NAS TRILHAS DO QUILOMBO SAMBAÍBA: etnografia de um saber-fazer que se transforma

Resumo

Este artigo é parte de minha pesquisa de doutorado em que discuto a complexidade de me colocar no lugar do Outro para compreendê-lo. Apresenta a comunidade tradicional de Sambaíba, município de Caetité-BA, seu saber-fazer e problematiza a construção de identidades cambiantes e/ou fragmentadas a partir da interpretação de elementos simbólicos presentes nas narrativas e expressões face-corporais dos participantes. Uma etnografia sobre/com o Outro em minha experiência com o corpo. Ver-me pensando e observando e, simultaneamente, sendo pensada e observada pelos afrodescendentes é a construção de uma episteme para a vida acadêmica e humana.


Palavras-chave: Quilombo Sambaíba; Saber-fazer; Identidades cambiantes.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Disponível em:< https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2018-05/menos-de-7-das-areas-quilombolas-no-brasil-foram-tituladas> Acesso em: 12.05.2020.

ANJOS, H. P. dos. O espelho em cacos: análise dos discursos imbricados na questão da inclusão. 2006. 329f. Tese (Doutorado)- Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

ANDRADE, C. D. Alguma poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

BASTOS, L.C.S.L. Educação: culturas das infâncias e identidades em construção no quilombo Sambaíba, Caetité-BA/Brasil.2018. 487f. Tese (Doutorado)- Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte: 2018.

BEZERRA, K. Feijão de corda e seus benefícios para o organismo. São Paulo: Remédio Caseiro, 15 fev. 2016. Disponível em: Acesso em: 21 ago. 2017.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Sobre a tradicionalidade rural que existe entre nós. In: OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. MARQUES, Marta Inez Medeiros. (Orgs.). O Campo no Século XXI: território de vida, de luta e de construção da justiça social. São Paulo: Casa Amarela,Paz e Terra, 2004.

BRASIL. Fundação Cultural Palmares. Disponível em: < http://www.palmares.gov.br/?page_id=52126> Acesso em: 10.mai.2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Caatinga. Brasília: MMA, 2017. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/biomas/caatinga > Acesso em: 12.fev. 2018.

BRASIL. Decreto nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm> Acesso em: 10.mai.2020.

CARVALHO, P. M. A travessia Atlântica de árvores sagradas: estudo de paisagens e arqueologia em áreas remanescentes de quilombos em Vila Bela/MT. 256f. Dissertação(Mestrado)-Programa de Pós-graduação em Arqueologia do Museu de Arqueologia e Etnografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. https://doi.org/10.11606/d.71.2012.tde-28082012-141548

DUTRA, N. O. Mangazeiros ou quilombolas: experiências culturais e religiosas no Médio são Francisco. Politeia: História e Sociedade. Vitória da Conquista v. 13, n. 1, p. 165-180.2013.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 2ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

HALL, S. Identidade e cultura na pós-modernidade. 11 ed. tradução t. t. da Silva e G. l. Louro. Rio de Janeiro: DP & A, 2011.

HOUAISS, Antônio(1915-1999) e Villar, Mauro de Salles (1939-). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KUHLMANN JÚNIOR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

MAESTRI FILHO, M. J. Quilombos e quilombolas em terras gaúchas. Porto Alegre. Caxias do Sul: Universidade de Caxias, 1979, p.51.

MOURA, G. Proposta pedagógica: educação quilombola. Salto para o Futuro, Brasília, Boletim, 10, p. 3-8, jul. 2007. Disponível em: Acesso em: 12 maio. 2020.p.3.

MUNANGA, K. Origens africanas do Brasil contemporâneo: histórias, línguas, culturas e civilizações. 3. ed. São Paulo: Gaudi, 2012.

OLIVEIRA E. R. O que é benzeção? São Paulo: Brasiliense, 1985.

PIRES, M. F. N. Fios da vida: tráfico interprovincial e alforrias nos sertoins de sima-BA (1860-1920). São Paulo: Annablume, 2009.

SANTOS, F. V. O ofício das rezadeiras: um estudo antropológico sobre as práticas terapêuticas e a comunhão de crenças em Cruzeta/RN. 2007. 196f. - Dissertação(Mestrado)-Programa de Pós-graduação em Antropologia Social - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

SANTOS, S. R. dos. Comunidades Quilombolas: as lutas por reconhecimento de direitos na esfera pública brasileira. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2014.

SARMENTO, M. J. Notas realizadas durante a palestra infâncias, culturas infantis e educação. Rio Grande/RS: Fundação Universidade do Rio Grande, 2005.

VIEIRA, S. L. A educação nas constituições brasileiras: texto e contexto. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v.88, n.219, p. 291-309, ago. 2007. https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.88i219.749

VIGOTISKI, Lev Semenovich. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. Apresentação e comentários de Ana Luiza Smolka. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
BASTOS, Luciete de Cássia Souza Lima. NAS TRILHAS DO QUILOMBO SAMBAÍBA: etnografia de um saber-fazer que se transforma. ODEERE, [S.l.], v. 5, n. 9, p. 49-81, jun. 2020. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/6703>. Acesso em: 08 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6703.