Entre cognição e discurso: estereótipos de gênero, mulher e política (In between cognition and discourse: gender stereotypes, woman and politics)

Autores

Palavras-chave:

Pré-discursos; Memória

Resumo

O presente artigo propõe analisar uma expressão que vem se destacando no cenário político nacional, especialmente: “ELA É (UM) [Np masculino] DE SAIA(S)”, como em “Bolsonaro de saias”, em referência à deputada federal Joice Hasselmann. A análise assenta-se na articulação entre discurso e cognição a partir da categoria dos pré-discursos (PAVEAU, 2013a), concebida como quadros partilhados de crenças, saberes e práticas que informam os discursos, tanto para produção quanto para interpretação. Articulada a uma reflexão em torno dos estereótipos de gênero como enquadres primários (primary frames) (RIDGEWAY, 2009), a análise aponta para uma construção da representação do feminino na política brasileira fortemente atrelada ao universo masculino, reforçando, ao fim e ao cabo, a dualidade entre público e privado, segundo a qual à mulher caberia este último espaço.

Biografia do Autor

Ana Carolina Vilela-Ardenghi, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT/Brasil)

Ana Carolina Vilela-Ardenghi é doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2014) e mestre em Linguística pela Universidade Federal de Uberlândia (2007). É professora do curso de Letras e docente do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal de Mato Grosso. Desenvolve pesquisas em Análise do Discurso, interessando-se, especialmente, por temas relacionados à circulação de representações do feminino nos discursos.

Referências

AMOSSY, Ruth; PIERROT, Anne Herschberg. Estereotipos y clichés. Buenos Aires: Editorial Universitária de Buenos Aires, 2005.

BIROLI, Flávia. O público e o privado. In: BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014, p. 31-46.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

EAGLY, Alice H.; KARAU, Stephen J. Role congruity theory of prejudice towards female leaders. Psychological Review, n. 109, p. 573-579, 2002.

FISKE, Susan T. Stereotyping, prejudice, and discrimination. In: GILBERT, D. T.; FISKE, S. T.; LINDZEY, G. The hand book of social psychology. v. 2. Boston: McGraw-Hill, 1998.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metáforas da Vida Cotidiana. Campinas: Mercado de Letras / EDUC, 2002. Edição original: 1980.

LIPPMANN, Walter. Opinião pública. Petrópolis: Vozes, 2008. Edição original: 1922.

MAINGUENEAU, Dominique. Frases sem Texto. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

MOIRAND, Sophie. L’apport de petits corpus à la compréhension des faits d’actualité. Corpus, n.18, 2018. Disponível em: http://journals.openedition.org/corpus/3519 . Acesso em 19 Abr. 2019.

PAVEAU, Marie-Anne. Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Campinas: Pontes Editores, 2013a.

PAVEAU, Marie-Anne. Memória, des-memória, a-memória: quando o discurso volta-se para seu passado. Tradução: Jocilene Santana Prado e Eduardo Lopes Piris. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 5, p. 137-161, dez. 2013b. Disponível em: https://periodicos.uesc.br/index.php/eidea/issue/view/49 . Acesso em 20 Ago. 2020.

POSSENTI, Sírio. O dado dado e o dado dado. In: ______. Os limites do discurso. Curitiba: Criar Edições, 2002, p. 27-36.

POSSENTI, Sírio. A misoginia como condicionante do golpe de 2016 no Brasil. Discurso & Sociedad, Vol.12(3), 2018, p. 581-593.

RIDGEWAY, Cecilia. Framed before we know it: how gender shapes social relations. Gender & Society, v. 23, n. 2, abr. 2009, p. 145-160.

SILVA, Perla Haydee da. De louca a incompetente: construções discursivas em relação à ex-presidenta Dilma Rousseff. 2019. Tese (Doutorado em Estudos de Linguagem). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2019.

Downloads

Publicado

2020-11-30