Reunião Equatorial de Antropologia e XIII Reunião de Antropólogos do Norte e Nordeste. 4 a 7 de agosto de 2013, Fortaleza-CE.
GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 2008. 213p. (Antropologia social.) ISBN 9788521613336 (broch.)
HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990. 189 p. (Sociologia e Política) ISBN 85-7115-038-9
HOFFMANN-HOROCHOVSKI, M. T. Velhas benzedeiras. Dossiê – O final da vida no século XXI. Revista Mediações, Londrina, vol. 17, n. 2, p. 126-140, jul./dez. 2012.
HOFFMANN-HOROCHOVSKI, M. T. Benzeduras, garrafadas e costuras: considerações sobre a prática da benzeção. Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável, Matinhos, v. 1, n. 2, p. 110-126, jul./dez. 2012.
LAPLATINE, F. 1943 – A descrição etnográfica. Tradução João Manuel Ribeiro Coelho e Sérgio Coelho. São Paulo: Terceira Margem, 2004.
LE BRETON, D. Do silêncio. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.
MELLO, C.A.A. Percepção, intervenção e cura: sobre modos somáticos de atenção e a pratica da benzedura. Ciencias Sociales y Religion/Ciencias Sociais e Religiao, Porto Alegre, v.15, n. 18, 2013.
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, SP: Brasília, DF: Cortez, UNESCO, 2000. 118p. ISBN 852490741X (broch.)
MINAYO, M.C.S. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 33ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2013, p. 9-27.
NASCIMENTO, D. G. Tradição Discursivas Orais: mudanças e permanências nas rezas de cura e benzeduras populares da região de Itabaiana. Dissertação (Mestrado em Linguística e Ensino) Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.
OLIVEIRA, E. R. O que é medicina popular. São Paulo: Abril Cultural: Brasiliense, 1985.
POUTIGNAT, P; STREIFF-FERNART, J. Teorias da etnicidade: seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Trad. Elcio Fernandes. 2. ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.
QUINTANA, A. M. A ciência da benzedura: mau-olhado, simpatias e uma pitada de psicanálise / Alberto Manoel Quintana. – Bauru, SP: EDUSC, 1999.
SANT’ANA, E. Parteiras, Benzedeiras e Benzeduras: uma cultura tradicional/ Elma Sant`Ana. – Porto Alegre: Alcance, 2012.
SANTANA, M. Legado ancestral africano na diáspora e o trabalho do docente: desafricanizando para cristianizar. (Tese de Doutorado) São Paulo, 2004. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.
SANTOS, G. L. and CHAVES, A. M. Ser quilombola: representações sociais de habitantes de uma comunidade negra. Estud. psicol. (Campinas) [online]. 2007, vol.24, n.3, pp. 353-361. ISSN 0103-166X..
SILVA, C. S. Rezadeiras: Guardiãs da Memória. V ENEULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Faculdade de Comunicação/UFBA. Maio, 2009.
SILVA, M. E. M. Marcadores das africanidades das rezadeiras do quilombo de Caucaia/CE: Uma abordagem pretagógica. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza, 2015.
SILVA, R. L. M. da. As práticas de rezas na comunidade quilombola de Caiana dos Crioulos em Alagoa Grande-PB. 2016. 24 f. Monografia (Especialização em Etnobiologia) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2016.
SILVA, V. A. G. Benzedeira. Victor Augustus Graciotto Silva; fotografias de Katiuscia Dier Francisco, Regina Maria Schimmelpfeng de Souza, Ricardo de Campos Leining. Curitiba: Máquina de Escrever, 2013.
SOUZA, F. R. et al. A arte da benzeção e da cura na memória e identidade das mulheres das comunidades quilombolas de caiana dos crioulos e do grilo. III seminário nacional gênero e práticas culturais, olhares diversos sobre as diferenças. Joao Pessoa PB, Out. 2011. Disponível em: . Acesso em: 9 set. 2017.
SPIVAK, G.S. 1942. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
Publicado
2019-06-30
Como Citar
SILVA, Leonice de Jesus; SOUZAS, Raquel. (Re)existência “Margarida” - mulher negra quilombola: identidade, religiosidade e o poder de cura na Chapada da Diamantina - BA. ODEERE - Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 119-133, jun. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/4902>. Acesso em: 15 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i7.4902.