Gênese do racismo no processo migratório brasileiro

Autores

Palavras-chave:

Racismo, Migrações, Epistemologias Descolonizadoras

Resumo

Situações históricas produzem(iram) marcas físicas e/ou emocionais significativas na vida das pessoas que vivem(ram) no Brasil, causando desequilíbrios em toda a sociedade, com problemas sérios de convivência, sobretudo no que tange ao racismo estrutural. Com base nisso, esse estudo parte da seguinte questão geradora: considerando o Brasil um país composto por migrantes de diversas raças/etnias, por que prevalece o racismo? Para tanto possui como objetivo geral analisar a gênese do racismo a partir dos processos migratórios, especificamente, discutir legislações, mitos e costumes para compreensão do processo de racismo à brasileira que coaduna com a intenção de seu combate, analisar as situações históricas de controle de “uns” sobre os “outros” inventariados nos encontros coloniais. Trata-se de uma revisão de literatura dissertativa e configura-se como uma pesquisa exploratória. Constata-se que a gênese do racismo, subjacente às legislações, mitos e costumes pretéritos, continua a se reproduzir. Portanto, é fundamental epistemologias descolonizadoras, educação no sentido da inclusão, pertença nas representações e construções de identidades para pôr fim ao racismo estrutural e à brasileira.

Biografia do Autor

Clodoaldo Silva da Anunciação, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Doutor em Direito pela Université Paris 1 Panthéon - Sorbonne em cotutela e dupla diplomação com a Universidade de São Paulo (USP), mestre em Direito pela Universidade Federal da Bahia. Professor Adjunto na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Vice-líder do grupo de Pesquisa Observatório das Migrações do Estado da Bahia (UESC). Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Direitos Humanos e Fundamentais- GPDH (UESC). Promotor de Justiça no Ministério Público do Estado da Bahia, Idealizador do programa " O MP e os Objetivos do Milênio: Saúde e Educação de Qualidade para Todos, ganhador do prêmio de Melhor Projeto na categoria de Defesa dos Direitos Fundamentais do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP, 2013) e  menção honrosa do Prêmio Innovare (2014). 

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Taxa de homicídios de mulheres negras é mais que o dobro da de mulheres brancas. Yara Aquino. Publicado: 16/10/2015. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2015-10/homicidios-de-mulheres-negras-sao-mais-que-o-dobro-de-mulheres. Acesso em 10 set. 2020.

AGÊNCIA BRASIL. Europeus consideram Brasil uma potência, diz Durão Barroso. Renata Giraldi. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-10-04/europeus-consideram-brasil-uma-potencia-diz-durao-barroso. Acesso em 05 set. 2020

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

BERNARDINO, Joaze. Ação afirmativa e a rediscussão do mito da democracia racial no Brasil. Estud. afro-asiát., Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 247-273, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-546X2002000200002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 março 2020.

BRASIL. Lei 581 de 04 de setembro de 1850. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LIM/LIM581.htm Acesso em 05 set. 2020.

BRASIL. Lei 2040 de 28 de setembro de 1781. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim2040.htm Acesso em 20 set. 2020.

BRASIL. Lei n. 3270, de 28 de setembro de 1885. Disponível em: https://www.bn.gov.br/explore/curiosidades/28-setembro-1885-promulgada-lei-sexagenarios. Acesso em 21 set. 2020

BRASIL. Letra oficial no site do Palácio do Planalto. Disponível em: https://www.letras.mus.br/hinos/hino-da-proclamacao-da-republica/. Acesso em 20 set. 2020.

BRASIL. Lei 3.353, de 13 de maio de 1888. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM3353.htm Acesso em 21 set. 2020.

BULA ROMANUS PONTIFEX. Disponível em: http://www.baciadasalmas.com/bula-romanus-pontifex/. Acesso em 05. fev. 2016.

CHAUI, Marilena. Brasil: Mito Fundador e Sociedade Autoritária, São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

CONSEJO CIUDADANO PARA LA SEGURIDAD PÚBLICA Y LA JUSTICIA PENAL A.C. Disponível em: http://www.seguridadjusticiaypaz.org.mx/biblioteca/prensa/send/6-prensa/198-las-50-ciudades-mas-violentas-del-mundo-2014. Acesso 10 set. 2020.

DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco:1986.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro à Sociedade de Classes. São Paulo, FFLCH-USP, 1964In: Macedo Soares, 1939, p. 25-8.

FERRAJOLI, Luigi. A Soberania no mundo moderno. São Paulo: Martins Fontes. 2002.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob regime da economia patriarcal. 49 ed. São Paulo: Global, 2004.

GOBINEAU, J. A diversidade moral e intelectual das raças, 1856.

HABERMAS, Jürgen. Teoria da ação comunicativa. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

NEW YORK TIMES. Reportagem: Brasileiros continuam a viver em negação sobre peso do racismo na sociedade. Jornalista: Vanessa Bárbara. 24 março 2015. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/the-international-new-york-times/2015/03/24/em-negacao-sobre-o-racismo-no-brasil.htm. Acesso em 20 set. 2020.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: Edições n. 1, 2018, p. 146.

MUNANGA, Kabengele. Diversidade identidade, etnicidade e cidanania. Conferência proferida no 1º Seminário do III Concurso Negro de Educação. São Paulo. 21 agosto de 2003.p. 2. Disponível em http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/09/Palestra-Kabengele-DIVERSIDADEEtnicidade-Identidade-e-Cidadania.pdf. Acesso em 14 maio 2020.

NASCIMENTO, W. e PEREIRA, M. S. Desafios de Pesquisar os “Outros” em Contextos Coloniais Africanos. In: Santana, M.; Ferreira, E.; Nascimento, W. Luanda & Bahia: identidades e etnicidades em contextos contemporâneos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2020.

NINA RODRIGUES, R. de. Os africanos no Brasil, 2 ed. São Paulo: Nacional, 1935.

O GLOBO. Papa pede desculpas a indígenas por cumplicidade da Igreja durante era colonial. Disponível em: http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/papa-pede-desculpas-indigenas-por-cumplicidade-da-igreja-durante-era-colonial-16722556#ixzz3yp89Y2yn. Acesso em 5 set. 2020.

ONU. Rapport de la Rapporteuse spéciale sur les questions relatives aux minorités sur sa mission au Brésil. Conseil des droits de l’homme. Rita Izsák. Distr. générale 9 février 2016. Disponível em: https://www.ohchr.org/fr/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?NewsID=17233&LangID=FA . Acesso em 02 set. 2020.

PEREIRA, João Baptista Borges. Diversidade e pluralidade: o negro na sociedade brasileira. Rev. USP, São Paulo, n. 89, maio 2011. Disponível em http://rusp.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-99892011000200019&lng=pt&nrm=iso. Acessos em 21 set. 2020.

REALE, Miguel. Atualidades Brasileiras. 2 ed. Rio de Janeiro. Schmitd Edittor, 1937.

RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: A Formação e o Sentido do Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SCHWARCZ, L. M. & STARLING, H. M. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Schwarcz S.A., 2015.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial (1550-1835). São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SILVA FILHO, José Carlos Moreira. Da “invasão” aos sistemas penais de hoje: o discurso da inferioridade latino-americana. In: WOLKMER, Antônio Carlos (org). Fundamentos da História do Direito. 8 ed. Belo Horizonte (MG): Del Rey, 2014, p. 359 – 407.

SPIVAK, Gayati Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução Sandra Regina Goulart Almeida, MARCOS Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

SOARES, Luiz Carlos. O “povo de Cam” na capital do Brasil: A escravidão Urbana no Século XIX: Rio de Janeiro: 7 letras, 2007.

SORJ, Bernardo. A Democracia inesperada: cidadania, direitos humanos e desigualdade social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2004.

TAGUIEFF, Pierre André. La force du préjugé: essai sur le racisme et ses doublés, Paris: Editions de la Découverte, 1987.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

UNODC. Dados do Mapa da Violência de 2014. Levamento do Global Study on Homicide: Trend, contexts data de 2013 do UNODC. Disponível em: https://www.unodc.org/documents/gsh/pdfs/2014_GLOBAL_HOMICIDE_BOOK_web.pdf. Acesso em 20 set. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31