MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE IGUAÍ/BA: DO GOLPE DE 2016 AO CONTEXTO DO COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/poliges.v1i1.8264

Palavras-chave:

Monitoramento e Avaliação do PME, Golpe de 2016, Pandemia

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo central analisar o processo de Monitoramento e Avaliação do Plano Municipal de Educação (PME) de Iguaí/BA e sua relação com o enfraquecimento da legislação educacional voltada para o desenvolvimento de políticas públicas educacionais, a partir do Golpe de 2016 até os tempos atuais. Tal discussão foi estabelecida dentro do contexto da Pandemia devido a Covid-19. As principais bases teóricas que sustentam este estudo estão pautadas em: Barreto; Rocha (2020); Brasil (2014); Saviani (2017; 2018); Lombardi (2018); Neta, Cardoso e Nunes (2018). Quanto aos aspectos metodológicos, realizou-se a pesquisa de campo com entrevistas semiestruturadas com integrantes da Equipe Técnica Municipal e com a secretária de educação e pesquisa documental com análise dos Relatórios de Monitoramento e Documento de Avaliação do PME. Sobre a estrutura do texto, inicialmente, apresentam-se alguns aspectos relacionados a esse enfraquecimento e como atingiu o Monitoramento e Avaliação do PME. Em seguida, descreve-se a relevância do Monitoramento e Avaliação do PME de modo geral e como este processo ocorreu em Iguaí/BA. Feita essa exposição, constata-se que existem algumas rupturas e descontinuidades ocorridas nas políticas públicas educacionais desde o Golpe de 2016, agravando-se com a Covid-19. Em relação ao Monitoramento e Avaliação do PME de Iguaí/BA, a Secretaria de Educação precisa encontrar alternativas para que este processo aconteça mesmo com o distanciamento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edcleide da Silva Pereira Novais, SMEC/Iguaí/BA

Mestre em Educação em Ciências. Pedagoga e licenciada em Artes com especialização em Educação Infantil e Políticas Públicas e Gestão da Educação. Tem experiência na Educação Básica e Ensino Superior. Pesquisa os seguintes temas: Educação do Campo, Políticas Públicas, Gestão Educacional, PME e PAR.

Daelcio Ferreira Campos Mendonça, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutor em Educação (UFBA). Mestre em Educação (UFBA). Especialista em Neuropsicologia (IBPEX). Graduado em Pedagogia (UFBA). Professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB-Itapetinga). Coordenador do Seminário de Políticas Públicas e Gestão Educacional. Coordenador da Especialização em Políticas Públicas e Gestão Educacional e Coordenador do Observatório de Políticas Públicas e Gestão Educacional-UESB-Itapetinga. 

Referências

ARANDA, M. A. de M; RODRIGUES, E. S. de S; MILITÃO, S. C. N. M. Monitoramento e Avaliação dos Planos Decenais de Educação: a produção do conhecimento no Brasil. DOSSIÊ - Novas e velhas formas de regulação da gestão dos sistemas educacionais. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, e69767, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/v36/1984-0411-er-36-e69767.pdf. Acesso em: 02 out. 2020.

ÁVILA, R. I. Palestra: “Rupturas de política econômica e o golpe de 2016”. IFCH–Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2018.

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rHcgKs8JpMk. Acesso em 28/09/2020.

BARRETO, A. C. F; ROCHA, D. S. Covid 19 e educação: resistências, desafios e (im)possibilidades. Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade, Bom Jesus da Lapa, v. 2, p. 01-11, jan./dez. 2020.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, 1994.

BORGES, M. F. Plano Municipal de Educação (2014-2024): o processo de Monitoramento e a participação do Comitê de Acompanhamento e Avaliação no município de Coração de Maria – Bahia. Mestrado Profissional em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação: UNEB/Salvador-BA, 2017.

BRASIL. O Plano Municipal de Educação: Caderno de Orientações. Brasília: MEC, 2014.

BRASIL. Substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Portaria Nº 544, de 16 de junho de 2020.

BRASIL. Normatiza procedimentos para a integralização da carga horária mínima do ano letivo afetado pelo estado de calamidade pública e para a reorganização do calendário escolar do ano letivo de 2020, à luz da Lei Federal N.º 14.040, de 18 de agosto de 2020. Resolução CEE N.º 50, DE 09 de novembro de 2020.

BRASIL. Orientações Educacionais para a Realização de Aulas e Atividades Pedagógicas Presenciais e Não Presenciais no contexto da Pandemia. Parecer CNE/CP nº 11/2020 de 07/07/2020.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para a implementação dos dispositivos da Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020, que estabelece normas educacionais excepcionais a serem adotadas durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020. Parecer CNE/CP nº 15 de 06/10//2020.

BRASIL. Normatiza procedimentos para a integralização da carga horária mínima do ano letivo afetado pelo estado de calamidade pública e para a reorganização do calendário escolar do ano letivo de 2020, à luz da Lei Federal N.º 14.040, de 18 de agosto de 2020. Parecer CEE nº 99/2020 de 10/11/2020.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. 2014.

DOURADO, L. F. Avaliação do Plano Nacional de Educação 2001-2009: questões estruturais e conjunturais de uma política. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 675-705, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n112/03. Acesso em: 02 out. 2020.

IGUAÍ. Plano Municipal de Educação. Secretaria Municipal de Educação. 2015.

IGUAÍ. Relatório de Monitoramento e Documento de Avaliação. 2017. 2018. 2019.

IGUAÍ. Decreto 004/2020 de 18 de março de 2020 - Estabelece medidas preventivas a serem adotadas no Município de Iguaí, objetivando o enfrentamento da pandemia ocasionada pelo novo Coronavírus (COVID19), e dá outras providências.

IGUAÍ. Decreto Nº 50/2020, de 31 de Julho de 2020 - Dispõe sobre a realização de atividades pedagógicas não presenciais (remotas), no âmbito da Rede Pública Municipal de Educação.

LOMBARDI, J. C.; LIMA, M. R. Golpes de estado e educação no Brasil: a perpetuação da farsa. In: KRAWCZYK, N; LOMBARDI, J. C. (Org). O Golpe de 2016 e educação no Brasil. 1ª ed. eletrônica. Uberlândia: Editora Navegando, 2018.

MENDONÇA, I; GOMES, M. F. Grupo focal: instrumento de coleta de dados na pesquisa em educação. Cad. Ed. Tec. Soc., v. 10, n. 1, p. 52-62, 2017.

MENEZES, A. M. F. Ciclo das políticas públicas. In: CAMPOS, M. F. H; LEÃO, J. A. C; NETO, J. F. B. (Orgs). Ciclo de políticas públicas: sistematização de experiências. Curitiba: Editora CRV, 2019.

NETO, A. C.; CASTRO, A. M. D. A.; GARCIA, L. T. S. Plano Municipal de Educação: elaboração, acompanhamento e avaliação no contexto do PAR. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 32, n. 1, p. 047 - 067 jan./abr. 2016.

OLIVEIRA, A. F. Políticas públicas educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. In: OLIVEIRA, Adão F. de; PIZZIO, Alex; FRANÇA George (Orgs.). Fronteiras da educação: desigualdades, tecnologias e políticas. Goiás: Editora da PUC, 2010. p. 93-99.

ODILLA, F. 5 anos depois, o que aconteceu com as reivindicações dos protestos que pararam o Brasil em junho de 2013? Reportagem no site da BBC News Brasil em Londres, no dia 09 de junho de 2018.

ORSO, P. J. Reformas educacionais em tempos de golpe ou como avançar andando para trás. In: LUCENA, C; PREVITALI, F. S.; LUCENA, L. (Org). A crise da democracia brasileira. 1ª ed. eletrônica. Uberlândia: Editora Navegando, 2017.

RUA, M. G. Políticas públicas (3a ed.) – Florianópolis : Departamento de Ciências da Administração / UFSC; [Brasília]: CAPES : UAB, 2014.

SAVIANI, D. A crise política no Brasil: o golpe e o papel da educação brasileira na resistência e na transformação. In: PREVITALI, Lucena, C; PREVITALI, F. S. (Orgs.). A crise da democracia brasileira. 1ª ed. eletrônica. Uberlândia: Editora Navegando, 2017.

SAVIANI, D. A crise política e o papel da educação na resistência ao golpe de 2016 no Brasil. IN: KRAWCZYK, N; LOMBARDI, J. C. (Orgs.). O Golpe de 2016 e educação no Brasil. 1ª ed. Eletrônica. Uberlândia: Editora Navegando, 2018.

SILVA, M. O. S. (Org.). Avaliação de políticas e programas sociais: teoria e prática. São Paulo: Veras, 2001.

TEMER, M. Plano a ponte para o futuro. 2015. Disponível em: https://www.fundacaoulysses.org.br/wp-content/uploads/2016/11/UMA-PONTEPARA-O-FUTURO. pdf. Acesso em: 08 de outubro de 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

NOVAIS, E. da S. P.; MENDONÇA, D. F. C. MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE IGUAÍ/BA: DO GOLPE DE 2016 AO CONTEXTO DO COVID-19. Revista de Políticas Públicas e Gestão Educacional (POLIGES), [S. l.], v. 1, n. 1, p. 86-110, 2020. DOI: 10.22481/poliges.v1i1.8264. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/poliges/article/view/8264. Acesso em: 23 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos