Avaliação do tempo resposta à cena em envolvidos em acidentes de trânsito com motocicletas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rsc.v18i2.10754

Palavras-chave:

Tempo de Reação, Serviços Médicos de Emergência, Acidentes de Trânsito, Motocicletas

Resumo

O estudo teve como objetivo: Analisar o tempo resposta (TR) do atendimento pré-hospitalar - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) - em envolvidos em acidentes com motocicletas. Trata-se de um Estudo epidemiológico transversal de caráter descritivo. Análise realizada foi estatística descritiva. Dos atendimentos com TR inadequado 70,9% foram homens, na faixa etária entre 18 a 35 anos 66,1%, em via pública 90,1%, entre sexta-feira e domingo 56,8%, escoriações 48,5%, ferimento corto contuso 14,6% e fratura fechada 4,1%, dos atendimentos com TR inadequado, 92,8% e 80,4% os envolvidos foram conduzidos por uma unidade de suporte básico (USB), nessa ordem, com TR inadequado. A variável local do acidente apresentou valor de p < 0,001. O número elevado de atendimento realizado pelo SAMU com TR inadequado, revelou à necessidade de implementar medidas que encurte TR.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson Paixão Cardoso, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professor Adjunto do Departamento de Saúde II,  (UESB).

Adriana Alves Nery, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora Adjunto do Departamento de Saúde II.

Juliana da Silva Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora Adjunto do Departamento de Saúde II

Referências

Ascari RA, Chapieski CM, Silva OM da, Frigo J. Perfil epidemiológico de vítimas de acidente de trânsito. Revista de Enfermagem da UFSM. 8 de julho de 2013;3(1):112–21. Disponível em: https://doi.org/10.5902/217976927711

Malvestio MAA, Sousa RMC de. Suporte avançado à vida: atendimento a vítimas de acidentes de trânsito. Revista de Saúde Pública. outubro de 2002;36(5):584–9. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000600007

Andrade SSC de A, Jorge MHP de M, Andrade SSC de A, Jorge MHP de M. Hospitalization due to road traffic injuries in Brazil, 2013: hospital stay and costs. Epidemiologia e Serviços de Saúde. março de 2017;26(1):31–8. Disponível em: https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000100004

Mascarenhas MDM, Barros MB de A. Caracterização das internações hospitalares por causas externas no sistema público de saúde, Brasil, 201. Revista Brasileira de Epidemiologia. dezembro de 2015;18(4):771–84. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-5497201500040008

Martins ET, Boing AF, Peres MA. Mortalidade por acidentes de motocicleta no Brasil: análise de tendência temporal, 1996-2009. Revista de Saúde Pública. outubro de 2013;47(5):931–41. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672003000100015

Silva MGP da, Silva V de L, Lima MLLT de. Lesões craniofaciais decorrentes de acidentes por motocicleta: uma revisão integrativa. Revista CEFAC. outubro de 2015;17(5):1689–97. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-021620151751715

Ciconet RM. Tempo resposta de um serviço de atendimento móvel de urgência. [Porto Alegre]: Universidade Federaldo Rio Grande do Sul; 2015. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/129481

Sampalis JS, Denis R, Fréchette P, Brown R, Fleiszer D, Mulder D. Direct transport to tertiary trauma centers versus transfer from lower level facilities: impact on mortality and morbidity among patients with major trauma. J Trauma. agosto de 1997;43(2):288–95; discussion 295-296. Disponível em: https://doi.org/doi: 10.1097 / 00005373-199708000-00014

Al-Shaqsi SZK. Response time as a sole performance indicator in EMS: Pitfalls and solutions. Open Access Emerg Med. 8 de janeiro de 2010;2:1–6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4806820/

IBGE [Internet]. 2018 [citado 26 de abril de 2018]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/jequie/panorama

CNES [Internet]. 2018 [citado 26 de abril de 2018]. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/consulta.jsp

Silva NC, Nogueira LT. AVALIAÇÃO DE INDICADORES OPERACIONAIS DE UM SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA. Cogitare Enfermagem [Internet]. 30 de setembro de 2012 [citado 25 de julho de 2017];17(3). Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/29287

Gawryszewski VP, Coelho HMM, Scarpelini S, Zan R, Jorge MHP de M, Rodrigues EMS. Perfil dos atendimentos a acidentes de transporte terrestre por serviços de emergência em São Paulo, 2005. Revista de Saúde Pública. abril de 2009;43(2):275–82. Disponível em: https://doi.org/doi:10.1590/S0034-89102009000200008

Nery AA, Alves M da S, Rios MA, Assunção PN de, Filho SAM. Perfil epidemiológico da morbimortalidade por causas externas em um hospital geral. Journal of Nursing UFPE on line. 15 de janeiro de 2013;7(2):562–71. Disponível em:10.5205/1981-8963-v7i2a10268p562-571-2013

Villavicencio ML villavicencio. Tiempo de respuesta en el transporte primario de prioridades I y II en el servicio de sistema de transporte asistido de emergencia STAE-ESSALUD. Revista Científica de la Sociedad Española de Medicina de Urgencias y Emergencias. outubro de 2008;20(5):316–21. Disponível em:https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/ibc-67476

Mendonça MFS de, Silva AP de SC, Castro CCL de. Análise espacial dos acidentes de trânsito urbano atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: um recorte no espaço e no tempo. Revista Brasileira de Epidemiologia. dezembro de 2017;20(4):727–41. Disponível em: https://doi.org/doi:10.1590/1980-5497201700040014

Minayo MC de S, Deslandes SF. Análise da implantação do sistema de atendimento pré-hospitalar móvel em cinco capitais brasileiras. Cadernos de Saúde Pública. agosto de 2008;24(8):1877–86. Disponível em: https://doi.org/doi:10.1590/S0102-311X2008000800016

Simoneti FS, Cunha LO, Gurfinkel Y, Mancilha TS, Campioni FC, Cabral AH, et al. Padrão de vítimas e lesões no trauma com motocicletas. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. 8 de abril de 2016;18(1):36–40. Disponível em: https://doi.org/doi:10.5327/Z1984-4840201624711

Price L. Treating the clock and not the patient: ambulance response times and risk. Qual Saf Health Care. abril de 2006;15(2):127–30. Disponível em: https://doi.org/doi:10.1136/qshc.2005.015651

Tavares FL, Coelho MJ, Leite FMC. Homens e acidentes motociclísticos: caracterização dos acidentes a partir do atendimento pré-hospitalar. Escola Anna Nery. dezembro de 2014;18(4):656–61. Disponível em: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140093

Fitch J. Response times: myths, measurement & management. JEMS. setembro de 2005;30(9):47–56. Disponível em:https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16381089/

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Santos Souza, S., Paixão Cardoso, J., Adriana Alves Nery, & da Silva Oliveira, J. (2022). Avaliação do tempo resposta à cena em envolvidos em acidentes de trânsito com motocicletas. Revista Saúde.Com, 18(2). https://doi.org/10.22481/rsc.v18i2.10754

Edição

Seção

Artigos originais