Minha escola não existe? Política de expansão de vagas em interface com a regulamentação dos espaços

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/poliges.v2i1.8248

Palavras-chave:

Educação Infantil. Espaços Partilhados. Políticas Educacionais.

Resumo

Esta pesquisa analisou a política de expansão da oferta de vagas para a Educação Infantil no município de Itabuna-Bahia, caracterizado pela realidade do partilhamento do espaço do Ensino Fundamental com a Educação Infantil. Como percurso metodológico, optou-se por pesquisa qualitativa, com a abordagem do Ciclo de Políticas formulado por Stephen Ball e Richard Bowe. A coleta de dados ocorreu por meio de arquivos e documentos oficiais e de entrevista com representantes da Secretaria Municipal da Educação (SME), do Conselho Municipal de Educação (CME), do Sindicato do Magistério Público Municipal de Itabuna (SIMPI). Ainda como parte do levantamento dos dados, realizamos o registro fotográfico de 08 instituições públicas que adotaram essa política pública. Nessa fase foram aplicados questionários com as professoras, com o objetivo de analisar as interpretações dos docentes sobre a política municipal de expansão de vagas e que relações estabelecem entre os espaços partilhados e os documentos que os regulamentam para pensar a arquitetura das instituições e a finalidade da Educação Infantil. Os resultados da investigação indicaram que: a ausência de avaliações da política implementada interfere na qualidade dos espaços; as instituições educativas visitadas apresentaram condições inadequadas que perpassam pela violação dos direitos básicos de cidadania e de acesso aos serviços públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érico José dos Santos, PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Possui Licenciatura em História pela Faculdade de Tecnologia de Ciências de Salvador  e Pedagogia pela Universidade Estadual de Santa Cruz, com Mestrado em Educação pela mesma Universidade, aluno do Programa de Doutorado PPGEduC da Universidade do Estado da Bahia. Atua como professor de História na Rede Municipal de Ensino de Itajuípe e como Gestor Escolar na Secretaria Municipal de Educação de Itabunal. Tem experiência em pesquisas relacionadas às políticas educacionais e gestão escolar. Na condição de Presidente do CACS-FUNDEB, entidade responsável pelo acompanhamento e controle social, acompanha as atividades dos gastos públicos com a educação no âmbito do Sistema Municipal de Ensino de Itabuna. Integra os Grupos de Estudos e Pesquisas CNPq EDUCATIO - Políticas Públicas e Gestão da Educação (UNEB) e Rede de Pesquisa Discursos, Representações e Violência na Escola vinculado à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Cândida Mª Santos Daltro Alves, Universidade Estadual de Santa Cruz

Possui Licenciatura em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia, Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora da Universidade Estadual de Santa Cruz, docente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE/UESC). Coordena o Projeto de Extensão Brincando e Aprendendo na Educação Infantil. Integra os Grupos de Estudos e Pesquisas CNPq Políticas Públicas e Gestão Educacional vinculado à UESC e o Grupo de Estudos e Pesquisas CNPq Rede de Pesquisa Discursos, Representações e Violência na Escola vinculado à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Atua na formação universitária e continuada de professores para a Educação Básica delineados nas áreas de Educação Infantil, sob os pressupostos dos seguintes temas: Educação Infantil, Estágio Supervisionado, Políticas Públicas e Educacionais, Brincar, Indisciplina, Representação, Formação de professores , Identidade.

Marcela Santos de Jesus, PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS/SME

Possui Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual de Santa Cruz, com Mestrado em Educação pela mesma Universidade. Atua como professor Professora da Educação Básica no município de Ilhéus/BA - Brasil, e atua como docente na Universidade Paulista – UNIP/Pólo Ilhéus/BA. Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas CNPq Políticas Públicas e Gestão Educacional vinculado à Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Nilson Carlos Nascimento dos Santos, Secretaria de Educação da Bahia

Mestre em Espanhol pela Roosevelt University (EUA). Graduado em Letras Vernáculas com Língua Inglesa pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL). Professor da Secretaria de Educação do Estado da Bahia - Brasil.

Referências

ALVES, Cândida M. S. Daltro. A implementação da política pública de educação infantil: entre o proposto e o existente. 2013. [s.n] Tese (Doutorado em educação). Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2021.

ANDRADE, Cyrce M. R. Junqueira de. Vamos dar a meia-volta, volta e meia vamos dar: o brincar na creche. In: OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos de(Org.). A educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 2007.

BALL, Stephen J. MAGUIRE, M. BRUAN, A. Como as escolas fazem as políticas. Ponta Grossa: Editora EEPG, 2016.

BRASIL. Subsídios para Credenciamento e Funcionamento de Instituições de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. 2 v.

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm>. Acesso em:10 fev. de 2021

BRASIL. Parâmetros Básicos de infraestrutura para Instituições de Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2006a. 1 encarte.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: pelos direitos das crianças de zero aseis anos à educação. Brasília, 2006b.

BRASIL. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil / Ministério da Educação/Secretaria da Educação Básica – Brasília: MEC/SEB, 2009b.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil/ Secretaria de Educação Básica – Brasília. DF, 2010.

CAMPOS-DE-CARVALHO, M. & Souza, T. N. (2008). Psicologia Ambiental, Psicologia do Desenvolvimento e Educação Infantil: Integração possível? Paidéia, 2008, 18(39), 25-40. Disponível em: <http://www.scielo.br/paideia> Acesso em: 10 fev. 2021.

ITABUNA. Instrução nº 001/2008 da Câmara de Educação Básica do Conselho Municipal de Educação de Itabuna - CEB/CME. Orienta o funcionamento de creches e pré-escolas de Educação Infantil no âmbito do sistema municipal de ensino de Itabuna. CME, Itabuna, 2008.

MELLO, Suely Amaral. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 25, n. 1, 83-104, jan./jun. 2007 Disponível em: <http://www.perspectiva.ufsc.br>. Acesso em: 21 fev. 2021.

NASCIMENTO, Laiana Porto do. ALVES, Cândida M. Daltro. A importância do brincar livre para a educação infantil: uma pesquisa bibliográfica. In: VIEIRA, Emilia Peixoto; ALVES, Cândida M. Daltro; SEDANO, Luciana. A educação infantil em debate. Curitiba: CRV, 2016.

SANTOS, Érico José dos. A política de expansão vagas da educação infantil no município de Itabuna-Ba: interpretações de uma realidade em construção. 2017. 146 fl.: il.; anexos. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA: 2017.

Downloads

Publicado

2021-05-11

Como Citar

DOS SANTOS, Érico J.; ALVES, C. M. S. D.; SANTOS DE JESUS, M. .; DOS SANTOS, N. C. N. Minha escola não existe? Política de expansão de vagas em interface com a regulamentação dos espaços. Revista de Políticas Públicas e Gestão Educacional (POLIGES), [S. l.], v. 2, n. 1, p. 281-303, 2021. DOI: 10.22481/poliges.v2i1.8248. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/poliges/article/view/8248. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos