Racismo na Família e a Construção da Negritude: Embates e Limites entre a Degradação e a Positivação na Constituição do Sujeito

  • Lia Vainer Schucman Universidade de São Paulo
  • Mônica Mendes Gonçalves Universidade de São Paulo

Resumo

Este artigo pretende abordar os impactos que a vivência do racismo dentro do ambiente familiar tem na subjetividade dos indivíduos. Interpela, portanto, os modos como essa experiência interfere na formação da identidade do sujeito, na sua autoimagem e na construção da estima por si mesmo. Esses processos, múltiplos e complexos, serão observados a partir da análise do relato das histórias e experiências de vida de uma pessoa, Mariana. Embora trate de Mariana, através de sua voz, muitos outros falam. Muitas famílias brasileiras estão aqui representadas, na vivência dolorida de muitas mulheres e homens que experimentaram o racismo desde a tenra infância. Contado e vivificado por ela, assim como interpretado à luz dos significantes e significados que ela atribui a essas vivências, seu relato permite pensar os efeitos psicossociais da experiência da violência racial e do racismo quando ele é vivido pelos sujeitos negros nos arranjos familiares em que o branco da família é explicitamente racista. 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-27
Como Citar
SCHUCMAN, Lia Vainer; GONÇALVES, Mônica Mendes. Racismo na Família e a Construção da Negritude: Embates e Limites entre a Degradação e a Positivação na Constituição do Sujeito. ODEERE, [S.l.], v. 2, n. 4, p. 61-83, dez. 2017. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/2366>. Acesso em: 14 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v0i4.2366.