A BNCC e o parâmetro do mercado para a qualidade do ensino: contrassenso a uma educação crítico-emancipatória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/poliges.v2i1.8526

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Ciências Humanas, Pedagogia das Competências, Privatização da educação

Resumo

Neste artigo trazemos reflexões a partir de alguns documentos e estudos realizados por pesquisadores que discutem a privatização da educação e as parcerias público-privadas da educação pública que tem acontecido em escala mundial. No contexto educacional tais interesses têm se consolidado por meio de programas educacionais advindos principalmente do Banco Mundial – BM, de agências internacionais como a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, de empresas e Organizações da Sociedade Civil que buscam consolidar o projeto neoliberal na educação. Destacamos para o nosso estudo, a área de Ciências Humanas da Base Nacional Comum Curricular – BNCC e sua pedagogia das competências, a qual tem servido como suporte para a consolidação desses interesses empresariais na educação, implementando uma educação conservadora em detrimento da perspectiva crítico-emancipatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlete Ramos dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutora em Educação (UFMG), Pós-doutorado em Educação e Movimentos Sociais pela UNESP; Professora Titular do DCHEL/UESB; Profa. do PPGED/UESB e do PPGE/UESC –Brasil. Email: arlerp@hotmail.com 

Adelson Ferreira da Silva, Universidade do Estado da Bahia

Professor Assistente da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Email:ferreira.adelson@yahoo.com.br

Maria Isabel González Terreros, Universidad Pedagógica Nacional de Colombia

Professora e investigadora de la Universidad Pedagógica Nacional de Colombia. Es doctora en Estudios Latinoamericanos por la Universidad Nacional Autónoma de México, UNAM, Magister en Enseñanza de la Historia y Licenciada en Ciencias Sociales por la Universidad Pedagógica Nacional. Correo electrónico: isabelgonzalezt@yahoo.es

Referências

ABBAGNANO, Nicola. História da filosofia. V. 5. 4 ed. Trad. .... Trad. Roberto de Andrade Martins. São Paulo: Nova Stella; Rio de Janeiro: Coppe: MAST, 2003.

ADRIÃO, Theresa. Dimensões e formas da privatização da educação no Brasil: caracterização a partir de mapeamento de produções nacionais e internacionais. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 1, p. 8-28, jan./abr. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss1articles/adriao.pdf Acesso em 26/10/2019.

ADRIÃO, T. A privatização da educação básica no Brasil: considerações sobre a incidência de corporações na gestão da educação pública. In Araújo, L e Pinto, J. M. R (orgs). Público X privado em tempos e crise. São Paulo: Fundação Lauro campos e Fineduca. 2017. p.16-37.

AKIBA, M.; LE TRENDE, G. K. (Eds). International Handbook of Teacher Quality and policy. Nova York: Routledge, 2018.

BALL, Stephen; JUNEMANN, Carolina. Networks, New Governance and Education. Bristol: Policy Press, 2012.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Tradução de Fernanda Siqueira de Miguens. 1 ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BANCO MUNDIAL. Education sector Strategy update: acheieving education for all. Broadening our perspective, maximizing our effectiveness. Board of directors, Dez. 2005.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRASIL, Lei n. 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial de 26 de junho de 2014. Brasília, 2014.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96. Brasília, 1996.

BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, 2017.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 4, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2018. Institui a Base Nacional Comum Curricular na Etapa do Ensino Médio (BNCC-EM). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2018-pdf/104101-rcp004-18/file Acesso em 26/10/2019.

CARVALHO, Cristina Helena Almeida de. A mercantilização da educação superior brasileira e as estratégias de mercado das instituições lucrativas. Rev. Bras. Educ. vol. 18 n.54 Rio de Janeiro July/Sept. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782013000300013http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782013000300013

DAVEY, K ; DEVAS, N. Urban Government Finance. In Davey, K (ed.) Urban Management, the Challenge of Growth. Avebury: Aldershot, 1996.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. A situação atual dos cursos de licenciatura no Brasil frente à hegemonia da educação mercantil e empresarial. In: DINIZ-PEREIRA; ZEICHNER. Formação de Professores S.A. 1. Ed. Belo Horizonte : Editora Autêntica, 2019.

DINIZ-PEREIRA; ZEICHNER. Formação de Professores S.A. 1. Ed. Belo Horizonte : Editora Autêntica, 2019.

DOWBOR, L. A captura do poder pelo sistema corporativo. In http://dowbor.org/2016/06/a-captura-dopoder-pelo-sistema-corporativo.html/. Acesso maio 2017.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo; MARCHETI, Renato Vairo Belho. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

HARVEY, D. A Brief History of Neoliberalism. Oxford. Oxford University Press, 2005.

LAVAL, Chrístian. O ataque estratégico do neoliberalismo à educação. 2019. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2019/09/30/o-ataque-estrategico-do-neoliberalismo-a-educacao/ Acesso em: 26/10/2019.

LIBANEO; José Carlos; ALVES, Nilda (Org.). Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012. 2012, p. 336-337.

LIMA, P. D. B. A excelência em gestão pública: a trajetória e estratégia da Gespública. Rio de Janeiro : Qualitymark, 2007.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Tradução por Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril Cultural, 1985. Livro 1, v.1, t.1. (Os economistas).

NOVAIS, E. da S. P.; MENDONÇA, D. F. C. Monitoramento e avaliação do Plano Municipal de Educação de Iguaí/Ba: do golpe de 2016 ao contexto do covid-19. Revista de Políticas Públicas e Gestão Educacional (POLIGES), [S. l.], v. 1, n. 1, p. 86-110, 2020. DOI: 10.22481/poliges.v1i1.8264. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/poliges/article/view/8264 . Acesso em: 26 abr. 2021.

OLIVEIRA, R. P. A. A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, p. 739-760, out. 2009.

PASSARELI, Hugo. MEC tem sido incapaz de tocar políticas públicas. Entrevista com Priscila Cruz. Valor. 5.4.2019. Disponível em: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2019/04/05/mec-tem-sido-incapaz-de-tocar-politicas-publicas.ghtml . Acesso em 27/10/2019.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

PACHECO, José. A. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 2001.

PERRENOUD, Philippe. MAGNE, B. C. Construir: as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

REDUCA. Declaração da Rede Latino-americana de organizações da Sociedade Civil pela Educação posterior a Cúpula das Américas, 2016. Disponível em http://www.todospelaeducacao.org.br/biblioteca/1506/declaracao-da-reduca-posterior-a-cupula-das-americas-2015. Acesso em 26/10/2019.

ROBERTSON, S. Placing Teachers in Global Governance Agendas. Comparative Educatinons Revien, Chicago, v. 56, n. 4, p. 584-607, nov. 2012.

SAHLBERG, P. Finnish Lessons: What Can the World Learn Fron Edicational Change in Finland? Nova York: Teachers College Press, 2012.

SANTOS, Arlete Ramos dos.; VIEIRA, Emília Peixoto.; SANTOS, Ivanei de Carvalho dos. O público e o privado na educação brasileira: um estudo de parcerias realizadas na Bahia. O Público e o Privado · nº 30. jul/dez · 2017.

SANTOS, Arlete Ramos dos; CARDOSO, Elisângela Andrade Moreira; OLIVEIRA, Niltânia Brito. Os Impactos do PAR nos Municípios de Vitória da Conquista, Ilhéus e Itabuna (2013 – 2017). Práxis Educacional, [S.l.], v. 13, n. 26, mar. 2018. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/2823>. Acesso em: 27 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/praxis.v13i26.2823.

SILVA, Adelson Ferreira da.; GOMES, Suzana dos Santos. O direito fundamental à educação como instrumento de inclusão social do trabalhador e a ideologia privatista nas políticas de educação. In: MARTINS, Juliane Caravieri; PASCHOALINO, Jussara Bueno de Queiroz; MONTAL, Zélia Maria Cardoso. Trabalho digno, educação e inclusão social, v.2. Belo Horizonte: 2019 Arraes Editores, 2019.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Educação já! Uma proposta suprapartidária de estratégia para a educação básica brasileira e prioridades para 2019-2022. Versão para debate 3ª edição, novembro/2018.

ZEICHNER, K. Introdução. In: DINIZ-PEREIRA; ZEICHNER. Formação de Professores S.A. 1. Ed. Belo Horizonte : Editora Autêntica, 2019. Trad. Andreas Lieber.

Downloads

Publicado

2021-05-11

Como Citar

SANTOS, A. R. dos; DA SILVA, A. F. .; TERREROS, M. I. G. . A BNCC e o parâmetro do mercado para a qualidade do ensino: contrassenso a uma educação crítico-emancipatória. Revista de Políticas Públicas e Gestão Educacional (POLIGES), [S. l.], v. 2, n. 1, p. 01-20, 2021. DOI: 10.22481/poliges.v2i1.8526. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/poliges/article/view/8526. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos