Gramática e História Cultural: alguns fundamentos teóricos (Grammar and Cultural History: some theoretical fundamentals)

  • Maurício Silva Universidade Nove de Julho (Uninove/Brasil)

Resumo

O presente ensaio procura analisar alguns aspectos teóricos provenientes da História Cultural, particularmente na sua aplicação ao estudo da gramaticografia. Nesse sentido, busca-se avaliar as possibilidades de relação entre a gramática e os conceitos de cultura, de ideologia e de imaginário.
PALAVRAS-CHAVE: Gramática. Língua Portuguesa. Historiografia Lingüística. História Cultural.


ABSTRACT
The present essay analyzes some methodological aspects of the Linguistic Historiography, as well some theoretic aspects of the Cultural History. Furthermore, it analyzes the possibilities of relation between the grammar and the concepts of culture, ideology and imaginary.
KEYWORDS: Grammar. Portuguese. Linguistic Historiography. Cultural History.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Maurício Silva é doutor em Letras Clássicas e Vernáculas pela Universidade de São Paulo; realizou estágio de pós-doutorado na mesma universidade. É membro da American Association of Teachers of Spanish and Portuguese (University of Northern Colorado), da Brazilian Studies Association (University of New Mexico), da Modern Language Association (New York) e outras associações nacionais e estrangeiras; pesquisador do Instituto de Pesquisas Lingüísticas Sedes Sapientiae para Estudos de Português (PUC-SP);editor científico da revista Dialogia (ISSN: 1677-1303); professor de Literatura Brasileira (graduação e pós-graduação) na Universidade Nove de Julho; autor dos livros: Noções Elementares de Gramática da Língua Portuguesa (Plêiade, São Paulo, 1997); O Pensamento Dominado. Estrutura e Prática do Texto Dissertativo (Plêiade, São Paulo, 1998); Sentidos Secretos. Ensaios de Literatura Brasileira (Altana, São Paulo, 2005); A Hélade e o Subúrbio. Confrontos Literários na Belle Époque Carioca (São Paulo, Edusp, 2006); O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (São Paulo, Contexto, 2008); possui trabalhos publicados em livros e periódicos diversos, como Magma (Universidade de São Paulo), Itinerários (Unesp/Araraquara), Letras (Universidade Federal do Paraná), Revista de Estudos da Linguagem (Universidade Federal de Minas Gerais), Luso-Brazilian Review (Estados Unidos), Inter-American Review of Bibliography (Estados Unidos), Les Langues Neo-Latines (França), Nordic Journal of Latin American Studies (Suécia) e outros.

Referências

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Unicamp, 1992.
CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Lisboa/Rio de Janeiro: Difel/Bertrand, s.d.
CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os Séculos XIV e XVII. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.
CHARTIER, Roger. Do palco à página: publicar teatro e ler romances na Época Moderna (Séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002a.
CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: Unesp, 2002b.
CHARTIER, Roger. Formas e sentidos: cultura escrita: entre Distinção e Apropriação. Campinas: Mercado de Letras/ALB, 2003.
DOSSE, François. A história em migalhas: dos Annales à Nova História. Campinas:Unicamp, 1992.
HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
KOERNER, Konrad. O Problema da Metalinguagem em Historiografia da Lingüística. Delta. São Paulo, v. 12, n. 1, p. 95-124, 1996a.
KOERNER, Konrad. Questões que persistem em Historiografia Lingüística. Revista da Anpoll, São Paulo, n. 2, p. 45-70, 1996b.
MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária. Enunciação, Escritor, Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
ROJAS, Carlos Antônio Aguirre. Os Annales e a Historiografia Francesa: Tradições Crítica de Marc Bloch a Michel Foucault. Maringá: Eduem, 2000.
SALIBA, Elias Thomé. Mentalidades ou História Sociocultural; a Busca de um Eixo Teórico para o Conhecimento Histórico. Margem. São Paulo, n. 1, p. 29-36, 1992.
SILVA, Rogério Forastieri. História da Historiografia. Capítulos para uma História das Histórias da Historiografia. Bauru: Edusc, 2001.
SWIGGERS, Pierre. Reflections on (Models for) Linguistic Historiography. In: HÜLLEN, Werner (Ed.). Understanding the Historiography of Linguistics: problems and projects. Münster: Nodus, p. 21-34, 1989.
VAIFAS, Ronaldo. Os protagonistas anônimos da história: Micro-História. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
VAINFAS, Ronaldo. História das Mentalidades e História Cultural. In: VAINFAS, Ronaldo; CARDOSO, Ciro Flamarion (Org.). Domínios da História: ensaios de Teoria e Metodologia. Campinas: Campus, 1997, p. 127-162.
VEYNE, Paul. Comment on écrit l’histoire. Paris: Seuil, 1978.
VOVELLE, Michel. Ideologias e mentalidades. São Paulo: Brasiliense, 1987.
WIILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1992.
Publicado
2009-12-30
Como Citar
SILVA, Maurício. Gramática e História Cultural: alguns fundamentos teóricos (Grammar and Cultural History: some theoretical fundamentals). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 7, n. 3, p. 119-130, dez. 2009. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1109>. Acesso em: 22 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v7i3.1109.