To value the dimension of everyday life: articulations to the debate on sustainability

Authors

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v4i1.6173

Keywords:

Socionatureza

Abstract

We propose to value the dimension of everyday life as an analysis focus that plays an important role in the debate that builds the need for new standards of sustainability in the face of socio-environmental segregations. The environmental discussion is usually related to the privilege of large dimensions, of major environmental events (catastrophes), related to the social results arising from them. The overvaluation of such processes are understood here as producers of alienations that deny and camouflage processes of environmental injustices promoted on a daily basis. Valuing everyday life, based on Lefebvre and Heller, for a more solid understanding of reality, is of paramount importance to intertwine networks and sustainability proposals that privilege the common life plan, territorial autonomy and the active participation of the subjects

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Author Biography

Gabriel dos Santos Martins, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro- Brasil

Master's student in Geography at the Postgraduate Program (POSGEO) - Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro - CAPES Scholarship - Member of the Urban and Rural Studies Group (URAIS) -

References

CASTRO-GÓMEZ, S. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In LANDER, E. (org). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2005.
CRUZ, V. C. Geografia e pensamento descolonial: notas sobre um diálogo necessário para a renovação do pensamento crítico. In CRUZ, V. C.; OLIVEIRA, D. A. (orgs). Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017. p. 37-54.
DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo. In LANDER, E. (org). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2005.
ESCOBAR, A. Territórios da diferença: a ontologia política dos “direitos ao território”. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 35, 2015.
HELLER, A. O cotidiano e a história. Paz e Terra: Rio de Janeiro, 1985.
LAYRARGUES, P. P. A Natureza da ideologia e a ideologia da natureza: elementos para uma sociologia da educação ambiental. Tese de doutorado apresentada ao departamento de sociologia do Instituto de filosofia e ciências humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2003.
LEFF, E. Saber Ambiental: Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 6º ed.- Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. Editora Ática, São Paulo, 1991.
LEFEBVRE, H. La Conscience mystifiée. Suivi de La Conscience privée. Paris: Syllepse, 1999 [1936].
MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. Editora Boitempo, 2013.
MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, nº 34, p. 287-324, 2008.
PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1989.
QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In LANDER, E. (org). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2005.
RUA, J. Desenvolvimento, Espaço e Sustentabilidades. IN: RUA, J. (org.). Paisagem, Espaço e Sustentabilidades. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2007;
RUA, J. Desenvolvimentos e sustentabilidades: uma perspectiva geográfica. In: OLIVEIRA, M. P. COELHO, M.C.N. CORRÊA, A, M. O Brasil, a América Latina e o Mundo: Espacialidades Contemporâneas. Rio de Janeiro: Lamparina. 2008.
SANTOS, M. Por uma Geografia cidadã: por uma epistemologia da existência. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, AGB-EDIUPF, n. 21, p. 7-14, 1996.
SANTOS, M. A natureza do espaço. Técnica e tempo, razão e emoção. Ed. da Universidade de São Paulo. 2006.
SMITH, N. Desenvolvimento Desigual. Bertrand, Rio de Janeiro, 1988.
SOUZA, M. L. Quando o trunfo se revela um fardo: reexaminando os percalços de um campo disciplinar que se pretendeu uma ponte entre o conhecimento da natureza e o da sociedade. Geousp – Espaço e tempo, v. 22, n. 2, p. 274-308. 2018.
SWYNGEDOUW, E. A cidade como um híbrido: Natureza, sociedade e “urbanização-ciborgue”. In ACSELRAD, Henri. A duração das cidades: Sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Ed. Lamparina, 2001. p. 99-120.
VESENTINI, J. W. Geografia, natureza e sociedade. São Paulo: Contexto, 1992.

Published

2020-04-30

How to Cite

MARTINS, G. dos S. To value the dimension of everyday life: articulations to the debate on sustainability. Geopauta, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 92-110, 2020. DOI: 10.22481/rg.v4i1.6173. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/6173. Acesso em: 26 sep. 2021.

Issue

Section

Continuous demand articles