Sobre algumas regras do debate na argumentação em democracias (On some rules of debate in argumentation of democracies)

Autores

  • Frederico Rios C. dos Santos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v18i2.6229

Palavras-chave:

Retórica, Argumentação, Análise do discurso, Impeachment, Dilma Rousseff

Resumo

A argumentação nos espaços públicos de deliberação das sociedades abertas implica a responsabilidade de quem toma a palavra. A inobservância das chamadas “regras do debate” seria, assim, um exemplo do uso público da palavra irresponsável, obstaculizando a crítica. Pergunta-se, com efeito, se, no que diz respeito à votação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, essas regras básicas da argumentação teriam sido negligenciadas, e como isso pode ter comprometido o debate democrático. Com o auxílio de conceitos das ciências da linguagem, como os de “retórica da denunciação”, “retórica da conspiração”, “pathos de ressentimento”, “ethos de expert”, entre outros, a pesquisa apontou no sentido de que, uma vez que os deputados, independentemente de sua orientação cultural e política, tenderam, em sua maioria, a desprezarem regras inerentes ao debate, o Parlamento entendido como a esfera pública de deliberação se revelou próprio das sociedades dogmáticas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOSSY, Ruth. L’argumentation dans le discours. Armand Colin: Paris, 2006.
ANGENOT, Marc. Dialogues de sourds: traité de rhétorique antilogique. Paris: Mille et une nuits, 2008.
ATA da 91ª Sessão da Câmara dos Deputados, Deliberativa Extraordinária, Vespertina, da 2ª Sessão Legislativa Ordinária, da 55ª Legislatura, em 17 de abril de 2016. Sessão: 091.2.55.0. Departamento de taquigrafia, revisão e redação. Câmara dos Deputados. Brasil.
CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e Discurso. São Paulo: Contexto, 2008.
CORTÁZAR, Naiara Galarraga. Olavo de Carvalho, o onipresente oráculo do bolsonarismo. El País. 13 de abr. 2019. Disponível em: < https://brasil.elpais.com/brasil/2019/04/14/politica/1555201232_670246.html >. Acesso em: 21 de ago. 2019.
DANBLON, Emmanuelle. Argumenter en démocratie. Bruxelles: Éditions Labor, 2004.
DANBLON, Emmanuelle; NICOLAS, Loïc. Modernité et “théories du complot”: un défi épistémologique. In: DANBLON, Emmanuelle; NICOLAS, Loïc. Les rhétoriques de la conspiration. Paris: CNRS Éditions, 2010.
DESCARTES, René. Discurso do Método. São Paulo: Nova Cultural, 1996a.
DONOT, Morgan; EMEDIATO, Wander. La construction de la figure des leaders: ethos, identité et charisme en perspective compare. Revue française des sciences de l’information et de la communication, n. 7, 2015. Disponível em: < https://journals.openedition.org/rfsic/1588?lang=en >. Acesso em: 18 de nov. 2019.
LIMA, Helcira Maria Rodrigues de. Na tessitura do Processo Penal: a argumentação no Tribunal do Júri. 2006. 260f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Belo Horizonte, 2006.
MACEDO, Fausto. ‘A jararaca tá viva’, diz ex-presidente. Estadão. 4 de mar. 2016. Disponível em: < https://goo.gl/o8nmF8 >. Acesso em: 05 de dez. 2017.
MAINGUENEAU, Dominique. Cenas de Enunciação. Curitiba: Criar, 2006.
PLANTIN, Christian. L’Argumentation. Paris: Seuil, 1996.
SANTOS, Frederico Rios C. dos. A Retórica da Guerra Cultural no Parlamento brasileiro: a argumentação no impeachment de Dilma Rousseff. 2019. 315f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Belo Horizonte, 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-03

Como Citar

Santos, F. R. C. dos. (2020). Sobre algumas regras do debate na argumentação em democracias (On some rules of debate in argumentation of democracies). Estudos Da Língua(gem), 18(2), 163-179. https://doi.org/10.22481/el.v18i2.6229