“Um vivo demônio capaz de sugerir as maiores desordens”: mulheres bem e mal procedidas em pecados no sul da capitania da Bahia

  • Cristiane Batista da Silva Santos Universidade Estadual de Santa Cruz

Resumo

Pagando por suas alforrias, batizando seus filhos, enterrando seus mortos. Além do trabalhado pesado ainda havia espaço para afetividade, vida sexual, desejos e vontades das mulheres que viviam no sul da capitania. E não faltavam acusações de sodomias, feitiçarias, seduções, bigamias. Este texto é fruto de um projeto de pesquisa em andamento que perscruta mulheres africanas no sul da Bahia e desdobra-se em duas partes de suas vidas no período colonial e imperial, tomando-as não só como objetos de pesquisa, mas dando-lhes a condição de serem narradas como protagonistas apoiadas em vastas e inéditas fontes. Este artigo optou por trazê-las no período colonial. Quanto ao período aludido sobressaiu-se nas fontes dois aspectos: as pecadoras denunciadas estavam relacionadas ou às práticas de feitiçaria ou à vida sexual e afetiva destoante do que preconizava as leis cristãs, sobretudo nos Cadernos do Promotor. As fontes utilizadas foram os Cadernos do Promotor, as Correspondências trocadas entre autoridades e uma memória descritiva sobre ser mulher, ser africana e ser escravizada ou forra em diferentes discursos.


Palavras-chave: Africanas, Cadernos do Promotor, Pecados

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

BELLINI, Lígia. A Coisa Obscura: Mulher, Sodomia e Inquisição no Brasil Colonial. São Paulo, editora brasiliense, 1987.
BETHENCOURT, Francisco. História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália - séculos XV-XIX. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
BICALHO, Maria Fernanda; FERLINI, Vera Amaral Ferlini. (Orgs.). Modos de governar: ideias e práticas políticas no Império Português - séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005.
Cancela, Francisco Eduardo Torres. De projeto a processo colonial: índios, colonos e autoridades régias na colonização reformista da antiga capitania de Porto Seguro (1763-1808) – Salvador, 2012. 337 f.:
DARNTON, Robert. O Grande Massacre de gatos. Rio de Janeiro: Graal, 2001. p. XV.
DEL PRIORE, Mary. Ao Sul do Corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2009.
FERREIRA, Elisângela Oliveira. Mulheres de Fonte e Rio. Solicitação no Confessionário, Misoginia e Racismo na Bahia Setecentista. Afro- Ásia, v. 48, p. 127-
GARCIA, Rodolfo (org.). Livro das denunciações que se fizeram na Visitação do Santo Ofício à cidade de Salvador da Bahia de Todos os Santos do estado do Brasil no ano de 1618. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, v. 49, 1927.
GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
SLENES, Robert W.” Malungu, Ngoma vem”.África encoberta e descoberta no Brasil. Luanda, Ministério da Cultura,1995.
MARCIS, Teresinha. Viagem ao Engenho de Santana, Ilhéus, Editus, 2000. 86p.
MOTT, Luiz. Bahia: Inquisição & Sociedade. Salvador: EDUFBA, 2010.
__________. A Inquisição em Ilhéus, Revista da Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna, ano VI, nº 10, 1989
NOVINSKY, Anita. Cristãos-Novos na Bahia: A Inquisição. São Paulo, Editora Perspectiva, 1972.
PRIORE, Mary Del. Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. São Paulo: Planeta do Brasil, 2011.
REIS, João José. GOMES, Flávio dos Santos (Org). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996;
RESENDE, Maria Leônia Chaves de. Minas Gerais sub examine: inventário das denúncias nos Cadernos do Promotor da Inquisição de Lisboa (século XVIII). In:FURTADO, Júnia Ferreira. CHAVES, Maria Leônia (Org,) Travessias inquisitoriais das Minas Gerais aos cárceres do Santo Ofício: diálogos e trânsitos religiosos no império luso-brasileiro (sécs. XVI – XVIII). Belo Horizonte: Fino Traço Editora Ltda, 2013p.
SACRAMENTO, Valdinea de Jesus. Mergulhando nos mocambos do Borrachudo – Barra do Rio de Contas (século XIX) - 2008. 96f
SANTOS, Fabricio Lyrio. Da catequese à civilização: colonização e povos. Cruz das Almas, Bahia: UFRB, 2014.
SANTOS, Lara de Melo dos. Revolta Indígena e Escrava em Camamu no século XVII. 2004. Dissertação (Mestrado em História Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2004
SCHWARTZ, Stuart B. Escravos roceiros e rebeldes. São Paulo: Edusc, 2001.
___________________. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial.1550-1835. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.
__________________. Burocracia e sociedade no Brasil colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979.
SOUZA, Laura de Mello e. O Diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos Pecados. Moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1989.
VILHENA, Luís dos Santos. A Bahia no século XVIII. Salvador: Itapuã, 1969. v. 2.
Publicado
2019-06-30
Como Citar
DA SILVA SANTOS, Cristiane Batista. “Um vivo demônio capaz de sugerir as maiores desordens”: mulheres bem e mal procedidas em pecados no sul da capitania da Bahia. ODEERE - Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, [S.l.], v. 4, n. 7, p. 68-100, jun. 2019. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/5020>. Acesso em: 22 ago. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v4i7.5020.