Esquistossomose mansônica: uma análise do perfil epidemiológico na região sudeste

Autores

  • João Victor Barreto Costa Universidade Federal Fluminense
  • José Marques da Silva Filho Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.22481/rsc.v17i3.8509

Palavras-chave:

Schistosoma mansoni, Palavras chaves: Schistosoma mansoni, Esquistossomose, Doenças negligenciadas, Brasil

Resumo

Este estudo tem o objetivo de traçar o perfil epidemiológico da esquistossomose mansônica (EM) na região Sudeste do Brasil entre os anos de 2013 a 2017. É um tipo de estudo descritivo de tendência temporal, em que foram utilizados dados disponíveis nos registros de notificação do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), considerando o período de 2013 a 2017. O cálculo da incidência foi obtido através da estimativa populacional projetada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Os dados coletados foram processados pelo Excel 2016. Durante o período foram notificados 21.464 casos da doença no Sudeste brasileiro, tendo Minas Gerais (73,25%) e São Paulo (15,52%) os maiores valores absolutos de contaminação. Percebe-se que a incidência na região diminuiu de 6,03 para 3,35 casos/ano. A maior frequência dos casos envolveu os adultos que estão entre a faixa etária dos 20 aos 39 anos, sendo o sexo masculino (35,5%) o mais acometido. Além disso, a EM teve uma maior predominância na zona urbana (72,7%). Assim, os casos notificados e a  incidência da doença diminuíram na região estudada. Conclui-se que estratégias preventivas e educacionais necessitam ser adotadas, com o intuito de reduzir a incidência de EM na área endêmica da região Sudeste.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

- Prata A. Esquistossomose Mansoni. In: Veronesi R, Veronesi FR, (editor). Tratado de infectologia. 3. ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2007. p.2015-2038.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. 4. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

- Neves DP, Melo AL, Linardi PM, Vitor RWA. Parasitologia Humana. 13. ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2016. p.225-256.

- Souza FPC, Vitorino RR, Costa AP, Faria FC Junior, Santana LA, Gomes AP. Esquistossomose mansônica: aspectos gerais, imunologia, patogênese e história natural. Ver Bras Clin Med 2011; São Paulo, 2011 jul-ago;9(4):300-7.

-World Health Organization. Neglected Tropical Diseases progress dashboard 2011–2020 [Internet]. [acesso em 18 Jun 2020]. Disponível em: https://www.who.int/neglected-tropical-diseases-progress-dashboard-2011-2020.

-World Health Organization. Schistosomiasis [Internet]. [acesso em 18 Jun 2020]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs115/en/.

- World Health Organization. What is shistosomiasis? [Internet]. [acesso em 12 Jun 2020]. Disponível em: https://www.who.int/schistosomiasis/disease/en/.

- WHO/PAHO - World Health Organization/Pan American Health Organization. Neglected infectious diseases in the Americas: success stories and innovation to reach the neediest. 2016. [Internet]. [acesso em 15 Jun 2020] Disponível em: https://iris.paho.org/handle/10665.2/31250.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. 3. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Educação em saúde para o controle da esquistossomose / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

- Reis M. Esquistossomose, pobreza e saneamento. [Dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2018.

- Calasans TAS, Souza GTR, Melo CM, Madi RR, Jeraldo VDLS. Socioenvironmental factors associated with Schistosoma mansoni infection and intermediate hosts in an urban area of northeastern Brazil. PLoS ONE. 2018;13: e0195519.

- Tibiriça SHC, Guimarães FB, Teixeira MTBA. A esquistossomose mansoni no contexto da política de saúde brasileira. Cienc. Saude Coletiva. 2011;16(1):1375-81.

- Massara CL, Amaral GL, Caldeira RL, Drummond SC, Enk MJ, Carvalho OS. Esquistossomose em área de ecoturismo do Estado de Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2008; 24(7):1709-1712.

- Oliveira DS, Santos VB, Melo AGS, Lima AS, Carvalho CD, Allegretti SM, et al. Schistosomiasis mansoni in urban Northeast Brazil: influence of rainfall regime on the population dynamics of Biomphalaria sp. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 46(5), 654-657.

- Vidal CHF, Gurgel FV, Ferreira MLB, Azevendo HRC Filho. Epidemiological aspects in neuroschistosomiasis. Arq Neuropsiquiatr 2010;68(1):72-5.

- REY L. Parasitologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008. p.435-499.

- Vitorino RR, Souza FPC, Costa AP, Faria Júnior FC, Santana LA, Gomes AP. Esquistossomose mansônica: diagnóstico, tratamento, epidemiologia, profilaxia e controle. Rev Bras Clin Med 2012; 10(1):39-45.

- Chaves A, Alcantara OS, Carvalho OS, Santos JS. Estudo comparativo dos métodos coprológicos de Lutz, Kato-Katz e Faust modificado. Rev. Saude Publica 13: 348-352.

- Barbosa CS, Gomes EC, Marcelino JM, Cavalcante KR, Nascimento WC. Quality control of the slides by Kato-Katz method for the parasitological diagnosis of schistosomiasis infection by Schistosoma mansoni. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, 53, 110-114.

- WHO/PAHO. Schistosomiasis Regional Meeting. Defining a road map toward verification of elimination of schistosomiasis transmission in Latin America and the Caribbean by 2020. [Internet]. [Acesso em 15 de Agos 2020]. Disponível em: http://www.PAHO.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_download&Itemid=270&gid=28841&lang=en.

- Kongs A, Marks G, Verlé P, Van der Stuyft P. The unreliability of the Kato-Katz technique limits its usefulness for evaluating S. mansoni infections. Trop. Med Int Health. 2001 Mar;6(3):163-9. doi: 10.1046/j.1365-3156.2001.00687.

- Oliveira WJ, Magalhães FDC, Elias AMS, Castro VN, Favero V, Oliveira AA, et al. (2018) Evaluation of diagnostic methods for the detection of intestinal schistosomiasis in endemic areas with low parasite loads: Saline gradient, Helmintex, Kato-Katz and rapid urine test. PLOS Neglected Tropical Diseases 12(2): e0006232. doi.org/10.1371/journal.pntd.0006232.

- Ministério da Saúde: Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - Rename [Internet]. [acesso em 13 Agos 2020]. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/rename.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. [acesso em 14 Jul 2020]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/.

- Enk MJ, Lima AL, Barros HS, Massara CL, Coelho PZ, Schall VT. Fatores relacionados à transmissão e infecção por Schistosoma mansoni em um vilarejo da região sudeste do Brasil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz [Internet]. [acesso em 13 de Jun 2020]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S007402762010000400037&lng=en. doi: 10.1590/S0074-02762010000400037.

- Pellegrini AF, Remos C, Ribeiro J. A medicina comunitária, a questão urbana e a marginalidade. Rev. Saúde e medicina no Brasil. 1978.

- Blanton RE, Barbosa LM, Reis EA, Carmo TM, Santos CR, Costa JM. A contribuição relativa da imigração ou aumento local para a persistência da esquistossomose urbana em Salvador, Bahia, Brasil. PLoS Negl Trop Dis. 2015; 9 (3): e0003521.

- Katz N, compiler. Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses [bibliografia]. 22. ed. Belo Horizonte: Centro de Pesquisa René Rachou; 2018.

- Spala MR. Esquistossomose no Espírito Santo [Monografia]. Vitoria: Universidade Federal do Espírito Santo; 2013.

- Drummond SC, Pereira SR, Silva LC, Antunes CM, Lambertucci JR. Schistosomiasis control program in the state of Minas Gerais in Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz [Internet]. [acesso em 20 Agos 2020]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S007402762010000400029&lng=en. doi: 10.1590/S0074-02762010000400029.

- Souza D, Ciaravolo R, Kanamura H, Gargioni C, MacDowell A, Falcão C, et al. Esquistossomose Mansônica no Estado de São Paulo: Aspectos Epidemiológicos.

- Estado de São Paulo implanta Semana da Esquistossomose. BEPA, Bol. epidemiol. paul. [Internet]. [acesso 22 Setem 2020]. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722009000400004&lng=pt.

- FC Nunes, Costa ME, Filhote MI, Sharapinn M. Perfil epidemiológico da esquistossomose mansoni no bairro alto da Boa Vista, Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Coletiva. 2005.

- Hotez PJ, Fujiwara RT. Brazil's neglected tropical diseases: an overview and a report card. Microbes Infect. 2014 Ago;16(8):601-6. doi: 10.1016/j.micinf.2014.07.006.

- Ministério da Saúde: Esquistossomose: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção [Internet]. [acesso em 1 de Jul de 2020]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/esquistossomose.

- Barbosa, CS, Favre TC, Amaral RS, Pieri OS. Epidemiologia e controle da Esquistossomose mansoni. In: CARVALHO, OS., COELHO, PMZ., and LENZI, HL., orgs. Schitosoma mansoni e esquistossomose: uma visão multidisciplinar. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008. p 964-1008.

- Rocha JM, Santos MC, Lima MV, Calheiros CM, Wanderley FS. Aspectos epidemiológicos e distribuição dos casos de infecção pelo Schistosoma mansoni em municípios do Estado de Alagoas, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude [Internet]. [acesso em 10 Agos 2020]. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217662232016000200027&lng=pt. http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232016000200003.

- Barbosa CS, Souza AT, Leal-Neto OB, Gomes CS, Araujo KC, Gomes M, et al. Turismo de risco para esquistossomose mansônica em Porto de Galinhas, Estado de Pernambuco, Brasil. Ver. Pan-Amaz. Saude [Internet]. [acesso em 13 Agos 2020]. Disponívelem: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217662232015000300007&lng=pt.

- Amorim MN, Rabello A, Contreras RL, Katz N. Epidemiological characteristics of Schistosoma mansoni infection in rural and urban endemic areas of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1997 Sep-Oct;92(5):577-80. doi: 10.1590/s0074-02761997000500001.

- Melo AGS, Melo CM, Oliveira CCC, Oliveira DS, Santos VB, Jeraldo VLS. Esquistossomose em área de transição rural-urbana: reflexões epidemiológicas. Cienc. Cuid. Saúde [Internet]. [acesso 13 de Agos 2020]. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/12479. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v10i3.12479.

- Martins MFR, Pinheiro MC, Ramos ANJr, Alencar CH, Bezerra FS, Heukelbach J. Trends in schistosomiasis-related mortality in Brazil, 2000-2011. Int J Parasitol. 2014 Dec;44(14):1055-62. doi: 10.1016/j.ijpara.2014.07.009.

Downloads

Publicado

2021-09-27

Como Citar

Barreto Costa, J. V., & Marques da Silva Filho, J. (2021). Esquistossomose mansônica: uma análise do perfil epidemiológico na região sudeste. Revista Saúde.Com, 17(3). https://doi.org/10.22481/rsc.v17i3.8509

Edição

Seção

Artigos originais