TEMPO DE IMPERMANÊNCIA: TEATRO EM PENITENCIÁRIAS FEMININAS

  • Tatiana Cardoso da Silva
  • Eduardo Cristiano Hass da Silva

Resumo

Este artigo apresenta o projeto: “Tempo de Impermanência: Teatro em Penitenciárias Femininas do Rio Grande do Sul”, ação de extensão proposta por professora e alunos do curso de Graduação em Teatro: Licenciatura, da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. O projeto tem como foco ações teatrais direcionadas a dois presídios da 1ª Delegacia Penitenciária Regional do Estado do Rio Grande do Sul, sendo a Penitenciária Modulada de Montenegro (PMM) e o Presídio Estadual Feminino de Torres (PEFT). Ao longo do texto são discutidas a invisibilidade do encarceramento feminino e as possibilidades de realização de ações teatrais dentro das penitenciárias, bem como são apontados alguns dos caminhos a serem percorridos pelo projeto, e parte dos resultados já obtidos. O projeto aqui apresentado sustenta-se na possibilidade de atuação teatral em espaços não convencionais e na indissociabilidade entre: ensino, pesquisa e extensão, no meio acadêmico, dialogando com autores como Brook (1995), Maria da Gloria Gohn (2004) e Henri Bergson (2006).

Publicado
2019-12-21
Como Citar
SILVA, Tatiana Cardoso da; SILVA, Eduardo Cristiano Hass da. TEMPO DE IMPERMANÊNCIA: TEATRO EM PENITENCIÁRIAS FEMININAS. Revista Extensão & Cidadania, [S.l.], v. 6, n. 11, p. 15, dez. 2019. ISSN 2319-0566. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/recuesb/article/view/5888>. Acesso em: 04 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/recuesb.v6i11.5888.