Precisamos falar sobre simulacro (We need to talk about simulacrum)

Autores

Palavras-chave:

Polêmica; Interincompreensão regrada; Educação para a paz; Educação para os Direitos Humanos; Competências sócio emocionais.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo contribuir, a partir da análise do discurso, para a educação para a paz e para a educação para os Direitos Humanos. Parte-se da exposição do conceito de simulacro, proposto por Dominique Maingueneau, e analisa-se um dado de polêmica política que circulou no Facebook em 2018, seguindo a metodologia proposta por este autor para compreensão do simulacro. Em seguida, é proposta uma atividade a ser desenvolvida em sala de aula, a partir do 8º ano do Ensino Fundamental, para que se trabalhem competências sócio emocionais ligadas ao diálogo e à gestão de polêmicas, a partir da análise dos simulacros.

Biografia do Autor

Ana Raquel Motta , Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/ Brasil)

Ana Raquel Motta é pesquisadora e professora da Educação Básica e Ensino Superior na área de Língua Portuguesa, Linguística e Linguística Aplicada. Tem bacharelado e licenciatura em Letras (Unicamp, 1996), mestrado (Unicamp, 2004) e doutorado em Linguística (Unicamp, 2009, com bolsa Fapesp). Foi pesquisadora de pós-doutorado no LAEL- PUC/SP, na área de Linguagem e Trabalho (2012-2015, com bolsa Fapesp), e Visiting Scholar na University of Texas at Austin (2013-2014, com bolsa BEPE-Fapesp). Atualmente é pesquisadora de pós-doutorado no Departamento de Linguística Aplicada da Unicamp, onde desenvolve pesquisa sobre formação de professores para paz e ministra aulas na Graduação.

Referências

AMOSSY, Ruth. Apologia da polêmica. Tradução Mônica Magalhães Cavalcanti. São Paulo: Contexto, 2017.

ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola, 2005.

A TERRA É PLANA. Direção: Daniel Clark. Produção: Caroline Clark; Nick Andert; Daniel Clark. EUA: Netflix, 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base

COUDRY Maria Irma Hadler. Diário de Narciso: discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

DUAILIBI, Júlia. Candidatos ao mesmo discurso. Folha de S.Paulo, 19/05/2002. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/04/guerra-entre-cloroquiners-e-quarenteners-reinventa-polarizacao-na-pandemia.shtml Acesso em: 15/04/2020.

GALTUNG, Johan. Violence, Peace and Peace Research. In: FERRARI; CABRAL (orgs.). Comunicação, Estudos para a paz e violência organizacional: uma perspectiva crítica. São Paulo: Organicom, ano 15, n 28, p. 33-56, 2018.

HAROCHE, Claudine; PÊCHEUX, Michel; HENRY, Paul. A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem, discurso. Tradução: Roberto Baronas e Fábio César Montanheiro. In: BARONAS, Roberto (org.). Apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro e João, 2011. pp. 13-32.

LYONS, John. Semântica I. Lisboa: Editorial Presença, 1980.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos Discursos. Tradução Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2005[1984].

MAINGUENEAU, Dominique. A cena de enunciação. Tradução: Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva e Décio Rocha. In: Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2011. p. 85-94.

MOTTA, Ana Raquel. Resenha de Gênese dos Discursos. DELTA, v. 28 n. 2, 2008. pp. 385-392.

PAVEAU, Marie-Anne. Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Tradução: Greciely Costa e Débora Massman. Revisão da Tradução José Horta Nunes. Campinas: Pontes, 2013.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso (AAD-69). Tradução: Eni Orlandi. In: GADET, Françoise; HAK, Tony (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1990. pp. 59-158.

POSSENTI, Sírio. O sujeito fora do arquivo? In: MAGALHÃES, Izabel (org). As múltiplas faces da linguagem. Brasília: Editora da UnB, 1996. pp. 37-47.

POSSENTI, Sírio; MOTTA, Ana Raquel. Direita e esquerda: volver! In: BARONAS, Roberto (org.). Apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro e João, 2011. pp. 207-225.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. 36ª ed. Campinas –SP: Autores Associados, 2005.

SILVA, João Thiago Monezi da. Todo dia é um 7 x 1? Consagração e funcionamento da fórmula discursiva “complexo de vira-latas”. Tese (Doutorado em Linguística). Centro de Educação e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2019.

SOUZA E SILVA, Maria Cecília Pérez de; ROCHA, Décio. Por que ler “Gênese dos Discursos”? Resenha de “Gênese dos discursos”, de Dominique Maingueneau. ReVEL, vol. 7, n. 13, 2009. pp. 1-25.

TAVARES, Joelmir. Guerra entre “cloroquiners” e “quarenteners” reinventa polarização na pandemia. Folha de S. Paulo, 15/04/2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/04/guerra-entre-cloroquiners-e-quarenteners-reinventa-polarizacao-na-pandemia.shtml Acesso em: 15/04/2020.

VERÍSSIMO, Érico. Incidente em Antares. Porto Alegre: Editora Globo, 1971.

Downloads

Publicado

2020-11-30